(Re)Construção Mítica de Eva Perón no Romance Santa Evita (1996) – Tomás Eloy Martínez

Josiane Valcarenghi Ribeiro Nantes

Resumo


Eva Perón é um nome significativo na história política da Argentina, sua influência surtiu, e continua surtindo efeito, no povo desse país até os dias atuais. “Evita” foi odiada/amada em níveis extremos, tanto que foi considerada uma santa, um mito para muitas pessoas. Tomás Eloy Martínez escreveu o romance – Santa Evita (1995) em que narra como viveu a esposa de Juan Domingo Perón. Nesta obra encontra-se muitos elementos que dão indícios da (re)mitificação de Eva, por isso tenta-se aqui, explorar como se deu a (re)construção mitológica de Eva Perón, personagem histórica no romance Santa Evita (1996) de Tomás Eloy Martínez, e ainda, expor quais foram os procedimentos adotados pelo autor que (re)construíram esse mito. Utiliza-se, como base teórica, Linda Hutcheon (1991) e Fleck (2007) no conceito de metaficção historiográfica, Mircea Eliade (1991) e Martín Cezar Feijó (1984) no que cabe à análise do Mito. Esta breve pesquisa se dará a partir da análise bibliográfica e de forma comparativa entre a história e a escrita ficcional do romance Santa Evita (1996) de Tomás Eloy Martínez, discute-se os elementos utilizados e o caminho percorrido para a (re)construção do mito Eva Perón na obra citada.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Adenilson Barros; FLECK, Gilmei Francisco. Canudos: conflitos além da guerra – entre o multiperspectivismo de Vargas Llosa (1981) e a mediação de Aleilton Fonseca (2009). Curitiba, PR: CRV, 2015.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 3ª edição. 1991

FEIJÓ, Martín Cezar. O que é herói. São Paulo: editora Brasiliense, Coleção Primeiros Passos. 1984

FLECK, Gilmei Francisco. A conquista do "entre-lugar": a trajetória do romance histórico na América. Gragoatá, Niterói, n. 23, p. 149-167, jul./dez. 2007.

______. Gêneros híbridos da contemporaneidade: o romance histórico contemporâneo de mediação – leituras no âmbito da poética do descobrimento. In: RAPPUCCI, C.A; CARLOS, A. M. (Orgs.). Cultura e Representação – ensaios. Assis/SP: Triunfal, 2011. p. 81-95.

GOMES, Anderson Soares. Narrando Fatos: História e Historicidade em O Homem do Castelo de Philip K. Dick. VIII. Congresso Nacional de Lingüística e Filologia Cadernos do CNLF, Série VIII, no.07, 2004. Disponível em: http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno07-08.html. acesso dez. 2005.

HUTCHEON, Linda. Poética do Pós-modemismo: História, Teoria, Ficção.Trad. Ricardo Cruz. - Rio de Janeiro: Imago Ed., 1991. 330p.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: A lógica cultural do capitalismo tardio. Tradução de Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Ática, 2ª edição, 1997.

MAESTRI, Mário. História e romance histórico: fronteiras. Revista Novos Rumos, Marilia/SP, ano 17, n. 36, 2002. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/viewFile/2228/1846. Acesso jul. 2016.

MARTÍNEZ, Tomás Eloy. Santa Evita. Trad. Sérgio Molina. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MENTON, Seymour. La Nueva Novela Histórica De La América Latina, 1979-1992. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

NAVARRO, Nina Gerassi. Evita – Mitos y representaciones. Serie Breves. Argentina: Fondo de Cultura Económica, 2002.

SÁNCHEZ, Matilde. Evita – Imagens de uma Paixão. São Paulo: editora DBA – Melhoramentos. 1997.

VEYNE, Paul. Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Trad. de Alda Baltar e Maria Auxiadora Kneipp. Brasília: UnB, 4. ed., 1998. Disponível em: http://histoeajuda.blogspot.com.br/2015/04/como-se-escreve-historia-pdf.html. Acesso jul. 2016.

VIU, Antonia. Una poética para el encuentro entre historia y ficción. Revista chilena de literatura. Chile, nº 70, 167-178. Abril 2007. Disponível em http://www.revistaliteratura.uchile.cl/index.php/RCL/article/viewFile/1451/1339. Acesso Set. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i1.1619

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

 Licença Creative Commons

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.