Do léxico e da Cultura: modus operandi

Autores

  • Arivaldo Sacramento

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.7311

Palavras-chave:

Filologia, Nacionalismo, Léxico, Cultura

Resumo

Os estudos lexicais foram amplamente cultivados pelos estudos filológicos do século 19 e permanecem ainda com vigor contemporaneamente. O problema é que eles preservam do passado oitocentista características que os vinculam ao imaginário nacionalista que forjou uma ideia de cultura etnocêntrica. Tendo isso em vista, propomos investigar as condições de produção desse discurso, que se constituiu a partir do paradigma alemão, secundarizado pelo francês que, por sua vez, se difundiu pelas universidades da Europa. Para contextualizar no universo português e brasileiro, recortamos não só a situação da Filologia Românica em Portugal e no Brasil, mas também o empreendimento nacionalista da Filologia Portuguesa.

 

Palavras-chave: Filologia. Nacionalismo. Léxico. Cultura.

 

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2007.

BASSETTO, Bruno F. O léxico românico: herança latina nas línguas ocidentais. Cadernos do CNLF, 16. Rio de Janeiro, CIFEFIL, [201-]. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/ixcnlf/16/14.htm>. Acesso em: 30 out. 2020.

GAUGER, Hans Martin. Introducción a la linguística románica. Vers. esp. de Elisabeth Schaible e José García Álvarez. Madridd: Gredos, 1989.

GEARY, Patrick J. E assim nasceu o nacionalismo étnico. Ípsilon. Lisboa, 2008. [Entrevista a Teresa de Sousa].

GEARY, Patrick J. O Mito das Nações: A invenção do nacionalismo. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2005.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. “UnSouffle d’AlemagneAyant Passé”: Friedrich Diez, Gaston Paris e a gênese das filologias nacionais. Politeia: história e sociedade. Vitória da Conquista, 2015, n. 1. p.15-60. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/politeia/issue/view/282>. Acesso em: 30 out. 2020.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Los poderes de lafilología. Dinámicas de una prácticaacadémicadel texto. Traducción de Aldo Mazzucchelli. México: UniversidadIberoamericana. 2007 [2003].

ILARI, Rodolfo. Linguística Românica. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2018.

MARQUILHAS, Rita. Filologia oitocentista e crítica textual. In: CONGRESSO INTERNACIONAL FILOLOGIA, MEMÓRIA E ESQUECIMENTO. Lisboa, 2008. Actas... Lisboa: Húmus, 2008. p. 355- 367.

PAMPLONA, Marco A. Nação. In: FERES JR., João (Org.). Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014. p.136-153.

RAMOS, Maria Ana. A emergência de uma identidade literária em Portugal: entre história, textos e críticos. Revista Signum, 2019, vol. 20, n. 2. p. 95-115.

RESINA, J. R. (2017). Hispanismo e Estado: o crepúsculo das filologias nacionais. Floema: Caderno De Teoria E História Literária, (3A). Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/floema/article/view/1702>. Acesso em: 21 set. 2020.

ROCHA, Marinês de Jesus. Crítica Textual neolachmanniana no Brasil. In: ______. Crítica Textual neolachmanniana e memória disciplinar: os lugares-comuns críticos da filologia brasileira. São Paulo: Novas edições acadêmicas, 2016.

ROTENSTREICH, Nathan. Volksgeist. In: WIENER, Philip P. DictionaryoftheHistoryofIdeas IV: Psychologicalideas in antiquitytoZeitgeist. Nova Iorque: Charles Scribner's Sons, 1974.

SILVA, Vítor Aguiar e. Primavera e Inverno da Filologia Românica. Biblos: Revista da Faculdade de Letras. Coimbra, Universidade de Coimbra, n. 9, 2011

Downloads

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Sacramento, A. (2021). Do léxico e da Cultura: modus operandi. A Cor Das Letras, 22(1), 27–38. https://doi.org/10.13102/cl.v22i1.7311

Edição

Seção

Dossiê: Linguística Histórica: teorias, métodos e resultados. Homenagem a Rosa Virgínia Mattos e Silva

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)