A simbologia do animal na construção da personagem: o real e o irreal no conto “Tigrela” de Lygia Fagundes Telles

Antonia Marly Moura Silva

Resumo


No discurso mimético de Lygia Fagundes Telles, eventos aparentemente verossímeis cedem lugar à imaginação, imprimindo uma atmosfera de confronto entre o estranho e o familiar, o real e o irreal. No conto “Tigrela”, integrante da obra Mistérios (1981), a personagem feminina é delineada com traços que confundem sua identidade. Trata-se da história de Romana e seu animal de estimação, Tigrela, uma fêmea de tigre com quem a mulher partilha o luxo e o conforto de um apartamento, adaptado para tal convivência. Na trama, a mulher ora vela ora revela seus traços animalescos ao mesmo tempo em que acentua atributos humanos na representação do animal. A caracterização dessa relação binária constitui terreno fértil para uma reflexão sobre os limites entre homem e bicho. Sob tal enfoque, faremos uma leitura da narrativa à luz dos conceitos de fantástico formulados por Roger Bozzetto (2001), Irène Bessière (2005), David Roas (2001, 2011, 2014), Julio Cortázar (1993), dentre outras referências da Teoria da Literatura.


Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2004.

BRAVO, Nicole F. O duplo. In: BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997. p. 261-288.

CADERNOS DE LITERATURA BRASILEIRA: Lygia Fagundes Telles. São Paulo: Instituto Moreira Sales, 2002.

CALVINO, Ítalo. Contos fantásticos do século XIX: o fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

CESERANI, Remo. O fantástico. Curitiba: Editora UFPR, 2006.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução Fábio Landa. - São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FINNÉ, Jean. La littérature fantastique. Essai sur l'organisation surnaturelle. Bruxelles: Éditions de l'Université de Bruxelles, 1980.

FURTADO, Felipe. A construção do fantástico na narrativa. Lisboa: Livros Horizonte, 1980.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

HEIDEGGER. Os pensadores. Trad. e notas: Ernildo Stein. São Paulo: Nova cultural, 1991.

KRISTEVA Julia. História de amor. Trad. Leda Tenório da Motta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LAMAS, Berenice Sicas. O duplo em Lygia Fagundes Telles: um estudo em Literatura e psicologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

LUCAS, Fabio. O conto no Brasil moderno. In: LIMA, Luis Costa. et. al. O livro do seminário. São Paulo: Nestlé /L. R. Editores, 1983, p. 103-161.

MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. O conto fantástico. In:____. A arte do conto: sua história, seus gêneros, sua técnica, seus mestres. Rio de Janeiro: Bloch, 1972.

MELLO, Ana Maria Lisboa de. As faces do duplo na literatura. In: INDURSKY, Freda. Discurso, memória, identidade. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2000.

RIBEIRO, Juliana Seixas. Mistérios de Lygia Fagundes Telles: uma leitura sob a óptica do fantástico. (Dissertação de Mestrado). Campinas, SP: UNICAMP, 2008. Disponível em: < http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000439373>. Acesso em: 15 jul. 2008.

ROAS, David. La amenaza de lo fantástico. In: ROAS, David. et. al. Teorías de lo fantástico. Madrid: Arco Libros, 2001. p. 07-44.

____. Tras los limites de lo real: uma definição de lo fantástico. Madrid: Páginas de Espuma, S. L., 2011.

____. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. São Paulo: Editora da UNESP, 2014.

RODRIGUES, Selma Calasans. O fantástico. São Paulo: Ática, 1988.

ROSSET, Clemente. O real e seu duplo: ensaio sobre a ilusão. 2. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

SILVA, Vera Maria Tietzmann. A metamorfose nos contos de Lygia Fagundes Telles. 2. ed. Goiania: Editora da UFG, 2001.

TELLES, Lygia Fagundes. Mistérios. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i1.1621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

 Licença Creative Commons

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.