Guimarães Rosa: o cantador das veredas imerso na modernidade

Luiz Antonio de Carvalho Valverde

Resumo


O artigo estabelece seu olhar sobre a figura de Riobaldo, como homem da modernidade, racional e reflexivo, mas perdido diante dos mistérios do mundo. Entre ser joguete do destino ou governá-lo, muitas possibilidades se constroem e exigem respostas, que são aqui discutidas. 


Palavras-chave


Modernidade; Guimarães Rosa;discurso

Texto completo:

PDF

Referências


BERMAN, Marshall. Tudo que sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São

Paulo, Schwarcz Ltda., 1992.

BOSI, Alfredo. Céu, inferno. In: Céu, inferno. Ensaios de crítica literária e ideológica. São Paulo, Ática, 1988.

CANDIDO, Antonio. Jagunços mineiros de Cláudio a Guimarães Rosa. In: Vários Escritos. São Paulo, Livraria Duas Cidades, 1995.

DANIEL, Mary L. João Guimarães Rosa: travessia literária. Rio de Janeiro, José Olímpio Editora, 1968.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A, 2000.

PESAVENTO, Sandra J.. O imaginário da cidade. Visões literárias do urbano. Porto Alegre, Editora da Universidade/UFRGS, 1999.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1986.

SPERBER, Suzi F.. Guimarães Rosa: signo e sentimento. São Paulo, Ática, 1982.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1993.

VENUTI, Laurence. The translator Invisibility. New York, Routledge. 1995.

VIANNA, Lúcia H. Cenas de amor e morte na ficção brasileira: o jogo dramático da relação homem-mulher na literatura. Niterói, EdUFF, 1999.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade na história e na literatura. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v8i1.2828

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.