Assentos de casamentos do sertão do São Francisco (1719-1753): considerações sobre os sinais diacríticos agudo, circunflexo e til

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.5880

Resumo

Resumo: O presente estudo baseia-se na edição diplomática de um livro de registros de casamentos de uma freguesia do sertão do Rio São Francisco no período entre 1719 a 1753, elaborado por diferentes scriptores pertencentes a um grupo social com formação intelectual, do sexo masculino, faixa etária adulta e que dominava a estrutura da língua. O recorte deste estudo apresentará exemplos das variações gráficas dos vocábulos, em relação aos usos e as formas dos diacríticos agudo, circunflexo e til. Para realizar essa tarefa, aprontamos a (i) revisão e transcrição do documento, observando-se os critérios da edição diplomática, partindo do estudo de Cambraia (2005), Berwanger e Leal (2008) e Pérez Priego (2011); (ii) quantificação dos dados com o auxílio da ferramenta computacional aplicada à Terminologia AntConc (2011) e (iii) sistematização dos contextos sócio-históricos envolvidos nos aspectos encontrados em relação aos sinais diacríticos, recorrendo aos ortografistas do século XVIII (FIGUEIREDO, 1722; MADUREIRA FEIJÓ, 1734; VERNEY, 1746). Os resultados evidenciaram que, embora, o manuscrito tenha sido escrito no período de predominância da escrita pseudoetimológica, as ocorrências se aproximam da escrita fonética.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lécio Barbosa de Assis, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutorando e Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Possui graduação em Letras - Habilitação em Português, Inglês e respectivas Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB ( 2004 ) e Bacharelado em Administração também pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2014) . Pós-graduação Lato Sensu em Língua Portuguesa ( 2007), Pós-graduação Lato Sensu - MBA em Gestão de Pessoas (2013), Pós-graduação Lato Sensu em Metodologia de Ensino e Pesquisa em Língua Inglesa (2014) e Pós-graduação Lato Sensu em Educação Inclusiva com ênfase em Libras (2015).

Jorge Augusto Alves da SILVA, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Professor Pleno do Departamento de Estudos Linguísticos e Literários (DELL) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Professor Titular Pleno das disciplinas Língua e Literaturas Latinas. Professor do quadro efetivo do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Linguística e do Mestrado Acadêmico em Letras (ProfLetras). Doutor em Letras (Área de Concentração em Linguística Histórica pela Universidade Federal da Bahia (2005).

Referências

Fonte manuscrita:

Livro n.º1 de Registros de Batizados da Freguesia de Santo Antônio do Urubu de Baixo (1719-1953). Arquivo da Cúria Diocesana de Bom Jesus da Lapa – Bahia.

Fontes impressas e eletrônicas:

ANTHONY, L. Lawrence Anthony Website (AntConc). Disponível em: http://www.antlab.sci.waseda.ac.jp/index.html. Acesso em: 16 jul. 2020.

BAIA, Arcebispado. Constituiçoens primeyras do Arcebispado da Bahia feytas, & ordenadas pelo Illustríssimo, e Reverendissimo Senhor D. Sebastiaõ Monteyro da Vide, Arcebispo do dito Arcebispado, & do Conselho de Sua Magestade, propostas, e aceytas em o sínodo Diecesano que o dito Senhor celebrou em 12 de junho de 1707. Lisboa Occidental: na Oficina de Pascoal da Sylva, Impressor de Sua Magestade, 1719. Disponível em: http://purl.pt/24092. Acesso em: 30 jun. 2020.

BARROS, J. Grammatica da lingua portuguesa. Olyssipone: apud Lodouicum Rotorigiu[m], Typographum, 1540. Disponível em: http://purl.pt/12148. Acesso em: 15 jul. 2020.

BERWANGER, A. R; LEAL, J. E. F. Noções de Paleografia e Diplomática. Santa Maria: Editora UFSM, 2008.

BLUTEAU, R. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1728. 8 v. Disponível em: http://purl.pt/13969. Acesso em: 10 jun. 2020.

CAGLIARI, L. C. Algumas reflexões sobre o início da ortografia da língua portuguesa. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 27, p.103-111, jul./dez, 1994. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8637032. Acesso em: 02 jul. 2020.

CAMBRAIA, C. N. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COUTINHO, I. L. Gramática histórica. 7. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2005 [1969].

FIGUEIREDO, Manuel de Andrade. Nova Escola para aprender a ler, escrever, e contar. Offerecida á Augusta Magestade do Senhor Dom joaõ V. Rey de Portugal. Lisboa Occidental: na Officina de Bernardo da Costa Carvalho, Impressor do Serenissimo Senhor Infante, 1722. Disponível em: http://purl.pt/107. Acesso em: 25 jun. 2020.

GONÇALVES VIANA, A.R. Proposta para a fixação da acentuação gráfica portuguesa à comissão asiática. Lisboa: Typ. Do Commercio de Portugal, 1894. Disponível em: http://purl.pt/6427. Acesso em: 30 jun. 2020.

GONÇALVES, M. F. A normalização da língua portuguesa no século XVIII e o Verdadeiro Método de Estudar de Luís António Verney. In: Confluência - Revista do Instituto de Língua Portuguesa. Rio de Janeiro. n.º 37/38, 2ª semestre de 2009/1º semestre de 2010, pp. 83-109, 2010. Disponível em: http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/8510. Acesso em: 02 jul. 2020.

GONÇALVES, M. F. Madureira Feijó, ortografista do século XVIII: para uma história da ortografia portuguesa. Lisboa: Ministério da Educação. Instituto de Cultura e Língua Portuguesa,1992. Disponível em: https://www.academia.edu/6411298/Madureira_Feij%C3%B3_ortografista_do_s%C3%A9culo_XVIII_Para_uma_hist%C3%B3ria_da_Ortografia_Portuguesa. Acesso em. 20 jun. 2020.

MADUREIRA FEIJÓ, João de Morais. Orthographia, ou arte de escrever, e pronunciar com acerto a língua portuguesa. Lisboa Occidental: na Officina de Miguel Rodrigues, Impressor do Senhor Patriarca, 1734. Disponível em: http://purl.pt/13. Acesso em: 01 jul. 2020.

MATTOS E SILVA, R. V. O português arcaico. Fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 2019 [2006].

MEYERHOFF, M. Introducing Sociolinguistics. Routledge, New York, 2011[2006].

MOISÉS, M. A literatura portuguesa. 32 ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

MOREL PINTO, R. História da língua portuguesa: IV. Século XVIII. São Paulo: Ática, 1988.

NEGRO, H. O. B. Usos e normas: estudo diacrônico do emprego dos sinais diacríticos na língua portuguesa do Brasil. 2017. 380 f. Tese ( Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – USP : São Paulo, 2017.

PÉREZ PRIEGO, M. A. La edición de textos. 2. ed. Madrid: Editorial Sintesis, 2011.

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Contexto, 2009.

SILVA, J. A. A. O estado da língua portuguesa num documento do século XVIII: abordagem sócio-histórica de fenômenos linguístico do livro das Monjas. In: CAMBRUSSI, M. F.; ARAGÃO NETO, M. M. (Orgs.). Léxico e Gramática. Curitiba: CVR, v. 1, p. 237-262, 2011

TEYSSIER, P. História da Língua Portuguesa. Trad.: Celso Cunha. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007[1980].

VERA, A. F. de. Orthographia ou modo para escrever certo a língua portuguesa. Lisboa: Mathias Rodriguez, 1631. Disponível em: http://purl.pt/12 . Acesso em: 20 jun. 2020.

VERNEY, L. A. Verdadeiro método de estudar: para ser util à Republica, e à Igreja : proporcionado ao estilo, e necesidade de Portugal. Oficina de Antonio Balle, 1746. Disponível em: http://purl.pt/118. Acesso em: 01 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Assis, L. B. de, & SILVA, J. A. A. da. (2021). Assentos de casamentos do sertão do São Francisco (1719-1753): considerações sobre os sinais diacríticos agudo, circunflexo e til. A Cor Das Letras, 22(1), 370–389. https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.5880

Edição

Seção

Artigos em Fluxo Contínuo