Mudança linguística e seu tratamento pela Morfologia Distribuída

Autores

  • Cristina Figueiredo UFBA
  • Rafael Dias Minussi Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.6328

Resumo

Neste artigo, analisamos duas mudanças no nível morfológico da língua de acordo com o arcabouço teórico da Morfologia Distribuída (HALLE; MARANTZ, 1993; MARANTZ, 1997), com o objetivo de demonstrar que esse modelo consegue explicar a mudança diacrônica, seja aquela a partir de dados em tempo real ou a em tempo aparente (LABOV, 1972). Quanto à mudança relacionada à emergência de uma nova raiz a partir de palavras complexas, devido à não transparência de seus elementos constitutivos durante o processo de aquisição da linguagem, propomos que a mudança ocorre na Lista 1 por meio do acréscimo de uma raiz. Quanto à segunda mudança descrita neste trabalho, a ampliação do uso do advérbio mais, permitindo que ele ocorra em estruturas de coordenação e de subordinação comitativa, propomos que a mudança ocorra na Lista 2.

 

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristina Figueiredo, UFBA

UFBA

Rafael Dias Minussi, Universidade Federal de São Paulo

Universidade Federal de SP

Referências

ARAD, M. Locality constraints on the interpretation of roots: the case of hebrewdenominal verbs. Natural language & linguistictheory 21, p. 737-738, 2003.

ARAÚJO, R. C.; GOMES, D. T.; FIGUEIREDO, C. Sobre o papel temático da preposição “mais” e “com”. Letrônica, 12(2), e32480, 2019.

BASSANI, I.; MINUSSI, R. Contra a seleção de argumentos pelas raízes: nominalizações e verbos complexos. ReVel, v. 13, n. 24, p. 139-173, 2015.

BASSANI, I. S. Uma abordagem localista para morfologia e estrutura argumental dos verboscomplexos (parassintéticos) do português brasileiro. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade deFilosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

BASÍLIO, M. Syntactic opacity: personal infinitive and future subjunctive in Portuguese. Fórum Linguístico do Texas. Austin, Texas, 1977.

BORER, H. Taking form. Structuring sense. Volume III. Oxford: Oxford University Press, 2013.

CARVALHO, P. H. V. Futurum: Um estudo morfossintático sobre o futuro do subjuntivo no português paulistano. Dissertação de Mestrado. Guarulhos, Unifesp, 2019.

CHOMSKY, N. Knowledge of Language. New York: Praeger, 1986.

CHOMSKY, N. Some Concepts and Consequences of the Theory of Government and Binding. Cambridge, Mass: The MIT Press, 1982.

CHOMSKY, N. Lectures on Government and Binding. Dordrecht: Foris, 1981.

CHOMSKY, N. Syntactic Structures. The Hague: Mouton, 1957.

CUNHA, C; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 6ª ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013 [1985].

FARACO, C. A. Linguagem e Diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GOMES, D. C. T. O Mais conector no Português Popular da Bahia: Aspectos Sociolinguísticos e formais. Tese de Doutoramento. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

GOMES, D. C. T. O uso variável do “mais” no português afro-brasileiro: coordenação e subordinação. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

HALLE, M.; MARANTZ, A. Distributed Morphology and the Pieces of Inflection. In: The View from Building 20, 1993, ed. Kenneth Hale and S. Jay Keyser. MIT Press. Cambridge: MIT Press, pp. 111-176.

HOUAISS, A. VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva (CD-ROM), 2007.

ILARI, R. et al. A preposição. In: ILARI, Rodolfo. Gramática do português culto falado no Brasil: volume IV – Palavras de classe fechada. Campinas: Editora da Unicamp, p. 163-310, 2008.

LABOV, W. Principles of linguistic change. Oxford; Cambridge: Blackwell, 1994.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LEFEBVRE, C. Relexification in creole genesis and effects on the development of the creole. In: SMITH, N.; VEENSTRA, T. (Eds). Creolization and Contact. Amsterdan/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2001.

LEFEBVRE, C.; LUMSDEN, J. The central role of Relexification in Creole Genesis: the case of Haitian Creole. In: LEFEBVRE, C.; LUMSDEN, J. (Ogs.). La genëse du crèolehaôtien: uncasparticilierdíinvestigationsur la forma de la grammaireuniverselle. UQAM, 1994.

LUCCHESI, D.; RIBEIRO, I. Teorias da estrutura e da mudança linguísticas e o contato entre línguas. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A., and RIBEIRO, I. (Orgs). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, p. 125-153, 2009.

LUCCHESI, Dante et al. O português afro-brasileiro: as comunidades analisadas. In: LUCCHESI; D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (Orgs.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: EDUFBA, p. 75-100, 2009.

MARANTZ, A. Locality domains for contextual allomorphya cross the interfaces. In: MATUSHANSKY, O.; MARANTZ, A. (Eds.). Distributed Morphology today. Cambridge, MA.: MIT Press. 3, 6, 16, 28, p. 95–115, 2013a.

MARANTZ, A. Verbal argument structure: Events and participants. Lingua 130:152–168, 2013b.

MARANTZ, A. Words and things. Manuscrito, MIT e NYU, 2001.

MARANTZ, A. No escape from syntax: don‘t try morphological analysis in the privacy of your own lexicon. Proceedings of the 21st Annual Penn Linguistics Colloquium, v. 4.2, p. 201-225, 1997.

MATTOS E SILVA, R. V. Fluxo e Refluxo: uma retrospectiva da Linguística Histórica no Brasil. D.E.L.T.A. v.4 (1). São Paulo, p. 85-113, 1988.

MINUSSI, R.; BASSANI, I. Em favor do conteúdo semântico das raízes. Revista Letras, Curitiba, UFPR, n. 96, pp.152-173, 2017.

MUYSKEN, P. Half-way between Quechua and Spanish: The case for relexification. HIGHFIELD, A.; VALDMAN, A. (eds.) Historicity and variation in creole studies. Ann Arbor: Karoma, p. 52-79, 1981.

ROBERTS, I.; KATO, M. (orgs) Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.

STASSEN, L. And-languages and With-languages. Linguistic Typology, v. 4, n. 1, p. 1- 54, 2000.

TRINDADE, D.; FIGUEIREDO, C. O uso do MAIS no português rural afrobrasileiro. Letrônica, v. 6, p. 269-287, 2013.

Downloads

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Figueiredo, C., & Minussi, R. D. (2021). Mudança linguística e seu tratamento pela Morfologia Distribuída. A Cor Das Letras, 22(1), 39–64. https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.6328

Edição

Seção

Dossiê: Linguística Histórica: teorias, métodos e resultados. Homenagem a Rosa Virgínia Mattos e Silva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)