Contação de história no ensino médio: leitura, oralidade e literatura na formação do sujeito leitor

Adlene Karla Nunes Rocha, Luiza Helena Oliveira da Silva

Resumo


A contação de histórias e a leitura geralmente são apresentadas como dois aspectos aparentemente distantes da prática humana, sendo a contação uma atividade milenar, pouco praticada nos tempos modernos e a leitura muito elitizada e distante de uma política de formação leitora. Observando tal contexto, surgiu o nosso questionamento: em que medida a atividade de contação de história presente nas práticas pedagógicas das aulas de língua portuguesa do ensino médio pode contribuir para a formação leitora dos estudantes? Para nortear o presente artigo, tivemos como objetivo geral discutir a contação de história como atividade restauradora da oralidade como também estimuladora de leitura para formação do sujeito leitor nas aulas de linguagem e literatura. A metodologia utilizada revisão bibliográfica e análise de depoimentos colhidos entre estudantes do ensino médio de uma escola pública que viveu a experiência de um projeto de leitura nos anos 2017 e 2018. Como aporte teórico, foram trazidos para o debate alguns estudiosos da linguagem e da arte de contar histórias como (2014), Maria de Lourdes Patrine (2005), Paulo Freire (1989), Amadou Hampaté (2010), dentre outros. Constatou-se que contar história dos romances lidos é a moeda de duas faces desse projeto: o caminho para estimular, desafiar os estudantes à leitura dos romances; e a prática de uma das atividades mais antigas da humanidade – a contação de histórias.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRESEN, Sophia de Melo Breyner. O nome das coisas. Disponível em: www.encontro2014.sp.anpuh.org/.../1406766054_ARQUIVO_ELOISAARAGAOAR> Acesso em :15 fev. 2019

BÁ, Hampaté. A tradição viva. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/345975/mod_forum/intro/hampate_ba_tradicao%20viva.pdf > Acesso em: 10 fev. 2019

BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Duas Cidades, 2011.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

BÍBLIA SAGRADA. I epístola de São João. São Paulo: Ave Maria,1971.

BÍBLIA SAGRADA. Gênesis. São Paulo: Editora Ave Maria,1971.

FIORIN, José Luiz. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 1996.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Editora Cortez, 1989.

GOMES, Lenice, MORAES, Fabiano (Orgs,). A arte de encantar: o contador de histórias contemporâneos e seus olhares. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2012.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo: Ática, 2000.

MATOS, Gislaine Avelar. A palavra do Contador de histórias: sua dimensão educativa na contemporaneidade. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2014.

PATRINE, Maria de Lourdes. A renovação do conto: emergência de uma prática oral São Paulo: Cortez, 2005.

TIERNO, Giuliano. A arte de contar histórias: abordagens poética, literária e performática. São Paulo: Ícone, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v21i2.5807

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973