O que é caralho? É um palavrão? É uma parte do corpo humano? Estudo sociolinguístico-cognitivo sobre a variação categorial de um item léxico

Autores

  • Ariadne Domingues Almeida

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7476

Palavras-chave:

Sociolinguística cognitiva, Categorização, Variação, Palavrão, Caralho

Resumo

Apresentam-se resultados de uma pesquisa empreendida que objetivou compreender a variação categorial do item léxico caralho no português do Brasil. O estudo norteou-se por pressupostos da Sociolinguística Cognitiva, de sorte que travou diálogos com autores como Almeida (2016), Lakoff (1987), Rosch (1978), Santos e Lins (2016), Silva (2012). No tocante ao seu desenho metodológico, foi desenvolvido através da abordagem qualitativa do corpus, formado por posts feitos no site Yahoo Respostas; teve natureza exploratória, descritiva, interpretativa e buscou compreender as ocorrências no contexto de uso. Concluído o trabalho, constatou-se que esse item do léxico pode ser ou não categorizado como palavrão, mas, nessa categoria, seu grau de prototipicidade depende que quem o usa.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

ALENCAR, N. L. de. O uso de palavrões na escola e a (im)polidez linguística nos conflitos entre alunos, 2017. Disponível em: <http://www.uern.br/controledepaginas/defendidasem2017/arquivos/4219nubia_lacio_de_alencar_dissertaa§a£o_em_pdf.pdf>. Acesso em: 11.06.2020.

ALMEIDA, A. A. D. 'Histórias sobre as redes de significação do item léxico foda à luz do sociocognitivismo'. In: ALMEIDA, A. A. D.; SANTOS, E. S. dos. Linguagens e Cognição. Salvador: EDUFBA, 2016.

ALMEIDA, A. A. D. ‘Emergências do léxico, emoção e construção de sentidos: um estudo sobre xerecuda’. In: SANTOS, E. S. dos; ALMEIDA, A. A. D.; SIMÕES NETO, N. A. Olhares sobre o léxico: perspectivas de estudos. Salvador: EDUNEB, 2018a.

ALMEIDA, A. A. D. ‘Para além de palavras, construção de sentidos no ato de ler: complexidade e cognição’. In: SILVA, S. B. B. da; PEREIRA, J. N. Língua Portuguesa e literatura no livro didático: desafios e perspectivas. Campinas-SP: Pontes, 2018b.

ALMEIDA, A. A. D. ‘Porra, um palavrão? Às vezes, sim; às vezes, não: um estudo sobre categorização à luz da linguística cognitiva. In: SANTOS, E. S. dos; ALMEIDA, A. A. D.; SIMÕES NETO, N. A. Dez leituras sobre o léxico. Salvador: EDUNEB, 2019

ALMEIDA, A. A. D. A semântica sócio-histórico-cognitiva: antecedentes, estado da arte e propostas para o futuro. No prelo-b.

ALMEIDA, A. A. D. A tessitura do conhecimento: o corpus na construção de estudos semânticos sócio-histórico-cognitivos. Anais do IX Seminário de Estudos Filológicos (IX SEF), Salvador-BA, no prelo-a.

ALMEIDA, A. A. D.; SANTANA, N. M. O. A semântica cognitiva sócio-histórico-cultural questões epistemológicas. In: LOPES, N da S.; SANTOS, E. S. dos; CARVALHO, C dos S. In: Língua e sociedade: diferentes perspectivas, fim comum. São Paulo: Bulcher, 2019.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Trad. Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006.

CESTERO, A. M.; PAREDES, F. (2014). Creencias y actitudes hacia las variedades del español en el siglo xxi: avance de un proyecto de investigación. Disponível em: http://www.mundoalfal.org/CDAnaisXVII/trabalhos/R0091-1.pdf Acesso em: 10 jun. 2020.

DAMÁSIO, A. R. E o cérebro criou o homem (Tr. L. T. Motta), Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 2011.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Trad. Maria Thereza da C. Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 1984.

LAKOFF, G. Women, Fire, and Dangerous Things. What Categories Reveal about the Mind. Chicago: The University of Chicago Press, 1987.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2004.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. (Tr. de José Fernando Campos Fortes), Belo Horizonte, Editora UFMG, 2009

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand, 2009.

PAIVA, V. L. M. de O. e. Lingua(gem) como sistema complexo e multimodalidade. ReVEL, v. 14, n. 27, 2016. [www.revel.inf.br]

PINKER, S. Do que é feito o pensamento: a língua como janela para a natureza humana. Tradução de Fernanda Ravagnani. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Por que vocês gostam tanto do Yahoo Respostas? <https://super.abril.com.br/tecnologia/pq-vcs-gostam-tanto-do-yahoo-respostas/>. Acesso em: 14 jun. 2020.

SANTOS, E. S dos; LINS, H. A. 'O verbo foder sob um olhar cognitivista'. In: ALMEIDA, A. A. D.; SANTOS, E. S. dos. Linguagens e Cognição. Salvador: EDUFBA, 2016.

SILVA, A. S. da. Sistema e variação: quão sistemático pode ser o sistema linguístico num modelo baseado no uso? Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 8, número 1, junho de 2012. ISSN 1808-835X 1.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Almeida, A. D. . (2021). O que é caralho? É um palavrão? É uma parte do corpo humano? Estudo sociolinguístico-cognitivo sobre a variação categorial de um item léxico. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 147–170. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7476