A interface rizomática do acervo: construção do dossiê arquivístico para elaboração de edições digitais

Iago Gusmão Santiago, Stephanne da Cruz Santiago, Patrício Nunes Barreiros

Resumo


A filologia, ao longo do tempo, tem adotado diferentes métodos para a edição de textos. A depender do tipo de texto e dos objetivos da edição, a abordagem metodológica pode variar. Atualmente, novas discussões acerca da edição de texto tem levado os filólogos a repensar o seu labor, a partir do questionamento do estatuto do texto, que transcendeu seu aspecto alfanumérico e se inseriu no universo digital. A informática e seus desdobramentos contemporâneos anunciaram uma nova fase da cultura escrita que está exigindo um novo olhar para o texto e seus processos de transmissão. O acervo do escritor baiano Eulálio Motta (1907-1988) abarca uma variedade de documentos pessoais, sua produção literária édita e inédita, correspondências, diários, coleções de objetos etc. Esses documentos funcionam como lugar de memória, possibilitando a reconstrução de uma parcela significativa da vida e da obra do escritor. No acervo, os documentos estão integrados por meio de uma rede de relações com significados importantes. Portanto, ao editar um texto que faz parte do acervo, faz-se necessário esboçar um modelo de edição que garanta a manutenção dessa rede de significados. Barreiros (2013; 2015) propôs um modelo de hiperedição que inclui um dossiê arquivístico, que é uma forma de integrar, por meio de hiperlinks, os paratextos e os protextos do documento editado. Dessa forma, é possível estabelecer uma rede de relações entre o texto editado e os documentos do acervo. O presente artigo apresenta um estudo acerca da construção do dossiê arquivístico elaborado para a edição digital dos textos publicados por Eulálio Motta no jornal Mundo Novo e dos rascunhos de cartas do caderno Farmácia São José. Para exemplificar o estudo, será utilizado como exemplos os dossiês arquivísticos de dois textos: CARTA ABERTA (28-08-1931) do jornal Mundo Novo e Carta aberta a um amigo do caderno Farmácia São José


Texto completo:

PDF

Referências


BARREIROS, Patrício Nunes. Por uma abordagem da História Cultural das práticas de escrita na edição de textos. Alea: Estudos Neolatinos (Impresso), v. 19, p. 389-414, 2017a.

BARREIROS, Patrício Nunes. Eulálio Motta: um panfletário no sertão da Bahia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 67, São Paulo, p. 57-80, 2017b.

BARREIROS, Patrício Nunes. O acervo do escritor e seu itinerário (auto)biográfico. Todas as Letras (Makenzie), São Paulo, v. 18, n. 2, p. 235-250, 2016.

BARREIROS, Patrício Nunes. SANTIAGO, Iago Gusmão. Eulálio Motta: jornalista de Mundo Novo. Anais...VIII Seminário de Estudos Filológicos: Filologia e Humanidades Digitais, Universidade Estadual de Feria de Santana, p. 182-195, 2016.

BARREIROS, Patrício Nunes. SANTIAGO, Stephanne da Cruz. Edição e estudo do caderno Farmácia São José, de Eulálio Motta. Anais...VIII Seminário de Estudos Filológicos: Filologia e Humanidades Digitais, Universidade Estadual de Feria de Santana, p. 92-105, 2016.

BARREIROS, Patrício Nunes. O Pasquineiro da Roça, a hiperedição dos panfletos de Eulálio Motta. Feira de Santana: UEFS Editora, 2015.

BARREIROS, Patrício Nunes. Novas práticas culturais da escrita, novas perspectivas da Crítica Textual: rumo às hiperedições. Linguística e Filologia Portuguesa (USP), São Paulo, v. 16, p. 31-62, 2014.

BARREIROS, Patrício Nunes. Da organização do espólio à edição crítica da obra de Eulálio de Miranda Mota. Cadernos do CNLF (CiFEFil), v. IX, p. 117-126, 2005.

BORDINI, Maria da Glória. Acervos de escritores e o descentramento da história da literatura. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 11, p. 15-24, 2005.

BORGES, Rosa; SOUZA, Arivaldo Sacramento de. Filologia e edição de texto. In: BORGES, Rosa; SOUZA, Arivaldo Sacramento de; MATOS, Eduardo Silva Dantas de; ALMEIDA, Isabela Santos de. Edição de Texto e Crítica Filológica. Salvador. Quarteto, 2012. p. 15-59.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: de Gutemberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história: Conversas de Roger Chartier com Carlos Aguirre Anaya, Jesús Anaya Rosique, Daniel Goldin e Antônio Saborit. Porto Alegre: Artmed. 2001.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. Mil platôs - Capitalismo e Esquizofrenia - Volume 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DIGITIZED WALTERS MANUSCRIPTS. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2017.

FERREIRA, Flavia Turino. Rizoma: um método para as redes? Liinc em Revista, v.4, n.1, p.28-40, 2008.

LOSE, Alícia Duhá; MAGALHÃES, Lívia Borges Souza. Reflexões sobre edições digitais: fazendo filologia no século XXI. A Cor das Letras, v. 17, n.1, p. 115-126, 2016.

MORRÁS, María. Informática y crítica textual: realidad y deseos. In: VEGA, María José (Coord.). Literatura hipertextual y teoria literária. La Rioja: Mare Nostrum Comunicación, 2003. p. 225-240.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e história cultural. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no Ciberespaço. O perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. Cultrix: São Paulo, 2006.

SPINA, Segismundo. Introdução à edótica: crítica textual. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Ars Poetica/EDUSP, 1994.

SHALE, Patrick. About, a catalog of: Digital Scholarly Editions, v 3.0, snapshot 2008ff. Disponível em: . Acesso em: 10 de maio de 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v18i2.2675

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973