Escola, família e percepção prosódica: um estudo experimental da oitiva de alunos das séries iniciais de Vitória da Conquista na Bahia

Autores

  • Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Vera Pacheco Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7469

Palavras-chave:

Fonética, Percepção, Leitura, Prosódia

Resumo

Ao se escutar a leitura em voz alta de um texto, espera-se que a compreensão completa do que se está ouvindo se dê a partir da percepção das variações prosódicas presentes nessa leitura. O hábito de leitura é um fator importante para o desenvolvimento dessa habilidade que é uma característica importante na constituição do leitor crítico. Partindo desse pressuposto, nosso trabalho busca investigar o nível de percepção prosódica dos alunos das séries iniciais de escolas públicas e privadas da cidade de Vitória da Conquista/BA, considerando-se o nível de escolaridade dos pais desses alunos, bem como considerando-se o hábito de leitura de pais e alunos. Nossa hipótese, é que alunos da escola privada, filhos de pais com graduação completa têm maior nível de percepção prosódica.  Nosso objetivo é descrever a relação entre o tipo de escola (pública e privada), grau de escolaridade dos pais, hábito de leitura e percepção de variação prosódica. Para dar conta do objetivo aqui proposto, realizou-se um experimento que consistiu na oitiva, por alunos das séries iniciais, da gravação do texto Cinderela, preparado com a presença de marcadores prosódicos lexicais de volume, a saber, disse alto e disse baixo. Após a oitiva da gravação, os estudantes realizaram uma tarefa de percepção que tinha por finalidade averiguar o nível de percepção da variação de volume presente nas gravações tocadas. Em análise prévia, foi verificado, por meio de questionário, o nível de escolaridade dos pais dos sujeitos participantes dessa pesquisa e o hábito de leitura de pais e alunos. Os resultados são discutidos considerando-se o papel da escola pública e privada e o nível socioeconômico familiar dos alunos na constituição de sujeitos enquanto leitores proficientes.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

ALLINGTON, R. L. Fluency: The neglected reading goal. The Reading Teacher, 1983.

BREZNITZ, Z. Fluency in reading: synchonization of processes. Mahwah: Lawrence Elbaum Associates, 2006.

CAGLIARI, L.C. et.al. Elementos para uma investigação instrumental das relações entre padrões rítmicos e processos fonológicos no Português Brasileiro. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 10, p. 39-57, 1986.

CAGLIARI, L.C. Breve História da Pontuação. In: Congresso Brasileiro de Linguística. CAGLIARI, L.C. Marcadores prosódicos na escrita. In: Seminário do Grupo de estudos Linguísticos, 18, 1989, Lorena. Anais. Lorena: Grupo de Estudos Linguísticos de São Paulo, p. 195-203, 1989.

CAGLIARI, L.C. Prosódia: Algumas Funções dos Supra-segmentos. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v.23, p 137-151, 1992.

CAGLIARI, L.C. A Estrutura Prosódica do romance A Moreninha. Oxofor: Estágio Pós-Doutoral, 2002. (Relatório).

CUTLER, A; et al. Prosody in the Comprehension of Spoken Language: A Literature Review. Language and Speech, London, v. 40, n. 2, 1997.

DICIONÁRIO A. E. Século XXI. Enciclopédia Digital. Versão 3.0. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Novembro de 1999. Disponível em: ˂http://www.dicionarioinformal.com.br/lus%C3%B3fono/˃. Acesso em 05 set. 2019.

ERICKSON, D; et al. Articulatory Correlates of Prosodic Control: Emotionand emphasis. Language and Speech, London, v. 41,n. 3-4, p. 399-417, 1998.

Good RH 3rd; et al. The importance e decisionmaking utility of a continuum of fluency-based indicators of oundational reading skills for third-grade highstakesoutcomes. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1207/S1532799XSSR0503_4. Acesso em: 17 jul. 2019.

HUDSON, R. F; et al. Reading fluency assessment and instruction: What, why, and how? The Reading Teacher, New york, v. 58, n. 8, 702-714, May 2005.

KUHN, M.; STAHAL, S. A. Fluency: a review of development and remedial practices. Journal of Educational Psychology, v. 95, p. 3-21, 2003.

LEFFA, V. J. Perspectivas no estudo da leitura: texto, leitor e interação social. In: O ensino de leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: Educat, 1999.

MARTINS, M. R. D. Ouvir Falar: Introdução à Fonética do Português. ed. 3. Lisboa: Caminho, Série Linguística, 1988.

MATEUS M. H. M., et al. A Fonética, Fonologia e Morfologia do Português. Lisboa: Universidade Aberta, 1990.

MORAIS, J. A arte de ler. São Paulo: Editora UNESP, 1996.

PACHECO, V. Estudo dos Marcadores Prosódicos através de uma investigação acústico-percpetual de textos lidos por falantes do português do Brasil. 2003. 132 p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2003.

PACHECO, V. O efeito dos estímulos auditivo e visual na percepção dos marcadores prosódicos lexicais e gráficos usados na escrita do português brasileiro. 2006. 349f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2006.

PACHECO, V. Evidências do funcionamento da língua oral no texto escrito. Intersecções, v. 1, 2008.

PERFETTI, C. Reading ability. New York: Oxford University Press, 1985.

SANTOS, A. O papel dos marcadores prosódicos na fluência de leitura; Dissertação (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Linguística Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Bahia, 2016.

SHATUCK-HUFNAGEL, S. & TURK, AE. A prosody Tutorial for investigators of Auditory Sentences Processing. Journal of Psycholinguistic Research, Warsaw, v. 25, n. 2, 1996.

SHREIBER, P.A. Understanding prosody´s role in reading acquisition. Theory into Practise. v.30, nº 3, 1991.

SMITH, F. Compreendendo a leitura. Uma análise psicolinguística do aprender a ler. 4. ed. Porto Alegre: ArtMed, 1989.

STEVENS, K.N.; KLATT, D.H. Role of formant transitions in the voiced-voiceless distinction for stops. Journal of the Acoustical Society of America. New York, v. 55, n.3, p. 653-59, mar. 1974.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Gonçalves Pinheiro, M. R. ., & Pacheco, V. . (2021). Escola, família e percepção prosódica: um estudo experimental da oitiva de alunos das séries iniciais de Vitória da Conquista na Bahia. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 18–37. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7469