O reino dos homens-narrativas nos contos de Alexandre e outros heróis de Graciliano Ramos

Autores

  • Francisco Fábio Pinheiro de Vasconcelos Universidade Estadual de Feira de Santana

DOI:

https://doi.org/10.13102/lm.v11i2.6256

Palavras-chave:

Graciliano Ramos, Histórias de Alexandre, Homens-narrativas, Narradores

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar os quatorze contos do livro Alexandre e outros heróis (1970) de Graciliano Ramos, buscando demonstrar como eles se afastam da tradição realista e do biografismo que marcou sua obra e se aproximam dos motivos da cultura popular e do folclore do Nordeste, pode-se até afirmar que os contos bebem na tradição da linguagem oral e se avizinham do fantástico e do maravilhoso. Assim, averiguamos como esses contos, embora independentes, se comunicam e se referenciam uns com os outros, convergindo para um todo harmônico e se tornam histórias encaixadas como bem definiu Todorov (2003). O objetivo geral é demonstrar que Alexandre é um “Homem-narrativa” que, segundo Todorov, é um tipo de narrador que dá vida às inúmeras vozes condenadas a narrar a própria solidão. A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica em que o texto teórico de Todorov (2003) ilumina o texto literário. Procuramos evidenciar ainda como nesses contos a palavra assume uma força mágica numa simbiose perfeita entre o real e o fabulado, amparado na lógica aristotélica: “não é ofício do poeta narrar o que aconteceu e, sim, o de representar o que podia acontecer, quer dizer, o que é possível dizer segundo a verossimilhança e a necessidade” (ARISTÓTELES, 1969, p. 171). Isto posto, notamos que esse narrador de casos mantém viva a tradição da cultura, principalmente, se pensarmos de acordo com Walter Benjamim que estamos cada vez “mais pobres de experiências comunicáveis” (1987, p. 198).

Biografia do Autor

Francisco Fábio Pinheiro de Vasconcelos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Professor titular do Departamento de Educação

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Porto Alegre: Globo, 1969.

BENJAMIM, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BOCCACCIO, Giovanni. O Decameron. São Paulo: Hemus, 1987.

BRAYNER, Sônia. Fortuna Crítica de Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

CANDIDO, Antonio. Tese e Antítese. São Paulo: Cia. Editora nacional, 1980.

CANDIDO, Antonio. Ficção e Confissão: ensaio sobre a obra de Graciliano Ramos. 2 ed. Revista pelo autor. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

CRISTOVÃO, Fernando. Graciliano Ramos: estruturas e valores de um modo de narrar. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

GALLAND, Antoine. As mil e uma noites. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

LINS, Álvaro. Jornal da Crítica. 2 Série. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943.

LINS, Osman. O mundo recusado, o mundo aceito e o mundo enfrentado. In: Alexandre e outros heróis. 20 ed. Rio, São Paulo: Record, 1981.

RAMOS, Graciliano. Alexandre e Outros heróis. 7 ed. São Paulo: Martins Editora S. A., 1970.

SENNA, Homero. Revisão do Modernismo. In: Coleção Fortuna Crítica: Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

SILVA, H. Pereira da. Ensaio Crítico-psicanalítico. Rio de Janeiro: Aurora, s/d.

TELES, Lígia. As fronteiras do realismo. Salvador: UFBA, 1979.

TODOROV, Tzevtan. Os Homens-Narrativas. In: Poética da Prosa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VIEIRA, José Geraldo. A Dioptria de Alexandre. In: Alexandre e outros heróis. 7 ed. São Paulo: Martins Editora S. A., 1970.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat, Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec, EDUC, 1997.

Downloads

Publicado

2021-06-13

Edição

Seção

Artigos