As orações relativas no falar feirense: Uma descrição preliminar

Autores

  • Jéssica Carneiro da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Cristina Figueiredo Universidade Federal da Bahia
  • Silvana Silva de Farias Araújo Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v17i1.1444

Resumo

Neste trabalho, faz-se uma discussão teórica e uma revisão de literatura sobre as estratégias de relativização, traçando explicações acerca das cinco estratégias existentes: 1. A relativa padrão; 2. A relativa padrão com lembrete; 3. A relativa pied piping; 4. A relativa cortadora; 5. A relativa cortadora com lembrete, descrevendo suas funções sintáticas. Revisitam-se os pressupostos teóricos da Sociolinguística Laboviana, discutindo os principais conceitos, ideias e perspectivas, correlacionando-os com um breve percurso sócio-histórico sobre a cidade de Feira de Santana, situada no semiárido baiano, região também conhecida como a zona da agropecuária. Em linhas gerais, este trabalho reúne discussões sucintas sobre a sócio-história do português brasileiro (PB) – levando em conta aspectos como o forte contato linguístico e a transmissão linguística irregular – e a sócio-história do município baiano de Feira de Santana –, enfatizando suas características comerciais, o fator migratório e sua posição geográfica. Ademais, busca-se elencar uma variação de ordem sintática no português feirense falado, representada por dados reais de fala extraídos do projeto A língua portuguesa do semiárido baiano – Fase 3: amostras da língua falada em Feira de Santana-Ba, sediado no Núcleo de Estudos da Língua Portuguesa (NELP), descrevendo-se os possíveis fatores linguísticos e sociais dessa variação, com a finalidade de difundir os resultados parciais obtidos na pesquisa desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), com a dissertação de mestrado intitulada “As orações relativas no português falado em Feira de Santana”, em andamento.

Referências

ALMEIDA, L. F. de. Urbanização, escolarização e variação linguística em Feira de Santana-Bahia (século XX). Tabuleiro de Letras: Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Departamento de Ciências Humanas – DCH I, n. 04, jun. 2012.

ARAUJO, S. S. de F. A concordância verbal no português falado em Feira de Santana: sociolinguística e sócio-história do português brasileiro. 2014, 342f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

______. ALMEIDA, N. L. F. de. O projeto A língua portuguesa no semiárido baiano - Fase 3: critérios de constituição e da amostragem do Banco de dados. In: FREITAG, R. M. Ko. (Org.). Metodologia de coleta e manipulação de dados em Sociolinguística. São Paulo: Edgard Blücher, 2014, p. 27-47.

______. ARAUJO, J. M. de O.A Formação sócio-histórica do português do Brasil: contribuições do recôncavo baiano. Cadernos de Letras da UFF: Dossiê Difusão da língua portuguesa, Niterói: n. 39, p. 95-116, 2009. Disponível em: <http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/edicoes/39/artigo5.pdf>. Acesso em: 27 maio 2016.

BAGNO, M. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. 2. ed. São Paulo: Parabólica, 2001.

BISPO, E. B. Estratégias de relativização no português brasileiro e implicações para o ensino: o caso das cortadoras. 2009, 162 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

BECHARA, E. Lições de português pela análise sintática. 13. ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1985.

BURGOS, E. Estratégias de Uso das Relativas em uma comunidade de fala afro-brasileira. 2003, 122f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

CUNHA, Celso Ferreira. Gramática da língua portuguesa. 11. ed. 2. Rio de Janeiro: FAE, 1986.

LABOV, W. Sociolinguistics patterns. 3. ed. Philadelphia: University of Pensylvania Press, 1972.

LUCCHESI, D. Variação e norma: elementos para uma caracterização sociolingüística do português do Brasil. Revista Internacional de Língua Portuguesa, Lisboa: Associação das Universidades de Língua Portuguesa, n.12, 1994. p. 17-28.

______. D. As duas grandes vertentes da história sociolingüística do Brasil (1500-2000), Revista D.E.L.T.A., São Paulo: v.17, n.1, p. 97-132, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/delta/v17n1/a05v17n1.pdf>. Acesso em: 19 jun 2016.

______. Língua e sociedade partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

LUCCHESI, D. ARAÚJO, S. S. de F. A Teoria da variação linguística. s.d.(Texto em homepage do Projeto Vertentes) Disponível em: <http://www.vertentes.ufba.br/a-teoria-da-variacao-linguistica>. Acesso em 28 maio 2016.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MIOTO C.; SILVA, M. C. F.; LOPES, R. E. V. Novo manual de sintaxe. Florianópolis: Insular, 2004.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP, 2000.

RIBEIRO, I. As sentenças relativas. In: LUCCHESI, D. (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 185-208.ROCHA LIMA, Carlos Henrique. Gramática normativa da língua portuguesa. 24. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.

RIBEIRO, Ilza; FIGUEIREDO, Cristina. Relativas. In: LOBO, Tânia; RIBEIRO, Ilza; FIGUEIREDO, Cristina. Relativas. In: OLIVEIRA, Klebson. África à Vista: Dez estudos sobre o português escrito por africanos no Brasil do século XIX. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 208-240.

TARALLO, Fernando. Diagnosticando uma gramática Brasileira: o português d’aquém e d’além-mar ao final do século XIX. In: ROBERTS, Ian; KATO, Mary (orgs). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993 (versão original em inglês 1991). p. 69-100.

TARALLO, F. L. Relativization strategies in brazilian portuguese. (Estratégias de relativização no português brasileiro). 1983. 273 f. Tese (Doutorado em Linguística), Pensilvânia: Universidade da Pensilvânia, 1983.

WEINREICH, U. LABOV, W. HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno; revisão técnica de Carlos Alberto Faraco; posfácio de Maria da Conceição Paiva e Maria Eugênia L. Duarte. São Paulo: Parábola, 2006.

Downloads

Publicado

2017-02-22

Como Citar

da Silva, J. C., Figueiredo, C., & Araújo, S. S. de F. (2017). As orações relativas no falar feirense: Uma descrição preliminar. A Cor Das Letras, 17(1), 31–45. https://doi.org/10.13102/cl.v17i1.1444

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)