Dito(s) de vida e morte em Campo geral

Maria Theresa Abelha Alves

Resumo


O artigo realiza uma leitura da novela Campo Geral e descobre que é do extraordinário poder da linguagem que Rosa trata, quando coloca diante de nossos olhos de leitor a morte do menino Dito, expondo a relação entre linguagem e morte, dito e silenciado.

Palavras-chave


morte; linguagem; Guimarães Rosa; narrativa

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. “O teatro grego”. In: O óbvio e o obtuso (trad. Isabel Pascoal). Lisboa: Edições 70, 1984.

BLANCHOT, Maurice. A parte do fogo (trad. Ana Maria Scherer). Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

BLANCHOT, Maurice O espaço literário (trad. Álvaro Cabral). Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

DERRIDA, Jacques. Dar la muerte. Barcelona: Paidós, 2000.

HOWARTH, Glennys e LEAMAN, Oliver (org.). Enciclopédia da Morte e da Arte de Morrer. Lisboa: Quimera, 2004.

ROSA, João Guimarães. “Campo Geral”. In: ROSA, J. G. Ficção Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do Amor Metafísica da Morte. São Paulo: Martins Fontes, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Légua & Meia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.