Análise codicológica e paleográfica de cartas pessoais novecentistas

Autores

  • Priscila Starline Estrela Tuy Batista Universidade de São Paulo
  • Maria Clara Paixão de Sousa Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.5862

Resumo

Neste artigo apresentamos um estudo filológico a partir da descrição breve, entretanto detalhada, de aspectos codicológicos e paleográficos de um conjunto composto por quatro manuscritos novecentistas escritos por baianos pouco hábeis, oriundos de cidades interioranas e de zonas rurais do estado da Bahia. Também propomos uma investigação acerca do modelo de escrita utilizado por tais redatores, partindo da hipótese de que esses indivíduos, pouco escolarizados, utilizaram os manuais popularmente conhecidos como Paleógrafos, adotados nas escolas de Primeiras Letras da Bahia e por professores que ofereciam aulas particulares.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Priscila Starline Estrela Tuy Batista, Universidade de São Paulo

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo.

Maria Clara Paixão de Sousa, Universidade de São Paulo

Professora junto ao Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Referências

BARBOSA, A. G. Para uma história do português colonial: aspectos linguísticos em cartas do comércio. 1999. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

BARBOSA, A. G. Tratamento dos corpora de sincronias passadas na língua portuguesa no Brasil: recortes grafológicos e linguísticos. In: LOBO, T. et al.. (Org.). Para a história do português brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2006, p. 760-780.

BARBOSA, A. G.; LIMA, A. X. O controle do perfil sócio-histórico em corpora histórico-diacrônicos: a identificação de graus de letramento pela grafia etimológica do século XIX. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Para a história do português brasileiro. São Paulo: Editora Contexto, 2019, V. 2, p. 168-205.

BATISTA, A. A. G. Paleógrafos ou livros de leitura manuscrita: elementos para o estudo do gênero. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/Batista/batista.htm>. Acesso em: 20 set. de 2018.

BPR. Leitura manuscripta; lições colligidas. 10ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1911.

CAMBRAIA, C. N. Introdução à crítica textual. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CARNEIRO, Z. O. N. Cartas brasileiras (1809-1904): um estudo linguístico-filológico. Feira de Santana: UEFS Editora, 2016.

CASTRO, Ivo. Curso de História da Língua Portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, 1991.

CONTRERAS, M. N. Manual de Paleografía: fundamentos e historia de la escritura latina hasta el siglo VIII. Madrid: Cátedra, 1994, p. 35-55.

COSTA PINTO, J. Memória Histórica e Genealógica dos Mendonça Bezerra Ferreira de Moura: Uma saga de religiosidade e colonização – desenvolvimento e atualização da árvore genealógica das principais famílias do Pedrão. Salvador: Núcleo de Estudos Genealógicos e Heráldicos da Bahia, 2003.

GOMES, Lindolfo. Exercício de leitura manuscrita. 14ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1955.

MONTE, V. M. Uma descrição codicológica: documentos setecentistas. Revista Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, n. 10-11, p. 103-120, 2 jun. 2009. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i10-11p103-120 >.

PETRUCCI, Armando. La scrittura: ideologia e rappresentazione. Torino: Einaudi, 1986.

PETRUCCI, A. La ciencia de la escritura: primera lección de paleografía. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2003.

SANTIAGO, H. S. A escrita por “mãos inábeis”: uma proposta de caracterização. 2019. 722 f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019. Disponível em: < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29323>.

SILVA, E. N.; LOPES, C. R. S. O perfil sociolinguístico de um casal não ilustre: uma análise grafemática através da edição de cartas particulares. Revista Confluência: Rio de Janeiro, v. 43, p. 78-104, 2012. Disponível em: < http://llp.bibliopolis.info/confluencia/pdf/657.pdf>.

SILVA, c. Paleógrapho – leitura manuscripta: adoptado nos principaes collegios d’este reino e do Brasil. Lisboa: Instituto Calligraphico, 1900.

SOUZA, A. S. Aspectos paleográficos para a crítica filológica. In: LOSE, A. D.; SOUZA, A. S. Paleografia e suas interfaces. Salvador: EDUFBA, 2018, p. 74-79. Disponível em: < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26224>.

SPINA, S. Introdução à edótica: crítica textual. São Paulo: Cultrix/ Edusp, 1977.

TELLES, C. M. Paleografia e sociolinguística histórica: a análise grafemático-fonética. In: LOSE, A. D.; SOUZA, A. S. Paleografia e suas interfaces. Salvador: EDUFBA, 2018, p. 92-124. Disponível em: < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26224>.

Downloads

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Tuy Batista, P. S. E., & Paixão de Sousa, M. C. (2021). Análise codicológica e paleográfica de cartas pessoais novecentistas. A Cor Das Letras, 22(1), 427–451. https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.5862

Edição

Seção

Artigos em Fluxo Contínuo