Agosto ou desgosto? Revelações do falar nortista no corpus do Projeto ALiB

Autores

  • Ana Rita Carvalho de Souza
  • Marcela Moura Torres Paim Universidade Federal Rural de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7474

Palavras-chave:

Região Norte, Léxico, variação, Geolinguística

Resumo

Neste trabalho se apresenta um dos aspectos de que se ocupa o Projeto Atlas Linguístico do Brasil (Projeto ALiB), o léxico do português brasileiro. Dessa forma, investiga-se a variação lexical referente à área semântica astros e tempo, nas capitais Macapá, Boa Vista, Manaus, Belém, Rio Branco e Porto Velho, pertencentes à Região Norte do Brasil. Com dois volumes já publicados, o Atlas Linguístico do Brasil contempla aspectos da fonética, incluindo a prosódia, do léxico e da morfossintaxe e, a partir do volume de cartas linguísticas, algumas considerações iniciais já podem ser feitas sobre a diversidade de usos vinculada a áreas específicas, mas também relacionada a fatores sociais. A metodologia empregada neste trabalho consistiu na realização das seguintes etapas: i) leitura de textos teóricos referentes ao tema proposto; ii) escolha e formação do corpus, constituído de inquéritos das capitais selecionadas do Projeto ALiB; e iii) análise do corpus a fim de verificar a variedade lexical em termos diatópicos, diassexuais, diastráticos e diageracionais. Dessa forma, a análise dos inquéritos investigados busca estudar itens lexicais, como, por exemplo, mês do cachorro louco, mês do desgosto, mês junino, mês dos casamentos e mês de São João, presentes no repertório linguístico de informantes, homens e mulheres, da faixa etária I (18-30 anos) e da faixa etária II (50-65 anos), de nível fundamental e universitário, com o intuito de verificar o registro e a documentação da diversidade lexical do português falado no Norte do Brasil, seguindo os princípios da Geolinguística Pluridimensional, seguindo os parâmetros geográficos e sociais. Toma-se como base de análise fraseológica a teoria francesa adotada por Mejri (1997), que investiga os critérios de fixação dessas expressões e o seu uso. Para as análises de motivação semântica dos itens encontrados, busca-se aporte teórico em trabalhos como o de Ferreira e Freitas (1994). Assim, almeja-se evidenciar as comunidades de fala que fazem uso dessas lexias em seu cotidiano, como elas ocorrem, por que ocorrem, além de descrever a variedade lexical dos falares nortistas.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

BARROZO, T. A.; AGUILERA, V. A. Sexo e linguagem: uma análise a partir das sabatinas dos ministros do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa e Rosa Weber. Revista da ABRALIN. Campinas, v. 13, n. 1, p. 13-38, jan./jun. 2014.

BENKE, V. C. M. Tabus linguísticos nas capitais do Brasil: um estudo baseado em dados geossociolinguísticos. 2012. 313f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2012.

CARVALHO, P. M. O. Relações entre léxico e ambiente: um estudo da norma lexical do Centro-Oeste do Brasil. 2015. 224f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015.

CASTRO, M. L. S. Motivação semântica no léxico rural de Sergipe. Revista de Letras. Fortaleza, n. 23, v. 1/2, p. 59-63, 2001.

COMITÊ NACIONAL. Atlas linguístico do Brasil. Questionários. Londrina: Eduel, 2001.

COSTA, D. S. S. Vocabulário dialetal do Centro-Oeste: interfaces entre a lexicografia e a dialetologia. 2018. 353f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2018.

COSTA, E. O. Variação lexical nas capitais brasileiras. 2009. 57f. Monografia (Graduação em Letras) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

COSTA, G. B. Denominações para “diabo” nas capitais brasileiras: um estudo geossociolinguístico com base no Atlas Linguístico do Brasil. 2016. 212f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

D’ANUNCIAÇÃO, E. S. Registrando o léxico dos brinquedos e brincadeiras infantis em Minas Gerais. 2016. 86f. Monografia (Graduação em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

FAFINA, D. M. Tabu linguístico no português falado no Maranhão, na Bahia e em Guiné-Bissau. 2017. 154f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

FERREIRA, C.; FREITAS, J. Junho e julho em Sergipe. In: FERREIRA, C. et al. Diversidade do português do Brasil: estudos de dialectologia rural e outros. 2. ed. Salvador: CED, 1994. p. 67-72.

FREITAS MARINS, L. G. O rural e o urbano: novos e velhos falares na região Centro-Oeste do Brasil. 2012. 310f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2012.

MEJRI, S. Le figement lexical. Descriptions linguistiques et structuration sémantique. Tunísia: Faculté des Lettres de la Manouba, 1997.

MONTEIRO-PLANTIN, R. S. Fraseologia: era uma vez um Patinho Feio no ensino de língua materna. v. 1. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014.

NUNES, J; F. Vocabulário do corpo humano nas regiões Norte e Sul do Brasil: perspectivas semântica e geossociolinguística. 2017. 258f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2017.

OLIVEIRA, G. C. O léxico nosso de cada dia na Bahia e no Paraná: acidentes geográficos, fenômenos atmosféricos, astros e tempo. 2014. 230f. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

OLIVEIRA, I. G. Religiões e crenças na Bahia: aspectos do léxico espelhados nos dados do Projeto ALiB. 2016. 275f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

PAIM, M. M. T. A emergência de identidade social de faixa etária e variação: o que revelam os dados do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (Projeto ALiB). In: MOTA, J. A.; PAIM, M. M. T.; RIBEIRO, S. S. C. (Orgs.). Documentos 5: Projeto Atlas Linguístico do Brasil, avaliações e perspectivas. Salvador: Quarteto, 2015. p. 245-253.

PORTILHO, D. A. S. O falar amazônico: uma análise da proposta de Nascentes (1953) a partir de dados do Projeto ALiB. 2013. 155f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2013.

RIBEIRO, S. S. C. Brinquedos e brincadeiras infantis na área do falar baiano. 2012. 752f. 2v. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

RIBEIRO, V.; LOREGIAN-PENKAL, L. O fator faixa etária e a concordância nominal na linguagem falada na cidade de Irati, PR. ANALECTA. Guarapuava, v. 10, n. 1, p. 69-83, jan./jun. 2009.

ROMANO, V. P. Em busca de falares a partir de áreas lexicais no Centro-Sul do Brasil. 2015. 285f. 2v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

SANTOS, G. F. S. Os jogos e diversões infantis no corpus do Projeto ALiB: visitando o Falar Nordestino. 2018. 207f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

SANTOS, L. A. Brincando pelos caminhos do Falar Fluminense. 2016. 199f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SANTOS, L. A. Menstruação na Bahia: um estudo em dois tempos distintos. 2013. 52f. Monografia (Graduação em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

SILVA, J.; SANTOS, R. L. A. A influência da escolaridade no processo de variação de concordância verbal na língua usada em Serra Talhada. Revista a Cor das Letras. Feira de Santana, v. 19, n. esp., Dossiê: VII Encontro de Sociolinguística, p. 124-139, mar. 2018.

SOUSA, A. M. J. Aspectos do Ciclo da Vida na Bahia e no Amazonas: a visão do Projeto ALiB. 2018. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.

SOUSA, C. C. Vocabulário dialetal da Região Norte do Brasil: um estudo das capitais com base nos dados do Projeto ALiB. 2019. 129f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

STREHLER, R. G. Fraseologismos e cultura. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, v. 48, n. 1, p. 9-21, jun. 2009.

YIDA, V. O campo semântico da alimentação e cozinha no Atlas Linguístico do Brasil (ALiB): um estudo lexical nas capitais. 2011. 191f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Souza, A. R. C. de ., & Paim, M. M. T. . (2021). Agosto ou desgosto? Revelações do falar nortista no corpus do Projeto ALiB. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 111–127. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7474