A máquina do mundo (não) cabe em mim

Rafaela Abreu Gomes, Odalice de Castro Silva

Resumo


Esta é uma reflexão, dividida em duas partes, acerca do que, no Timeu, de Platão, se propõe como organização do Universo, a partir de relações circulares, seguida de leitura crítica do poema “A máquina do mundo”, de Carlos Drummond de Andrade. Nossa escolha conflui para um percurso em direção a entendimentos de “engrenagens” fundamentais as quais, em conjunto, Drummond chamou máquina do mundo. Assim, não foi objetivo desta discussão o alcance de um consenso (ou resposta) para as questões suscitadas. A reflexão, orientada pelos textos filosófico e poético, se configura como exercício compreensivo-interpretativo-crítico, o que consideramos necessário ao pesquisador interessado em suas próprias dúvidas.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond de. Claro Enigma. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COMMELIN, O. Mitologia grega e romana. Tradução de Eduardo Brandão. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

Hansen, J. (2018). Máquina do Mundo. Teresa, 1(19). Disponível em: <295-314. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2018.149115>. Acesso em: 02/09/19, às 15h44.

PLATÃO. Diálogos V: O banquete; Mênon (ou da virtude); Timeu; Crítias. Tradução de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2010.

VALÉRY, Paul. “La liberté de l’esprit”. In: Oeuvres II. Dijon, France: Bibliothéque de la Pléiade, Librarie Gallimard, 1960.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v20i3.4764

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973