Sobre o estilo na sociolinguística de terceira onda: perspectivas teórico-metodológicas

Autores

  • Carlos César Borges Nunes de Souza
  • Norma da Silva Lopes Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7523

Palavras-chave:

Estilo, Variação estilística, Sociolinguística

Resumo

A variação estilística recebe um tratamento teórico e metodológico diferente nas três ondas da sociolinguística (ECKERT, 2012), implicando descrições diversificadas do fenômeno variável. Na Sociolinguística Variacionista, ou de primeira onda, a variação estilística é vista como o resultado da pertença do falante a categorias macrossociais, como classe, e ao monitoramento da fala em certos contextos estilísticos. Nessa perspectiva, o falante é visto como um agente passivo na construção de seu comportamento estilístico. O foco em redes sociais e categorias locais, assim como em uma metodologia etnográfica de coleta e análise de dados, resultou na descrição da variação estilística como reflexo da inserção do indivíduo em redes sociais e do valor dado ao vernáculo em tais redes. Estudos da variação estilística em redes sociais enquadram-se na Sociolinguística Etnográfica, também denominada de segunda onda. A busca pelo significado social da variação estilística, o estudo dos falantes em suas relações microssociais, como aquelas que podem ser percebidas em comunidades de prática e modulação de persona, são características do estudo da variação estilística da Sociolinguística Estilística, ou de terceira onda. No presente artigo, apresentamos o estudo da variação estilística nas três ondas da sociolinguística, focando no estilo na Sociolinguística Estilística.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

CAMPBELL-KIBLER, Kathryn. Accent, (ING) and the social logic of listener. American Speech, Durham, vol. 82, n. 1, p. 32–64, 2007.

COUPLAND, Nikolas. Style: language variation and identity. New York: Cambridge University Press, 2007.

ECKERT, Penelope. Three waves of variation study: the emergence of meaning in the study of sociolinguistic variation. Annual Review of Anthropology. Palo Alto, n. 41, p. 87-100, 2012.

ECKERT, Penelope. Variation and the indexical field. Journal of Sociolinguistics, Oxford, vol. 12, n. 4, p. 453–476, 2008.

ECKERT, Penelope; WENGER, Étienne. Dialogue: Communities of practice in sociolinguistics: what is the role of power in sociolinguistic variation? Journal of Sociolinguistics: Oxford, v. 9, n. 4, p. 582-589, 2005.

LABOV, William. Language in the inner city: studies in the Black English Vernacular. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972a.

LABOV, William. Some principles of linguistic methodology. Language in society. New York, v. 1, n. 1, p. 97-120, 1972b.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LABOV, William. The social motivation of a sound change. Word. New York, v. 19, n. 3, p. 273-309, 1963.

LABOV, William. The social stratification of English in New York City. 2. ed. New York: Cambridge University Press, 2006.

MILROY, Lesley; GORDON, Matthew. Sociolinguistics: method and interpretation. Oxford: Blackwell, 2003.

TRUDGILL, Peter. Sex, Covert Prestige and Linguistic Change in the Urban British English of Norwich. Language in society. New York, v. 1, n. 2, p. 179-195, 1972.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

ZHANG, Qing. A Chinese yuppie in Beijing: Phonological variation and the construction of a new professional identity. Language in Society. Oxford, v. 34, n. 3, p. 431–466, 2005.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Borges Nunes de Souza, C. C. ., & Lopes, N. da S. . (2021). Sobre o estilo na sociolinguística de terceira onda: perspectivas teórico-metodológicas. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 7–17. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7523