NARRATIVA FANTÁSTICA: QUESTÃO DE LEITURA?

Autores

  • Karla Niels Niels Universidade do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v15i1.1419

Resumo

A categorização do fantástico, como gênero, não tem sido inequívo- ca nos estudos literários. Para Tzvetan Todorov o fantástico surge como um efeito decorrente da ocorrência de acontecimentos estranhos e insólitos em meio à narrativa, bem como da possibilidade de se fornecer duas explicações para esses acontecimentos. Diante da ambiguidade expressa pelo insólito, “alguém” deve optar por uma saída: o personagem ou o próprio leitor (Cf. TODOROV, 2007). A identificação do leitor com o personagem, apesar de considerada por Todorov, é vista por ele como fator dispensável. A hesitação entre uma explicação e outra, sim, seria o ponto central para a concretização do gênero. Filipe Furtado (1980), por sua vez, não admite a intervenção de um leitor empírico nesse tipo de narrativa. A dúvida e a hesitação patentes  ao gênero seriam somente da narrativa e não do leitor. Diante desse impas- se, o trabalho visa considerar algumas teorias relacionadas ao leitor e à leitu- ra, a fim de avaliar a pertinência de se admitir a hipótese da participação de um leitor real na construção das narrativas fantásticas e, em especial, naque- las em que o medo provocado no leitor pelos acontecimentos narrados cons- titui a sua força motriz (cf. ROAS, 2006).

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

AZEVEDO, Álvares de, 1831-1852. Obra completa. Org. Alexei Bueno; textos críticos, Jaci Monteiro et al. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000.

BARTHES, Roland. The death of the author. In: Image, music, text. Essays se- lected and trans. Ed. by Stephen Heath. New York: Hill, 1977.

CESERANI, Remo. O fantástico. Trad. Nilton César Tridapalli. Curitiba: Ed. UFPR, 2006.

ECO, Umberto. Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 1976 [1961].

ECO, Umberto. Sei Passeggiate nei Boschi Narrativi. Milano: Tascabili Bompiani, 2007 [1994].

ECO, Umberto. Interpretazione e sovrainterpretazione. Milano: Tascabili Bompiani, 2004 [1995].

ECO, Umberto. Sulla Letteratura. Milano: Tascabili Bompiani, 2003 [2002].

FANTÁSTICO. In: AULETE digital: dicionário contemporâneo da língua portu- guesa. Rio de Janeiro: Lexikon Ed. Digital, 2008. Disponível em:

.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Trad. Antonio F. Cascais e Edmundo Cordeiro. Lisboa: Vega, 1992.

FURTADO, Filipe. A construção do fantástico na narrativa. Lisboa: Horizonte, 1980.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Lisboa: Ed. 70, 1992.

ISER, Wolfgang. O ato de leitura: uma teoria do efeito estético. Trad. Johan- nes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, 1996, v. 1.

ISER, Wolfgang. O ato de leitura: uma teoria do efeito estético. Trad. Johan- nes Kretschmer. São Paulo: Ed. 34, 1996, v.2

ISER, Wolfgang. O fictício e o imaginário: Perspectivas de uma antropologia literária. Trad. Johannes Kretschemer. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.

KING, Stephen. Dança macabra: o fenômeno do horror no cinema, na litera- tura e na televisão dissecado pelo mestre do gênero. Trad. Louisa Ibañez. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

KING, Stephen. Sombras da noite. Trad. Luiz Horácio da Matta. Rio de Janei- ro: Globo, 1978.

LIMA, Luiz da Costa. (Sel., coord. e trad.). A literatura e o leitor. Rio de Janei- ro: Paz e Terra, 1979.

LOVECRAFT, Howard Phillips. O horror sobrenatural em literatura. Trad. Celso

M. Paciornik. Apres. Oscar Cesarotto. São Paulo: Iluminuras, 2007.

ROAS, David. El nacimento de lo fantástico. In: De la maravilla al horror: Los inicios delo fantástico en la cultura española (1750-1860). Pontevedra: Mira- bel Editorial, 2006.

ROAS, David. Lo fantástico como desestabilización de lo real: elementos para una definición. In: Teresa López Pellisa y Fernando Ángel Moreno. (Ed.). En- sayos sobre literatura fantástica y ciencia ficción. Universidad Carlos III de Madrid, Madrid, 2009. Disponível em: http://e- archi- vo.uc3m.es/bitstream/handle/10016/8584/fantastico_roas_LITERATURA_20 08.pdf. Acesso em: 28 nov. 2013.

ROAS, David. Em torno a uma teoria sobre o medo e o fantástico. Trad. Lara D’Onofrio Longo. In: VOLUBUEF, Karin; WIMMER, Norma; HERRERA, Roxana Guadalupe. (Org.).Vertentes do fantástico na literatura. São Paulo: Annalube, 2011.

SARTE, Jean-Paul. Que é a literatura? Trad. Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Ática, 1989. [1948].

TODOROV, Tzvetan. Estruturalismo e poética. São Paulo: Cultrix, s/d [1968].

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Cor- rea Castello. São Paulo: Pespectiva, 2007.

ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 1989.

Downloads

Publicado

2017-02-13

Como Citar

Niels, K. N. (2017). NARRATIVA FANTÁSTICA: QUESTÃO DE LEITURA?. A Cor Das Letras, 15(1), 75–90. https://doi.org/10.13102/cl.v15i1.1419