Abreviaturas de patentes na Terminologia Militar Oitocentista da Polícia Militar da Bahia

Luiz Djavan Silva Santos, Sandro Marcío Drumond Alves Marengo

Resumo


Os documentos configuram-se como fontes históricas, na medida em que nos transmitem informações pretéritas, possibilitando-nos acesso à informação de ordens diversas, na dada diacronia estudada, o período da libertação dos escravos e os primeiros dias da República. Este é o caso do Livro do Registro do Detalhe (DET) da Polícia Militar da Bahia, constando as ordens do dia e a rotina do quartel da Mouraria à sua época de escrita. Objetivamos apresentar um fragmento de edição fac-símile e diplomática do DET 68 e, em seguida, descrever as abreviaturas de patentes que aparecem no documento em tela.  Ao final, foram totalizadas 64 abreviaturas, dispostas em tabela geral com as suas variantes e o número de ocorrências, comparando as frequências segundo as classificações. Nossa base para estudos das abreviaturas foi centrada nos postulados de Spina (1994), Flexor (2008) e Berwanger e Leal (2008). Este estudo tem sua relevância primária por poder salvaguardar para a posteridade as ordens do dia, exibindo um contexto de usos linguísticos do século XIX. Em segundo lugar, aponta para um campo ainda pouco sistematizado que é o estudo das abreviaturas militares e sua significação social nos processos de produção da escrita oitocentista.


Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLI, Vera Lúcia Costa. A Escrita no Brasil Colônia: um guia para leitura de documentos manuscritos. 2. ed. Recife: UFPE/Fundação Joaquim Nabuco/ Editora Massangana, 2003.

ARAÚJO, Oséas Moreira de. Notícias sobre a Polícia Militar da Bahia no século XIX. Edição Comemorativa ao 172º aniversário da Polícia Militar da Bahia. Salvador, 1997.

BERWANGER, Ana Regina; LEAL, João Eurípedes Franklin. Noções de paleografia e diplomática. 3ª ed. Santa Maria, RS: Ed. UFSM, 2008.

CAMBRAIA, César Nardelli. Subsídios para uma proposta de normas de edição de textos antigos para estudos linguísticos In: I Seminário de Filologia e Língua Portuguesa. São Pauulo: FFLCH- USP/ Humanitas, 1999. p.13-23.

______. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CARNEIRO, Zenaide de Oliveira Novais; SOUZA, Maria Ionaia de Jesus. As abreviaturas em Documentos do século XVIII da capitania da Bahia: algumas considerações. Cadernos do CiFEFil, Rio de Janeiro, 2015.

CASTRO, Celso et al. Nova História Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 4. ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.

DIAS, Madalena Marques; BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Paleografia para o período colonial. In: Paleografia e fontes do período colonial brasileiro. Estudos CEDHAL – Nova Série nº 11. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2005.

DOLHNIKOFF, Míriam. História do Brasil Império. São Paulo: Contexto, 2017.

FAULSTICH, Enilde. Variação em terminologia. Aspectos de socioterminologia. In: RAMOS, G. G.; PÉREZ LAGOS, M. F. (coords.). Panorama Actual de la Terminología. Granada: Editorial Comares, p.65-91, 2002.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Abreviaturas: Manuscritos dos séculos XVI ao XIX. 3 ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

LIMA, Yêdda Dias. Paleografia In: Apostila do curso sobre paleografia. São Paulo: IEB, Universidade de São Paulo, 2006.

LOSE, Alícia Duhá. Edições de Documentos Históricos: A quem interessam? A quem se destinam? Revista Abralin, v.16, n.2, p. 71-86, Jan./Fev./Mar./Abr. 2017.

MARENGO, Sandro Marcío Drumond Alves. Variacões terminológicas e diacronia: Estudo léxico-social de documentos manuscritos militares dos séculos XVIII e XIX. 2016. 539 pp. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

________. Apontamentos críticos das normas no ofício de editar juramentos d’alma setecentistas In: DUHÁ, Alicia; SOUZA, Arivaldo S. Paleografia e suas interfaces. Salvador: EdUFBA/ Memória & Arte, 2018. p.276-285.

MARENGO, Sandro Marcío Drumond Alves; FREITAG, Raquel Meister Ko. Para Uma História Do Português Brasileiro em Sergipe: Organizando as Fontes Manuscritas e suas Edições. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju, v.1, n.46, p.116-129, 2016.

MARENGO, Sandro Marcío Drumond Alves; CAMBRAIA, César Nardelli. Estudo socioterminológico da variação/mudança em manuscritos militares dos séculos XVIII E XIX. Interdisciplinar-Revista de Estudos em Língua e Literatura, Ano XI, v.24, jan./abr. 2016. p. 203 – 224. Disponível em: Acesso em: 18 dez. 2019.

MARENGO, Sandro Marcío Drumond Alves; SOUZA, Natália Larizza Souza.; FONSECA, Mariana Augusta Conceição S. Linguística Forense em diacronia: apontamentos terminométricos da variação defloramento/estupro no Sergipe oitocentista. In: LOPES, Norma S.; CARVALHO, Cristina. S.; SANTOS, Elisangela S. (orgs.) Linguagem e sociedade. São Paulo: Blucher, 2019.

MILLARES CARLO, Agustín. Paleografía Española. Ensayo de una História de la Escritura en España desde el siglo VIII al XVII. Barcelona; Buenos Aires: Labor, 1929.

SANTOS, Luiz Djavan Silva. Da Lei Áurea à Proclamação da República: Edição diplomática e estudo das abreviaturas de um Livro de Registro do Detalhe da Polícia Militar do Estado da Bahia. 2019. 145p. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, 2019.

SPINA, Segismundo. Introdução à edótica: Crítica textual. São Paulo: Ars Poetica/ Editora da Universidade de São Paulo, [1977] 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v21i1.5228

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973