O Filho Eterno: Um elemento entrópico na família

Claudia Regina Manzolillo

Resumo


Em O Filho Eterno, romance vencedor do Prêmio Jabuti 2008, Cristóvão Tezza desvenda um universo de sensações desagradáveis experimentado nas relações familiares. O personagem-narrador rememora situações dramáticas: o casamento, permeado pela dificuldade econômica e a falta de realização profissional, e o nascimento do filho com Síndrome de Down. Esse percurso de fracassos, de oscilações de sentimentos entre negação e aceitação, marca a narrativa, que beira, em certos momentos, a crueldade. Entretanto, há um turning point. A saga por uma possível cura e o resgate de um pai amoroso, protegido por uma couraça emocional, eclodem durante a narrativa. De certa forma, o filho constrói o pai nesse texto que trata de limitações humanas e demonstra que a barreira do impossível é quebrada pelo amor.

Palavras-chave


Cristovão Tezza; memória; família; filho; down

Texto completo:

PDF

Referências


TEZZA, Cristovão. O filho eterno. Rio de Janeiro: Record, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v8i1.2811

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.