Produção dos róticos em sequências consonantais [CR] e [RC] no português de contato com o pomerano

Felipe Bilharva da Silva

Resumo


O presente trabalho investiga a influência do pomerano na produção dos segmentos róticos em sequências consonantais [CR] e [RC] no português falado no município de São Lourenço do Sul (RS). Para tanto, são analisadas as produções de dez participantes, cinco delas bilíngues, falantes do português e do pomerano, e cinco monolíngues, falantes do português, constituindo o grupo controle. Foram realizados três experimentos para produção dos dados: descrição de imagens, nomeação de imagens e leitura de palavras. Esses experimentos perpassavam um continuum de estilo, no qual o primeiro emulava um ambiente mais naturalístico, a fim de observar um registro mais natural da fala; o segundo e o terceiro experimentos, por sua vez, apresentavam um controle mais experimental, em que os itens lexicais foram previamente selecionados, distribuídos de acordo com as variáveis posição do rótico, ponto de articulação de C, vozeamento de C, tonicidade e vogal nuclear da sílaba. Assim, obteve-se um número de produções regular entre as participantes, bem como controlou-se a atuação de variáveis linguísticas. Os resultados revelaram emprego quase categórico do tepe na posição pré-vocálica, tanto no grupo bilíngue quanto no monolíngue. Na posição pós-vocálica, por outro lado, verificou-se que, enquanto as monolíngues produziram número elevado de tepes, as bilíngues demonstraram grande variação, produzindo em número considerável de vibrantes múltiplas, aproximantes e fricativas palato-alveolares desvozeadas. O Teste de Qui-Quadrado com resíduos padronizados detectou uma correlação entre o emprego dessas variantes e o grupo bilíngue. Além disso, detectou uma correlação entre o emprego do tepe e o grupo monolíngue. Propôs-se, como conclusão, que o pomerano exerceu influência sobre esses resultados, dado que, na língua de imigração, o tepe não ocupa a posição pós-vocálica, o que pode ter influenciado os falantes a evitar o emprego dessa variante na posição de coda.

Texto completo:

PDF

Referências


BENINCÁ, L. Dificuldades no domínio de fonemas do português por crianças bilíngues de português e pomerano. 2008. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Espírito Santo.

BILHARVA DA SILVA, F. Produção oral e escrita dos róticos em Arroio do Padre (RS): avaliando a relação português/pomerano com base na Fonologia Gestual. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pelotas.

BILHARVA DA SILVA, F. O contato português-pomerano na produção dos grupos [Cɾ] e [ɾC]: o caso das vogais suarabácticas. 2019. 279 f. Tese (Doutorado em Linguística) - Escola de Humanidades, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

BONILHA, Giovana Ferreira Gonçalves. Aquisição fonológica do Português Brasileiro: uma abordagem conexionista da teoria da otimidade. 2005. 389 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

BOTASSINI, J. O. M. A variação no uso dos róticos em Porto Alegre. Estudos linguísticos, São Paulo, 40 (2): p. 1060-1072, mai-ago 2011.

BREMENKAMP, E. S. Análise sociolinguística da língua pomerana em Santa Maria do Jetibá, Espírito Santo. 2014. 293 p. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

BREMENKAMP, E. S.; RYS, K.; NEVINS, A.; POSTMA, G. Zeeuws-Flemish in Brazil:

multilingualism and language decay. Gragoatá, Niterói, v. 22, n. 42, p. 435-472, jan.-abr. 2017

CUNHA, J. L. A Alemanha e seus emigrantes: questões nacionais. In: CUNHA, J. L.; GÄRTNER, A. (orgs.). Imigração alemã no Rio Grande do Sul: História, Linguagem, Educação. Santa Maria: UFSM, 2003.

FERGUSON, C. A. Diglossia, WORD, 15:2, p. 325-340, 1959. DOI: 10.1080/00437956.1959.11659702.

FISHMAN, J. A. Sociologia del language. Tradução de Ramón Sarmiento y Juan Carlos Moreno. Madrid: Catedra, 1979.

GROSJEAN, F. Studying bilinguals. Oxford: Oxford University Press, 2008.

GROSJEAN, F. Bilingual: life and reality. Cambridge: Harvard University, 2010. https://doi.org/10.4159/9780674056459

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro, 2000. Apêndice: Estatísticas de povoamento. p. 225.

MATRAS, Y. Universals of linguistic borrowing. In: SIEMUND, P. Linguistic universals and language variation. Berlim: Mouton, 2011, p. 200-229.

MATZENAUER, C. L. B.; BONILHA, G. F. G. Aquisição da Fonologia e Teoria da Otimidade. Pelotas: EDUCAT, 2003.

MIRANDA, A. R. M. A aquisição do ‘r’: uma contribuição à discussão sobre seu status fonológico. 1996. 128 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS, Porto Alegre.

MONARETTO, V. Realizações de R. In: BISOL, L.; BATTISTI, E (orgs.). O português falado no sul do Brasil. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

PIKE, K. L. Phonemics: a technique for reducing languages to writing. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1947.

PRADE, H. G. O linguajar do alemão gaúcho. In: CUNHA, J. L.; GÄRTNER, A. (orgs.). Imigração alemã no Rio Grande do Sul: História, Linguagem, Educação. Santa Maria: UFSM, 2003.

QUILIS, A. Tratado de fonologia y fonética españolas. 2 ed. Madrid: Gredos, 1999. 558 p.

REINECKE, K. Os róticos intervocálicos na gramática individual de falantes de Blumenau e Lages. 2006. 241 p. Tese (Doutorado em Letras) - Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-graduação em Linguística, 2006.

RIO GRANDE DO SUL. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Rio_Grande_do_Sul&oldid=56745903. Acesso em: 16 nov. 2019.

RÖLKE, R. H. Descobrindo raízes: aspectos geográficos, históricos e culturais da Pomerânia. Vitória: UFES, 1996, 123 p.

ROMERO, J. Gestural timing in the perception of Spanish r+C clusters. Selected Proceedings of the 3rd Conference on Laboratory Approaches to Spanish Phonology, p. 59-71, 2008.

SCHAEFFER, S. C. B. Descrição fonética e fonológica do pomerano falado

no Espírito Santo. 2012. 130 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) -

Faculdade de Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, 2012.

TRESSMANN, I. Bilinguismo no Brasil: o caso da comunidade pomerana de Laranja da Terra. Associação de Estudos da Linguagem (ASSEL-Rio), Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Rio de Janeiro, 1998.

VANDRESEN, P. Contato linguístico e bilinguismo em Arroio do Padre. Encontro

do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul – CELSUL, 7, 2006, Pelotas, RS. MATZENAUER, Carmen L. B. et al (Orgs.). Anais... Pelotas: EDUCAT, 2008. pp. 1-6. Disponível em http://www.celsul.org.br/Encontros/07/dir2/1.pdf. Acesso em 14 fev. 2014.

WEINREINCH, U. Languages in contact. The Hague: Mouton Publishers, 1963 [1953]. 148 p.

YAVAS, M.; HERNANDORENA, C. L. M.; LAMPRECHT, R. R. Avaliação fonológica da criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v21i1.4974

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973