Imanência e transcendência do corpo em Guimarães Rosa

Rubens Alves Pereira

Resumo


O artigo trata dos corpos das palavras, ao realaizar uma leitura de Grande sertão: veredas. O escritor mineiro parece buscar flagrar o mundo em seu frescor enunciativo, ou seja, em seu devir permanente inscrito na força dos corpos.

Palavras-chave


Guimarães Rosa; devir; corpos; percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Trad.Luiz Orlandi. Campinas, SP: Papirus, 1991.

DELEUZE, Gilles. O mistério de Ariana. Trad. de Edmundo Cordeiro. Lisboa: Veja, 1996.

GIL, José. Metamorfoses do corpo. Lisboa: Relógio D’Água Editores,1997.

ROSA, João Guimarães. Sagarana. 23. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 5. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1967.

ROSA, João Guimarães. No Urubuquaquá, no Pinhém. 5. ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.

ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. 2. ed., Rio de Janeiro: José Olympio,1964.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia (Terceiras Estórias). 5. ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

ROSENFIELD, Kathrin H. Grande Sertão: Veredas – Roteiro de leitura. São Paulo: Ática, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v8i1.2825

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.