Presença abençoada ou ausência sentida: a água na toponímia da Bahia

Clese Mary Prudente, Celina Márcia Abbade

Resumo


A Onomástica, ramo da Lexicologia que estuda os nomes próprios de pessoas (antropônimos) e de lugares (topônimos), representa uma fonte de estudo da língua e sua relação com o patrimônio cultural de um povo. Nessa perspectiva, considerando os topônimos como testemunhos da história da língua e buscando conciliar as abordagens teóricas da Etnolinguística e da Lexicologia, com foco nos estudos onomásticos, discute-se, neste artigo, a importância da água, como presença abençoada ou ausência sentida, no processo de nomeação do espaço na Bahia. Povoados, vilas, aldeias surgiram às margens de rios, lagoas e riachos e o povo aprendeu a identificar o lugar por essa presença, imprescindível à existência de vida. Analisa-se, nesse contexto, o número significativo de hidrotopônimos, uma taxe de natureza física, no corpus estudado, que envolve os 169 designativos dos municípios presentes nos volumes XX e XXI da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2 de julho de 1958.  De acordo com o sistema classificatório proposto por Dick (1990, 1992) para a realidade toponímica brasileira, as taxes de natureza física refletem a visão imediata da terra, causa nominativa principal na toponímia baiana analisada, resultado que se contrapõe ao registrado em outras regiões do Brasil, onde a supremacia da colonização portuguesa, predominantemente marcada pela fé religiosa, se sobrepõe à força da natureza no ato de nomear o lugar.


Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA. Bahia em números. v. 3. Edição bilíngue: português e inglês. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia-SEI. Salvador: SEI, 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

BAHIA. Plano Estadual de Recursos Hídricos. Superintendência de Recursos Hídricos da Bahia-SRH. Salvador: SRH, 2003. Disponível em:

. Acesso em 20 jul. 2017.

BAHIA. Decreto n. 12354 de 25 de agosto de 2010. Institui o Programa de Territórios de Identidade e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 26 de agosto, 2010. Disponível em: . Acesso em 20 abr. 2016.

CEDETER. Territórios de Identidade da Bahia (mapa). Conselho Estadual de Desenvolvimento Territorial (CEDETER), Salvador. 2011. Disponível em: . Acesso em 23 jul. 2017.

DICK, Mª Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições do Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Mª Vicentina de Paula do Amaral. Coletânea de Estudos. 3. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1992.

DICK, Mª Vicentina de Paula do Amaral; SEABRA, Mª Cândida Trindade Costa de. Caminho das águas, povos dos rios: uma visão etnolinguística da toponímia brasileira. Cadernos do CNLF, Rio de Janeiro, v. 5, p. 25-32, 2002. Disponível em: < http://www.filologia.org.br/vcnlf/anais%20v/civ6_07.htm>. Acesso em 20 abr. 2016.

DICK, Mª Vicentina de Paula do Amaral. Atlas Toponímico do Brasil: Teoria e Prática II. In: Revista Trama, v. 3, n. 5. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2007. p. 141-155

GREGÓRIO, Irmão José. Contribuição indígena ao Brasil. Belo Horizonte: União Brasileira de Educação e Ensino, 1980.

IBGE. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. v. XX/XXI. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, 1958.

ISQUERDO, Aparecida Negri. O nome do município. Um estudo etnolinguístico e sócio-histórico na toponímia sul-mato-grossense. In: Revista Prolíngua, v. 2, n. 2, jul/dez, 2008. p. 34-52.

MIRANDA, Dayse Lago de. Universidade do Estado da Bahia/UNEB e o desenvolvimento territorial sustentável: estudo da relação do campus XVI com o Território de Identidade de Irecê. 2010. Dissertação (Mestrado). PPGEduC, UNEB. Salvador, 2010. Disponível em: . Acesso em 20 mar. 2016.

NAVARRO, Eduardo de Almeida. Dicionário de Tupi Antigo. A língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

PRUDENTE, Clese Mary. Bahia de todos os cantos e recantos: marcas identitárias e culturais na toponímia da Bahia. 2017. Dissertação (Mestrado). Departamento de Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017.

SAMPAIO, Theodoro. O tupi na geografia nacional. 2. ed. São Paulo: O Pensamento, 1914.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário de topônimos brasileiros de origem tupi. São Paulo: Traço Editora, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i2.1897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973