BOAS PRÁTICAS OBSTÉTRICAS EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA DA BAHIA

Autores

  • Mariana Silveira Leal
  • Rita de Cássia Rocha Moreira
  • Mariana Pompeu Sodré
  • Camila Curcino Santos

DOI:

https://doi.org/10.13102/coego.v0i1.4816

Resumo

Eixo temático: Produção, publicação e utilização de evidências científicas.
Introdução: o advento tecnológico na assistência ao parto possibilitou avanços e conquistas importantes para a saúde da mulher e recém-nascido. Entretanto, gerou uma assistência norteada por um modelo com excesso de intervenções de forma rotineira e prejudicial para as mulheres e recém-nascidos, que passaram a conviver com a violência obstétrica. A fim de desconstruir esse modelo tecnocrático hegemônico vigente, surgiu o movimento de humanização do parto e nascimento, que propõe uma assistência baseada em evidências científicas e o retorno da autonomia da mulher. Desde 1996, a Organização Mundial de Saúde e em 2001, o Ministério da Saúde apresentaram categorias baseadas em evidências para a prática clínica-obstétrica.

Downloads

Publicado

2019-10-10