Atualidade e eternidade: a modernidade em Charles Baudelaire

Autores

  • Leonardo Barci Castriota Universidade Federal de Minas Gerais / Professor Titular

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v21i3.5550

Resumo

Apesar de Charles Baudelaire ser um marco obrigatório na discussão da modernidade, um conceito mais preciso desta não se deixa apreender com facilidade em sua obra poética e em seus textos ensaísticos, parecendo mesmo ser utilizado ali em diversas acepções.  Neste texto vamos acompanhar a obra do poeta francês, tanto na sua produção literária quanto na sua crítica de arte, procurando mostrar como ele propõe, na Paris de meados do século XIX, uma leitura muito específica da tradição e de sua relação com a modernidade.  Vamos mostrar como ali emerge uma estética modernista que coloca a questão da autofundamentação da arte, na qual a experiência estética da modernidade vai necessariamente se fundir com a experiência histórica, sendo a obra de arte o ponto no qual se encontram os eixos da atualidade e da eternidade.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Barci Castriota, Universidade Federal de Minas Gerais / Professor Titular

Arquiteto-urbanista , com doutorado em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais e pós-doutorado junto ao Getty Conservation Institute (GCI) em Los Angeles e a Universidad Politécnica de Madrid. Professor Titular da Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisador I-D do CNPq. Presidente do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS/BRASIL) e, desde dezembro de 2017, Vice-Presidente do ICOMOS internacional. Foi Vice-Presidente da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Interdisciplinar em Sociais e Humanidades (ANINTER-SH), de 2012 a 2016. 

Referências

BAUDELAIRE, Charles. Baudelaire. Lisboa: Editorial Verbo, 1983. (Coleção Gigantes da Literatura Universal)

BAUDELAIRE, Charles. A modernidade de Baudelaire / apresentação de Teixeira Coelho; tradução Suely Cassal. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BAUDELAIRE, Charles. O Pintor da Vida Moderna. Concepção e organização Jérôme Dufilho e Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften. Suhrkamp Verlag: Frankfurt am Main, 1980. v.I

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften. Suhrkamp Verlag: Frankfurt am Main, 1983. v.2

BENJAMIN, Walter. Das Passagen-werk. Erster Band. Edition Suhrkamp: Frankfurt am Main, 1988.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire. Um lírico no auge do capitalismo. Editora Brasiliense: São Paulo, 1989.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. A aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

GRASSI, Ernesto. Arte como Antiarte. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1975.

HABERMAS, Jürgen. Der philosophische Diskurs der Moderne. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 1985.

JAUSS, Hans Robert. Literaturgeschichte als Provokation. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag, 2010.

KARL, Frederick R. Modern and Modernism. The sovereignty of the artist. 1885-1925. New York: Atheneum, 1985.

KIRCHOF, Edgar Roberto. A representação da modernidade na poesia de Charles Baudelaire. A Cor das Letras — UEFS, n. 8, 2007, p. 43-51.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público. As tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Downloads

Publicado

2021-01-26

Como Citar

Castriota, L. B. (2021). Atualidade e eternidade: a modernidade em Charles Baudelaire. A Cor Das Letras, 21(3), 170–183. https://doi.org/10.13102/cl.v21i3.5550

Edição

Seção

Artigos em Fluxo Contínuo