A CONSTRUÇÃO DO REAL como papel da cultura

Cid Seixas

Resumo


O conceito de realidade não permanece o mesmo em todos os momentos da
história do homem nem em todas as culturas e sociedades. Cada cultura, de modo mais ou menos inconsciente, se reserva a tarefa de estabelecer as fronteiras do que entende por real. Objetos do conhecimento, como as coisas abstratas e os fatos concretos, entidades mitológicas, ou divinas, que são incluídas por um povo, ou por um segmento cultural, como pertencentes à esfera da realidade, podem ser tomados por outro segmento como criações e alegorias de uma cultura.


Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo (1980): Confissões [Confessionum], trad. J. Oliveira Santos & Ambrósio de Pina. In

AGOSTINHO: Confissões e De magistro. 2ª ed. São Paulo, Abril Cultural.

BACON, Francis (1979): Novum organum – ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza [Pars

secunda operis quae dicitur novum organum sive indicia vera de interpretatione naturae], trad. e notas de

J. A. R de Andrade. São Paulo, Abril Cultural.

CASSIRER, Ernst (1923): La philosophie des formes symboliques. Vol. I: Le langage [Philosophie der symbolischen

Formem] traduit de l’allemand par Ole Hansen-Love et Jean Lacoste. Paris, Minuit.

CASSIRER, Ernst (1925a): La philosophie des formes symboliques. Vol. II: La pensée mytique [Philosophie der

Symbolischen Formen], traduit de l’allemand par Jean Lacoste. Paris, Minuit.

CASSIRER, Ernst (1925b): Linguagem e mito [Sprache und Mythos: Ein Beitrag zum Problem der

Goetternamen]; trad. J. Guinsburg & Miriam Schnaiderman. São Paulo, Perspectiva. (Col. Debates, 50).

CASSIRER, Ernst (1933): Le langage et la construction du monde des objets, in CASSIRER et alii: Essais sur

le langage. Paris, Minuit, 1969, p. 37-68 (Col. Les sens commun).

CASSIRER, Ernst (1944): Antropologia filosófica: ensaio sobre o homem [An essay on man]; trad. Vicente

Queiroz. 2ª ed. São Paulo, Mestre Jou, 1977.

ECO, Umberto (1968) : A estrutura ausente: introdução à pesquisa semiológica [La struttura assente]; trad. Pérola

de Carvalho. São Paulo, Perspectiva, Universidade de São Paulo, 1971, 428 p. (Col. Estudos, 6).

FERREIRA, Vergílio (1969): Mudança; romance. 3ª ed. Lisboa, Portugália.

FREUD, Sigmund (1895): Projeto para uma psicologia científica [Entwurf einer Psychologie / Project for a

scientific psichology]; trad. José Luis Meurer. Edição Standard Brasileira, Vol. I. Rio de Janeiro, Imago,

, p. 379-517.

FREUD, Sigmund (1923): O ego e o id [Das Ich und das Es / The Ego and the Id]; trad. José Otávio

Abreu. Edição Standard Brasileira, Vol. XIX. Rio de Janeiro, (1976), p. 11-83.

GUERREIRO, Mário (1977): Signo sonoro & signo musical: um esboço de psicologia fenomenológica.

Ciências Humanas. Revista da Universidade Gama Filho. Rio de Janeiro, Vol. I, nº 2, 1977, p. 45-57.

HEIDEGGER, Martin (1979): Sobre o humanismo. Carta a Jean Beaufret, In ¾: Conferências e escritos

filosóficos; tradução, introdução e notas de Ernildo Stein. São Paulo, Abril Cultural.

HERÁCLITO de Éfeso (1978): Fragmentos; trad. J. Cavalcante de Souza. In OS PRÉ-SOCRÁTICOS:

Fragmentos, doxografia e comentários; seleção de José Cavalcante de Souza. São Paulo, Abril Cultural, p. 73-

(Os Pensadores).

HOBBES, Thomas (1640): A natureza humana [The elements of law, natural and politic]; trad. introdução

e notas de João Aloísio Lopes. Lisboa, Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 1983 (Col. Clássicos de

Filosofia).

HOBBES, Thomas (1650): Leviatã; ou Matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil; trad. João P.

Monteiro & M. B. Nizza Silva. São Paulo, Abril, 1979.

LACAN, Jacques (1966): Écrits. Paris, Seuil, 928 p. (Le champ freudien).

LACAN, Jacques (1965): O mito individual do neurótico; trad. Cardoso e Cunha et alii. Lisboa, Assírio & Alvim,

LACAN, Jacques (1978): Função e campo da fala em psicanálise. In –: Escritos [Écrits]; trad. Inês Oseki-

Derpé. São Paulo, Perspectiva (Col. Debates, 132).

LÉVI-STRAUSS, Claude (1949): A eficácia simbólica. In –: Antropologia estrutural [Anthropologie structurale];

trad. Chaim Katz & Eginardo Pires. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1970. (Biblioteca Tempo Universitário,

.

LÉVI-STRAUSS, Claude (1955): A estrutura dos mitos. In –: Antropologia estrutural [Anthropologie

structurale]; trad. Chaim Katz & Eginardo Pires. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1970. (Biblioteca

Tempo Universitário, 7).

MARX, Karl (1956): Teses sobre Feuerbach. In –: Trechos escolhidos sobre filosofia; trad. Inácio Rangel. Rio de

Janeiro, Calvino, p. 60-63.

MARX, Karl (1978): Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. Seleção de José Arthur Giannotti,

trad. José Carlos Brunni et alii. 2ª ed. São Paulo, Abril Cultural, 410 p. (Os Pensadores).

MCLUHAN, Marshall (1964): Os meios de comunicação como extensões do homem [Understanding media: the

extensions of man]; trad. Décio Pignatari. 4ª ed. São Paulo, Cultrix, 1974.

PESSOA, Fernando (1972): Obra poética; organização, introdução e notas de Mª Aliete Galhoz. Rio de

Janeiro, Aguilar.

PESSOA, Fernando (1976): Obras em prosa; organização, introdução e notas de Cleonice Berardinelli. Rio de

Janeiro, Nova Aguilar.

ROUSSEAU, Jean-Jacques (1962a): Do contrato social; ou Princípios do direito político [Du contrat social ou

princips du droit politique]; trad. Lourdes Machado. Obras políticas. Vol. II. Porto Alegre, Globo, p. 1-

ROUSSEAU, Jean-Jacques (1962b): Ensaio sobre a origem das línguas; no qual se fala da melodia e da imitação musical

[Essai sur l’origine des langues oú il est parlé de la mélodie et de l’imitation musicale]; trad. Lourdes

Machado. Obras políticas, Vol. II. Porto Alegre, Globo, p. 417-479.

SEIXAS, Cid (1984):Uma estética marxista: Della Volpe. Estudos lingüísticos e literários, nº 1. Salvador, Universidade

Federal da Bahia, mai. 84, p. 93-101.

SHAFF, Adam (1974): Linguagem e conhecimento [Jezyk a Poznanie]; trad. Manuel Reis (do texto francês

estabelecido por Claire Brendel. Coimbra, Almedina, 304 p.

SHAFF, Adam (1968): A definição funcional de ideologia e o problema do ‘fim do século da ideologia’.

Documentos, nº 2, São Paulo, p. 7-23.

SHAFF, Adam (1976): La objetividad del conocimiento a la luz de la sociologia del conocimiento y del

análisis del lenguaje. In VERÓN, Eliseo (Selección): El proceso ideológico. Buenos Aires, Tiempo

Contemporáneo, 3ª ed., 1976, p. 47-79 (Col. Ciencias Sociales).

UEXKÜLL, Johannes von (1909): Umwelt und Innenwelt der Tiere / Teoretische Biologie, Berlim, 1938.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.