A construção da narrativa em Primeiras Estórias

Benedito Veiga

Resumo


O trabalho examina as possibilidades de interpretação das Primeiras Estórias, propondo a ideia de que toda a ambiguidade da sequenciação das estórias, as “primeiras” e as “segundas”, é discutida em Pirlimpsiquice, em um jogo metafórico/simbólico.

Palavras-chave


Jogo simbólico; Primeiras estórias; Guimarães Rosa

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Obras Completas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997. CASTRO, Dácio Antônio de. Primeiras estórias: roteiro de leitura. São Paulo: Ática, 1993.

RAMOS, Maria Luíza. Análise estrutural de Primeiras Estórias. In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

RÓNAI, Paulo. Os vastos espaços. In: ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia: terceiras estórias. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968. ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

PEREIRA, Rubens Alves. Segundas estórias e outros enigmas. In: DUARTE, Lélia Parreira; ALVES, Maria Thereza Abelha (Org.). Outras margens: estudos da obra de Guimarães Rosa. Belo Horizonte: Autêntica: EdPUC, Minas, 2001.

PORTELLA, Eduardo. A Estória cont(r)a a História. In: COUTINHO, Eduardo (Org.) Guimarães Rosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/lm.v8i1.2832

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.