Eros e Thanatos em “Tempos Sombrios”: aspectos da teoria pulsional em diálogo com Stefan Zweig e Hannah Arendt

Érica Schlude Wels

Resumo


O presente artigo reflete sobre aspectos ligados à propensão do homem pela destruição e domínio do outro por meio da violência.  Nesse sentido, elencamos reflexões sobre os conceitos psicanalíticos de Eros e Thanatos, além de contribuições do pensamento de Hannah Arendt  (1987; 1995; 1997), sobretudo o conceito de “Banalidade do Mal”;  O mal concretizado pelo nazismo é monstruosamente banal e burocrático, ao mesmo tempo que eficiente e sistemático, levado a cabo por agentes superficiais (LECHTE, 2002).  Buscar-se-á estabelecer um diálogo entre esse arcabouço teórico e três novelas do escritor austríaco Stefan Zweig, ele próprio uma vítima declaradamente pacifista do exílio imposto aos escritores judeus no período da Segunda Guerra:  “A coleção invisível” (2015, [1924]), “O Livreiro Mendel” (1999, [1929])  e “Xadrez, uma novela” (2015, [1944]) têm a guerra como pano-de-fundo; O presente trabalho objetiva explorar aspectos da chamada “mitologia psicanalítica”, campo definido por Freud como obscuro.  Além do caráter destruidor intrínseco à natureza humana, como postulado nos textos freudianos que abordam a guerra (1916; 1933, [1932]), destacamos o protótipo da pulsão de morte: compulsão à repetição e ao retorno do inorgânico, movimento regressivo de retorno a um estado anterior (ROUDINESCO; PLON, 1998).  Ao explorar a teoria das pulsões em seu dualismo Eros/Thanatos, lançamos luzes sobre o que Arendt define como “Tempos sombrios”.


Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Acrescido de um perfil de Hannah Arendt por Celso Lafer. Trad. Denise Bottmann: São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

______. A Condição humana. Trad. Roberto Raposo. Posfácio de Celso Lafer. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

______. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Antônio Abranches, César Augusto R. de Almeida, Helena Martins. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

______. Eichmann em Jerusalém. Trad. José Rubens Siqueira. Sao Paulo: Companhia das Letras, 1999.

______. Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia do Bolso, 2012.

ANDRADE, Marcelo. A banalidade do mal e as possibilidades da educação moral: contribuições arendtianas. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n43/a08v15n43.pdf Revista Brasileira de Educação v. 15 n. 43 jan./abr. 2010.

FREUD, Sigmund. Sobre a transitoriedade. (1916 [1915]). Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud: Edição Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996. Vol. XIV.

______. Além do princípio do prazer. (1920). Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud: Edição Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996. Vol. XVIII.

______. Por que a guerra?. (1933 [1932]). Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud: Edição Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996. Vol. XXII.

MEZAN, Renato. Freud, o Pensador da Cultura. 3. Ed. Sao Paulo: Ed. Brasiliense, 1985.

ZWEIG, Stefan. O Livreiro Mendel. In: Medo e outras histórias. Trad. Lya Luft. Uma homenagem de Abraão Koogan à memória de S. Zweig. Rio de Janeiro: Record, 1999. 199-234.

______. A coleção invisível. In: Novelas insólitas. Tradução Kristina Michahelles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2015.

______. Xadrez, uma novela. In: Novelas insólitas. Tradução Kristina Michahelles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i1.1630

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

 Licença Creative Commons

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.