O INSÓLITO NOS CORDÉIS DE FRANKLIN MAXADO

Autores

  • Calila das Mercês Oliveira UEFS
  • Raquel Machado Galvão UEFS
  • Roberto Henrique Seidel

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v15i1.1410

Resumo

O insólito nos cordéis de Franklin Maxadopropõe uma análise acerca de quatro livretos de cordel do escritor e poeta baiano Franklin Maxado, dis-cutindo quadros do elemento insólito recorrentes nos cordéis, aqui entendi-dos por fatos extraordinários, não habituais à realidade. Valorizada por al-guns estudiosos como a raiz da cultura luso-brasileira, ou da cultura popular, a literatura de cordel herda características da literatura oral dos antigos tro-vadores. Os livretos artesanais, por vezes acompanhados de xilogravuras, fo-ram distribuídos, inicialmente, em feiras livres, e tiveram em Feira de Santa-na, cidade do agreste da Bahia onde Franklin nasceu, um importante ponto de distribuição. É recorrente na literatura de cordel a utilização de narrações ritmadas e originais que abarcam o fantástico e o maravilhoso. Isto pode ser verificado neste estudo. As teorias presentes no artigo se baseiam em Tzve-tan Torodov, Italo Calvino, Câmara Cascudo, Remo Ceserani, IrlemarChiampi, entre outros.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

CALVINO, Ítalo. La machine littérature. Paris: Seuil, 1984.

CASCUDO, Câmara. Vaqueiros e cantadores: folclore poético do sertão de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Rio de Janeiro: Tecno-print/Edições de Ouro, 1968.

CHIAMPI, Irlermar. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance hispano- americano. São Paulo: Perspectiva, 1980.

CESERANI, Remo. O fantástico. Trad. Nilton Cezar Tridapalli. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.

DIÉGUES Júnior, Manuel. A literatura de cordel. In: BATISTA, Sebastião Nunes. Antologia da literatura de cordel. Natal: undação José Augusto, 1977.

GARCÍA, Flávio. (Org.). A banalização do insólito: questões de gênero literário — mecanismos de construção narrativa. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2007.

HAURÉLIO, Marco. Literatura de cordel: do sertão à sala de aula. São Paulo: Paulus, 2013.

HAURÉLIO, Marco. Antologia do cordel brasileiro. São Paulo: Global, 2012.

MAXADO, Franklin. A lenda da Iara é a mesma de Iemanjá e das sereias. [S. l.: s. n., s. d.]. 9 p.

MAXADO, Franklin. Cordel. São Paulo: Hedra, 2007.

MAXADO, Franklin. Maxado Nordestino e o cordel em Feira de Santana. Re-vista Légua & Meia: Revista de Literatura e Diversidade Cultural, v. 4, n. 3., p. 231-247, 2005. Disponível em: <http://leguaemeia.uefs.br/3/3_231-254_cordel.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2014.

MAXADO, Franklin. O casamento do lobisomem com uma vampira feiticeira. [S. l.: s. n., s. d.]. 9 p.

MAXADO, Franklin. O que é cordel. Mossoró: Editora Queima-Bucha, 2011.

MAXADO, Franklin. O santo jumento no reino dos céus. [S. l.: s. n., s. d.]. 9 p.

MAXADO, Franklin. Saci e Bicho Folharaz no reino da bicharada. São Paulo: Luzeiro, 2011. 16 p.

MEDEIROS, Sérgio. Politeísmo literário. Dossiê Estudos culturais, Cult, n. 17, dez. 1998.

OLIVEIRA, Nelson. O cordel agora é wireless. Revista Lupa, ano 4, n. 6, 2009.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representação: palavras, instituições e ideias. São Paulo: Lua Nova, 2006.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moisés. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006, p. 147-166. Col. Debates 14.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Cor-rea Castello. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992. Col. Debates 98.

Downloads

Publicado

2017-02-13

Como Citar

Oliveira, C. das M., Galvão, R. M., & Seidel, R. H. (2017). O INSÓLITO NOS CORDÉIS DE FRANKLIN MAXADO. A Cor Das Letras, 15(1), 27–38. https://doi.org/10.13102/cl.v15i1.1410