Casa, família e desestruturação em Ciranda de Pedra, de Lygia Fagundes Telles

Suenio Campos de Lucena

Resumo


Este artigo é uma proposta de análise crítica da representação familiar presente no romance Ciranda de Pedra [1954], da escritora Lygia Fagundes Telles. Nosso interesse recai em explorar vínculos parentais marcados por crises, culpas e situações trágicas que negam a ideia da família feliz, perseguida pela protagonista, Virginia, busca quase sempre fadada ao fracasso, uma vez que é recorrente a impressão de personagens tentando salvar suas famílias das ameaças da fragmentação, das decadências afetiva e financeira, situação que, no caso de Ciranda de Pedra, é reforçada pelo fato de Virginia ser filha de Laura com outro homem; “fato” que acarretará em rejeição, sendo tratada como bastarda.

Palavras-chave


Lygia Fagundes Telles; família; rejeição; crise;

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Maria José Somerlate. “Labirintos, redemoinhos e sorvedouros nos contos de Lygia Fagundes Telles” in: Arquivos femininos: Literatura, valores, sentidos. Florianópolis: Mulheres, 2014.

COPATI, Guilherme. “A errância e o gótico em Ciranda de pedra. In: GOMES, Carlos Magno. Interdisciplinar – Especial 90 anos Lygia Fagundes Telles. Aracaju: UFS, 2013.

DAVID, Pierre. Psicanálise e família. Lisboa: Moraes Editores, 1977.

DOR, Joel. O pai e sua função em Psicanálise. São Paulo: Jorge Zahar, 1991.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos (1910). Rio de Janeiro: Imago, 1991.

_______. Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos (1910). São Paulo: Imago, 2010.

_______. Moisés e o monoteísmo. São Paulo: Imago, 1999.

_______. Observações sobre um caso de neurose obsessiva (1909 – 1910). São Paulo: Imago, 2001.

_______. O caso de Schreber: artigos sobre técnica e outros trabalhos (1911 – 1913). Rio de Janeiro: Imago, 1990.

_______. O ego e o id e outros trabalhos. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

_______. O mal estar na civilização (1930). São Paulo: Imago, 1996.

_______. Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

KEHL, Maria Rita. Em defesa da família tentacular. In: PIRES, Paulo Roberto. Outros 500. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2003.

LUCENA, Suênio Campos de. Esquecimento e lembrança em Lygia Fagundes Telles. 2008. 132 p. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

_______(Org.). Lygia Fagundes Telles – entre ritos e memórias. Aracaju: Criação Editora, 2013.

MALARD, Letícia. Escritos de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: Comunicação, 1981.

MALUF, Marina e MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: NOVAIS, Fernando e SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil – República: Da Belle époque à era do rádio (Vol. 3). São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PEDRA, Mabel Knust. Sombras silenciosas – Estranheza e solidão em Lygia Fagundes Telles e Edward Hopper. Niteroi: Eduff, 2013.

PINTO, Cristina Ferreira. O Bildungsroman feminino. São Paulo: Perspectiva, 1990.

PRIORE, Mary Del. Histórias íntimas. São Paulo: Planeta, 2012.

ROUDINESCO, Elizabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

SANTIAGO, Silviano. O Avesso da festa. In: Ciranda de Pedra. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TELLES, Lygia Fagundes. Ciranda de pedra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

________. Verão no aquário. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

TIETZMAN, Vera Maria. Dispersos e inéditos – Estudos sobre Lygia Fagundes Telles. Goiânia: Cânone Editorial, 2009.

XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado. Rio de Janeiro: Record, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.