Deslizamentos funcionais do verbo achar: gramaticalização em evidência

Iolanda Ferreira dos Santos, Gessilene Silveira Kanthack

Resumo


Objetivamos, neste trabalho, apresentar os resultados de uma pesquisa que investigou os usos do verbo achar a partir de uma amostra constituída de fanfiction, narrativa ficcional escrita e divulgada por fãs que se apropriam de enredos e personagens de produtos midiáticos para criarem histórias paralelas ao original. Tendo como base pressupostos sobre gramaticalização (HOPPER; TRAUGOTT, 1993 e GONÇALVES et al., 2007), verificamos se os usos evidenciam ou não um caso de mudança linguística. Os resultados apontam que o verbo achar desempenha, além de sua função lexical [valor +concreto; - gramatical], a função de modalização [valor +abstrato; + gramatical], estratégia linguística que possibilita o falante veicular seu ponto de vista sobre o que diz. Esta última função evidencia uma abstratização do significado, propriedade característica da mudança por gramaticalização.

Texto completo:

PDF

Referências


BLACK, R. Language, culture and identity in online fanfiction. In: E– Learning, v. 3, n. 2, 2006.

CASSEB-GALVÃO, V. C. O achar no português do Brasil: um caso de gramaticalização. 170 f. Campinas: Unicamp, 1999. Dissertação [Mestrado em Linguística] Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade de Campinas, 1999.

CASTILHO, A. T.; CASTILHO, C. M. M. de. Advérbios Modalizadores. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do Português Falado: Vol. II: Níveis de Análise Lingüística. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1993, p. 213-260.

CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Funcionalismo e gramáticas do português brasileiro. In: SOUZA, E. R. de (Org.) et. al. Funcionalismo linguístico: novas tendências teóricas. São Paulo: Contexto, 2012, p. 17-42.

CAVALCANTI, L. Leitura nos gêneros digitais: abordando as fanfics. Revista Hipertextus. Pernambuco, v. 6, p. 1-15, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio do Século XXI. 4 ed. rev. ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2001.

GONÇALVES, S. C. L. et al. Introdução à Gramaticalização: Princípios teóricos & aplicação. São Paulo: Parábola Editorial, 2007. 206 p.

HOPPER, P. On Some Principles of Gramaticalization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (orgs.). Approaches to Gramaticalization. Amsterdam: John Benjamins, 1991, p. 17-36.

HOPPER, P. J; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. 2. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

MARTELOTTA, Mário Eduardo. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTELOTTA, Mário Eduardo. A mudança linguística. In: CUNHA, M. A. F. da; OLIVEIRA, M. R. de; MARTELOTTA, M. E. (Orgs.) Linguística Funcional: teoria e prática. São Paulo: Parábola Editorial, 2015, p. 49-61.

NEVES, M. H. M. Gramática funcional: interação, discurso e texto. São Paulo: Contexto, 2018.

RAMONA; FINN. História De volta a Hawkins. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2020.

TAVARES, Maria Alice. Gramática emergente e o recorte de uma construção gramatical. In: SOUZA, E. R. de (Org.) et al. Funcionalismo linguístico: análise e descrição. São Paulo: Contexto, 2012, p. 33-51.

VITRAL, L. O papel da frequência na identificação de processos de gramaticalização. Scripta. Belo Horizonte: PUC/Minas. V. 9, n. 18, p. 149-177, 2006. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v21i1.5213

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973