A grande forma de família – Em defesa de uma família inventada

Danilo Sales de Queiroz Silva

Resumo


O artigo explora o desenvolvimento do conceito de família no discurso ficcional de Valter Hugo Mãe. Recorrendo à leitura do romance O filho de mil homens (2011), propõe-se a discussão e alargamento desse conceito. Considerando família como estrutura capaz de amparo e responsabilização pelos membros, escolhidos livre e afetivamente, o modelo desse grupo se amplia consideravelmente no texto do escritor português. A leitura analítica do romance é acompanhada pela crítica sociocultural, a fim de apontar as transformações sofridas por essa forma de organização social e desestabilizar políticas que restringem o espartilho familiar. Segue-se a ideia de que as “famílias em desordem”, mutiladas pelo despedaçamento da ordem unívoca que as sustentou (ROUDINESCO, 2003), reconfiguram-se novas dinâmicas. A família assume a característica de ser “frágil, porosa e expansiva” (BUTLER, 2001, p. 41). O parentesco emerge como paradigma de uma ‘afiliação consensuada’ ou uma ‘organização social de uma necessidade’ – em outros termos, nasce a possibilidade de ‘invenção’ de uma família. Porém, essas formas de ‘família’ se articulam fragilmente com o Estado e sociedade. A narrativa de Mãe incide no turbilhão desse rearranjo e desarranjo familiares.

Palavras-chave


Valter Hugo Mãe; Literatura comparada; Família; Crítica social; Romance

Texto completo:

PDF

Referências


ANGELINI, Paulo Ricardo Kralik. Recensão de O filho de mil homens. Navegações. Rio Grande do Sul/Lisboa, vol. 5, n2, 2012.

BUTLER, Judith. El grito de Antígona. Tradutora (para o espanhol): Esther Oliver. Barcelona: El Roure, 2001.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. de Luiz B. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 2010.

MÃE, Valter Hugo. O remorso de Baltazar Serapião. São Paulo: 34, 2014.

______. Nosso reino. São Paulo: 34, 2012.

______. O apocalipse dos trabalhadores. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

______. A máquina de fazer espanhóis. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

______. O filho de mil homens. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

QUARESMA, Paulo Sergio Andrade. A morte, os mortos e o morrer na Crônica da casa assassinada de Lúcio Cardoso. 2007. 251 f. Dissertação (Mestrado em História da Literatura) – Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande do Sul, 2007.

ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2003.

ZIZEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. Trad. Miguel Serras Pereira. São Paulo: Boitempo, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.