A mulher na dialetologia brasileira: tinha Nascentes razão?

Autores

  • Leandro Almeida dos Santos
  • Silvana Soares Costa Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7473

Palavras-chave:

Geolinguística, Antenor Nascentes, Mulheres

Resumo

Neste trabalho, de cunho histórico e documental, tem-se por meta evidenciar o importante papel desempenhado pelas mulheres na e para a Dialetologia brasileira. Para tal intento, ao tomar por base a preocupação de Antenor Nascentes, em 1958, na obra Bases para elaboração do atlas linguístico do Brasil, quando afirmou que [...] para a tarefa de colheita de material as mulheres são menos adequadas do que os homens... (NASCENTES, 1958, p. 7), procura-se trazer à tona os caminhos feitos pelos dialetólogos e dialetólogas, a fim de destacar a enorme contribuição feminina para o desenvolvimento da ciência dialetal. Para execução ou realização da pesquisa, alguns passos foram trilhados, tais como: a) determinação do escopo da pesquisa e adoção dos dois primeiros atlas linguísticos realizados no Brasil, o Atlas Prévio dos Falares Baianos (ROSSI, 1963) e o Atlas Lingüístico de Sergipe (FERREIRA et. al., 1987); b) realização de uma leitura bastante criteriosa das introduções dos atlas selecionados; c) levantamento dos dados; d) elaboração de planilhas com a cronologia dos fatos encontrados; e) a construção de um painel expositivo, que demonstra a relevância do trabalho das mulheres para os avanços da Dialetologia e da Geografia Linguística brasileiras e f) fez-se ampla consulta aos registros fotográficos e fichas de pesquisa de campo, objetivando ilustrar os momentos vivenciados pelas equipes dos atlas, APFB e  ALS. Com esse resgate, espera-se que se descortinem histórias de pesquisa in loco que, por vezes, não aparecem nas publicações, mas que são muito importantes para o desempenho do trabalho de pesquisadores e pesquisadoras da Geolinguística brasileira.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial, 1994.

AGUILERA, Vanderci de Andrade (Org.). A geolingüística no Brasil: caminhos e perspectivas. Londrina: EDUEL, 1998.

AGUILERA, Vanderci de Andrade (Org.). A geolingüística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: EDUEL, 2005.

AGUILERA, Vanderci de Andrade; ROMANO, Valter Pereira (Orgs.). A geolinguística no Brasil: caminhos percorridos, horizontes alcançados. Londrina: EDUEL, 2016.

ANDRADE, Carlos Drummond de. A rosa do povo [1945]. In: ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005.

ARAGÃO, Maria do Socorro. S. de; BEZERRA DE MENEZES, Cleuza. Atlas Lingüístico da Paraíba. Brasília: UFPB; CNPq, Coordenação Editorial, 1984.

BALBI, Adrien. Atlas ethnographique du globe, ou classification des peuples anciens et modernes d’aprés leurs langues... et suivi du tableau phisique, moral et politique des cinq parties du monde... Paris: Chez Rey et. Gravier, 1826.

BÍBLIA, Português. A Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição rev. e atualizada no Brasil. Brasília: Sociedade Bíblia do Brasil, 2019.

BRANDÃO, Silvia Figueiredo. A geografia lingüística no Brasil. São Paulo: Ática, 1991.

BRASIL. Decreto n.º 30.643, de 20 de março de 1952. Institui o Centro de Pesquisas da Casa de Rui Barbosa e dispõe sobre seu funcionamento. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Senado Federal, Subsecretaria de Informações, Brasília, 20 mar. 1952.

CAMÕES, Luís Vaz de. Soneto Sete annos de pastor Jacob servia. Obras completas de Luís Vaz de Camões, 1843, v. II. Disponível em: <https://pt.wikisource.org/wiki/Sete_annos_de_pastor_Jacob_servia>. Acesso em: 5 jun. 2020.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino; FERREIRA, Carlota da Silveira. O léxico rural: glossário, comentários. Salvador: EDUFBA, 2000.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

CARDOSO, Suzana et al. Atlas linguístico do Brasil, v.1. (Introdução). Londrina: EDUEL, 2014a.

CARDOSO, Suzana et al. Atlas linguístico do Brasil, v. 2 (Cartas linguísticas). Londrina: EDUEL, 2014b.

CAYMMI, Dorival. A preta do Acarajé. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/dorival-caymmi/1117681/>. Acesso em: 8 jun. 2020.

CHAMBERS, Jack K; TRUDGILL, Peter. La dialectología. Madrid: Visor Libros, 1994.

COSERIU, Eugênio. La geografía lingüística. Cuadernos del Instituto Lingüístico Latinoamericano, Montevideo, n. 11, 1965.

FERREIRA, Carlota; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

FERREIRA, Carlota; MOTA, Jacyra Andrade; SILVA, Myrian; ANDRADE, Nadja; SILVA, Rosa Virgínia; CARDOSO, Suzana; ROLLEMBERG, Vera. Diversidade do Português do Brasil: estudos de dialectologia rural e outros. 2. ed. revista. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, 1994.

FERREIRA, Carlota; FREITAS, Judith; MOTA, Jacyra Andrade; ANDRADE, Nadja; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino; ROLLEMBERG, Vera.; ROSSI, Nelson. Atlas lingüístico de Sergipe. Salvador: UFBA / Fundação Estadual de Cultura de Sergipe, 1987. Salvador: EDUFBA, 2005.

GIL, Gilberto. Aquele abraço. Disponível em: <https://www.vagalume.com.br/gilberto-gil/aquele-abraco.html>. Acesso em: 8 jun. 2020.

GILLIÉRON, Jules; EDMONT, Edmond. Atlas Linguistique de la France. 35 fasc. Paris: Honoré Champion, 1902-1910.

HOLLANDA, Chico Buarque de. Apesar de você. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/chico-buarque/7582/>. Acesso em: 10 jun. 2020.

KOCH, Walter; ALTENHOFEN, Cléo Vilson; KLASSMANN, Mário Silfredo (Orgs.). Atlas Linguístico-Etnográfico da Região Sul do Brasil – ALERS: cartas fonéticas e morfossintáticas. Porto Alegre: Editora da UFRGS; Florianópolis: Ed. UFSC, 2002.

MOTA, Jacyra Andrade; CARDOSO, Suzana A. M. (Orgs.) Documentos 2: Projeto Atlas lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006.

MOTA, Jacyra. Andrade; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino; RIBEIRO, Silvana Soares Costa; PAIM, Marcela Moura Torres; TELES, Ana Regina Ferreira; SANTOS, Denise Gomes Dias; PRUDÊNCIO, Sandra Cerqueira Pereira; FERREIRA, Carlota da S.; ROLLEMBERG, Vera Lúcia. Evento comemorativo dos 50 anos de publicação do Atlas Prévio dos Falares Baianos. 2013.

NASCENTES, Antenor. Études dialectologiques du Brésil. ORBIS – Bulletin International de Documentat ion Linguistique, Louvain, t.. 2, n. 2, p. 438-444, 1953.

NASCENTES, Antenor. Bases para a elaboração do atlas lingüístico do Brasil. Rio de Janeiro: MEC; Casa de Rui Barbosa, v. 1, 1958; v. 2, 1961.

PAIM, Marcela Moura Torres. Tudo é diverso no Universo. Salvador: Quarteto, 2019. p. 44-53.

RIBEIRO, José; ZÁGARI, Mário Roberto L.; PASSINI, José; GAIO, Antonio Pereira. Esboço de um atlas lingüístico de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1977.

ROMANO, Valter Pereira. Balanço crítico da Geolinguística brasileira e a proposição de uma divisão. Entretextos. Londrina, v. 13, n. 2, jul.- dez., p. 203-242, 2013.

ROSSI, Nelson. Atlas Prévio dos Falares Baianos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro-Ministério da Educação e Cultura, 1963.

SANTOS, Leandro Almeida dos; RIBEIRO, Silvana Soares Costa. A mulher e a Dialetologia: tinha Nascentes razão? - Pôster. I Fórum Internacional em Sociolinguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2019.

SILVA NETO, Serafim da. Guia para estudos dialectológicos. 2. ed. Belém: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, 1957.

TELES, Ana Regina Torres Ferreira. Cartografia e Georreferenciamento na Geolinguística: revisão e atualização das regiões dialetais e da rede de pontos para a elaboração do Atlas Linguístico do Brasil formuladas por Antenor Nascentes. 2018. 483f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

ZÁGARI, Mário Roberto. Os falares mineiros: esboço de um Atlas Linguístico de Minas Gerais. In: AGUILERA, Vanderci de Andrade (org.). A geolinguística no Brasil: caminhos e perspectivas. Londrina: Ed. UEL, 1998. p. 31-77.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Santos, L. A. dos, & Ribeiro, S. S. C. . (2021). A mulher na dialetologia brasileira: tinha Nascentes razão?. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 88–110. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7473