O português do Oeste baiano: constituição de corpus em Santa Maria da Vitória

Autores

  • Jéssica Carneiro da Silva
  • Maria Cristina Vieira de Figueiredo Silva Universidade Federal da Bahia
  • Gilianderson Castro da Silva Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Thalita Oliveira Fernandes de Araújo Universidade Federal do Oeste da Bahia
  • Ísis Juliana Figueiredo de Barros Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7472

Palavras-chave:

Sociolinguística, Constituição de corpus, Santa Maria da Vitória

Resumo

Este trabalho tem como objetivo discutir aspectos metodológicos de constituição de corpus e, para tanto, apresenta a metodologia e o levantamento de dados linguísticos utilizados como objeto de pesquisa da tese “O português falado no Oeste baiano: constituição de corpus e análise das estratégias de relativização”, vinculada ao projeto “Os falares do Além São Francisco” (FIGUEIREDO, 2015), da UFBA, em parceria com o projeto “O português rural do Oeste da Bahia”, da UFOB. O objetivo central da pesquisa é o de contribuir para a compreensão e descrição linguísticas dos falares baianos do Oeste da Bahia e da sua formação sócio-histórica, através da constituição de corpus em Santa Maria da Vitória (SAMAVI). A partir da coleta da fala vernacular da comunidade quilombola de Montevidinha e da comunidade urbana de SAMAVI, ambas localizadas no Oeste baiano, desenvolve-se a análise de estudos sociolinguísticos e sócio-históricos, resgatando a importância da região, tendo em vista os dados históricos percebidos por meio das narrativas orais, linguísticas, culturais e sociais, que serão apresentados brevemente neste trabalho. Para a construção metodológica da pesquisa, toma-se como base a Sociolinguística Laboviana, por meio do levantamento de células sociais, entrevistas e transcrições linguísticas. Até o momento, nossos resultados abrangem: 12 entrevistas (11 concluídas e uma em andamento) dos falantes de Montevidinha; em SAMAVI, foram gravadas 12 entrevistas sociolinguísticas, reunidas em um corpus com a seguinte estratificação social: três faixas etárias (Faixa I – 25 a 35 anos, Faixa II – 45 a 55 anos, Faixa III – acima de 65 anos) e dois sexos (masculino e feminino). Espera-se que o estudo contribua para a compreensão e descrição linguísticas dos falares do Oeste da Bahia, além de contribuir para a documentação de sua formação sócio-histórica, para a ampliação dos estudos sociolinguísticos no Brasil e para a compreensão da formação sócio-histórica do português brasileiro.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

ARAÚJO, S. S. F. O português popular do semiárido baiano: fundamentos teóricos, sócio-históricos e empíricos. In: LOPES, N. S.; OLIVEIRA, J. M.; PARCERO, L. M. J. Estudos sobre o português do Nordeste: língua, lugar e sociedade. São Paulo: Blucher, 2017. p. 45-72.

BAXTER, A. N. Transmissão geracional irregular na história do português brasileiro – divergências nas vertentes afro-brasileiras. Revista Internacional de Língua Portuguesa. Lisboa, n. 14, p. 72-90, 1995.

BELLO, J. M. F. O.; OLIVEIRA, L. S. F. C.; OLIVEIRA, R. T. A comunidade Montevidinha no contexto de reconhecimento como quilombola no Oeste Baiano (1870-2010). 2010. Monografia. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

BRANDÃO, P. R. B. Um território indiferenciado dos Sertões: a geografia pretérita do Oeste baiano (1501-1827). Boletim Goiano de Geografia. Goiânia, v. 29, n. 1, p. 47-56, 2009.

BRANDÃO, P. R. B. A formação territorial do Oeste baiano: a constituição do “Além São Francisco” (1827 – 1985). Geotextos. Salvador, v. 6, n. 1, p. 35-50, jul./2010.

CARDOSO, S. A. M. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

FREIRE, F. História territorial do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo; Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 1998.

FREITAG, R. M. Ko. Metodologia de coleta e manipulação de dados em sociolinguística. São Paulo: Blucher, 2014.

FIGUEIREDO, C. Falares baianos do além São Francisco. Salvador: UFBA, 2015.

GALVÃO, A. L. O. et al. Breve descrição do patrimônio espeleológico do Município de São Desidério – BA. Revista Brasileira de Espeleologia. Brasília, v. 2, n. 1, 2012, p. 13-28.

GUY, G. R. The quantitative analysis of linguistic variation. In: PRESTON, D. (Ed.). American dialect research. Amsterdam: John Benjamins, 1993. p. 223-249.

GUY, G. R.; ZILLES, A. Sociolinguística quantitativa: instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/santa-maria-da-vitoria>. Acesso em: 24 ago. 2018.

LABOV, W. The social stratification of English in New York City. Washington, DC: Center for Applied Linguistics, 1966.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1994 [1972].

LUCCHESI, D; BAXTER, A. A transmissão linguística irregular. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (Orgs.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 101-124.

NEVES, E. F. Propriedade, posse e exploração da terra: domínio fundiário na Região Oeste da Bahia, século XIX. In: CARIBÉ, C.; VALE, R. (Orgs.). Oeste da Bahia: trilhando velhos e novos caminhos do além São Francisco. Feira de Santana: UEFS, 2012. p. 31-96.

OLIVEIRA, M. A. B. Abordagem histórico-geográfica do Oeste da Bahia: um breve levantamento dos movimentos de divisão no contexto de formação territorial. Revista Espaço Acadêmico. Maringá, n. 165, p. 41-53, fev./2015.

OUSHIRO, L. Tratamento de dados com o R para análises sociolinguísticas. In: FREITAG, R. M. Ko. Metodologia de coleta e manipulação de dados em sociolinguística. São Paulo: Blucher, 2014. p. 133-176.

PIERSON, D. O homem no Vale do São Francisco. Trad. Maria Aparecida Kerberg e Ruy Jungmann. Tomo I. Rio de Janeiro: SUVALE, 1972.

ROCHA. G. O Rio São Francisco: fator precípuo da existência do Brasil. 4. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2004.

SOUZA, J. E. O sertão de cocos na Bahia: uma miragem no Oeste. Brasília: Arte e Movimento, 1996.

TAGLIAMONTE, S. Analysing sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

WEINREICH, U. LABOV, W. HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad. Marcos Bagno; revisão técnica de Carlos Alberto Faraco; posfácio de Maria da Conceição Paiva e Maria Eugênia L. Duarte. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Silva, J. C. da ., Figueiredo Silva, M. C. V. de ., Silva, G. C. da ., Araújo, T. O. F. de ., & Barros, Ísis J. F. de . (2021). O português do Oeste baiano: constituição de corpus em Santa Maria da Vitória. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 70–87. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7472