Nem Florida, nem Boedo: assegura o 'escritor fracassado' de Roberto Arlt

Adriana de Borges Gomes

Resumo


Florida e Boedo são nomes de ruas da cidade de Buenos Aires, com características distintas bem expressivas: Florida era a rua do “ócio distraído”, da boemia da arte gratuita, sem motivações que não fossem estéticas. Boedo era a rua do “tráfego fabril”, situada num bairro onde muitas fábricas estavam instaladas, o que fomentava a agitação das consciências para o levante de uma bandeira subversiva. Das designações topográficas do bairrismo portenho nasceu uma contenda cultural de classes, em que a literatura foi o veio central. A polêmica literária deve ser vista no seu interior, recorrendo-se ao momento histórico em que ocorreu, pois somente com a distância temporal o historiador da literatura pode avaliar o que representou na época e o que significa na contemporaneidade tal controvérsia para a história da literatura argentina. E, ainda assim, manter certa desconfiança, pois o historiador é um pesquisador que muitas vezes recorta acontecimentos e os dota de significado de acordo com suas ideologias; como chama a atenção o historiador da literatura latino-americana Antonio Cornejo Polar (2000). Na conformação dos dois grupos e na localização dos escritores em cada um deles, houve muitas discrepâncias. Castelnuovo, nos diz Adolfo Prieto (2009), declarou que o grupo Boedo não existiu, o que existia era uma literatura de arrabalde. Assim, Prieto mapeia em seu ensaio “Boedo e Florida” algumas esclarecimentos e tentativas de encaixar os escritores em um grupo ou outro. Em uma dessas demonstrações está claro que Roberto Arlt não se localizava em nenhum dos dois grupos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARLT, Roberto. “Escritor fracassado” in _________ . As feras. Trad. de Sérgio Molina, São Paulo: Iluminuras, 2002.

ARLT, Roberto. Aguafuertes Porteñas. Buenos Aires: EDICOM, 1969.

ARLT, Roberto. “Palavras do autor”. __________. Os sete loucos & Os lança-chamas. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro, São Paulo: Iluminuras, 2000.

CORTÁZAR, Julio. “Roberto Arlt: anotações de releitura”, in ______. Obra Crítica, v. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CORNEJO POLAR, A. O condor voa: literatura e cultura latino-americana. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

DIAS, Ângela Maria, “Cidades cruéis de Nelson Rodrigues e Roberto Arlt”, Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº 22. Brasília, janeiro/junho de 2003, pp. 157-172.

DOSTIEWSKI. “O subsolo” in __________. Notas do subsolo e outros contos. Trad. de Ruth Guimarães, Rio de Janeiro, Ediouro, s/d.

QUIROGA, Horacio. Decálogo do perfeito contista. Disponível em: http://mgallo.zip.net/arch2007-04-16_2007-04-30.html#2007_04-21_11_57_47-113757668-0. Acesso: 17 de janeiro de 2012.

PIGLLA, Ricardo. "¿Quién es R. Arlt?". _____in: Crítica y ficción. Buenos Aires: Seix Barral, 1986.

PRIETO, Adolfo. “Boedo e Florida”, in: Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 21, n. 2, pp. 289-304, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ts/v21n2/v21n2a14.pdf. Acesso 13 de abril de 2017.

SHAW, Donald L. Nueva narrativa hispanoamericana. Madrid: Cátedra, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i1.1657

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

 

 

 Licença Creative Commons

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.