O encanto da literatura como um rio que invade uma cidade: a Festa Literária de Santo Estevão

Autores

  • Gláucia Trinchão Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Suely Santos Souza Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS
  • Edésio Conceição Nascimento Secretaria Municipal de Educação de Santo Estevão-Bahia

DOI:

https://doi.org/10.13102/lm.v11i2.6257

Palavras-chave:

Festa Literária, Literatura, Educação, Cultura

Resumo

O presente trabalho compartilha a experiência da I Festa Literária de Santo Estevão-BA, FLISE, que teve como tema: Literatura e Memória: um rio que nos contempla e nunca seca e discute como uma pequena cidade do semi-árido baiano reagiu a esse evento de fomento a leitura. Enfatiza-se o importante papel da educação em proporcionar uma experiência cultural rica, não somente para os estudantes, mas para a população em geral, uma vez que englobou literatura, arte e outras discussões acadêmicas, tendo a difusão do conhecimento como ponto central, na medida em que se utiliza da literatura como instrumento de disseminação de conhecimentos e assim tendo grande impacto na cidade nos aspectos educacional, social, econômico e político. O evento se destacou por envolver toda a rede municipal de ensino e por ter, não somente como anfitriãos, mas, principalmente como protagonistas, os alunos das escolas municipais. Dessa forma, na perspectiva de Freire (1981; 1987; 1989), destaca-se aqui a importância de uma educação emancipatória, que promova ações que incentivem, e mobilizem toda a comunidade em direção ao conhecimento e, especialmente, à literatura como forma de trabalhar a formação de cidadãos conscientes e atuantes em seu lugar de pertença. Como principais resultados observou-se que esse tipo de fomento pode criar importantes espaços de diálogos e emancipação de cidadãos, com enfoque na construção identitária a partir de processos históricos, políticos e culturais da constituição da população local.

Biografia do Autor

Gláucia Trinchão, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica pela Universidade Federal da Bahia -   Escola de Belas Artes (EBA/UFBA), em 1984. Mestra em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU.UFBA), desde 1999. Doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em 2008, no Rio Grande do Sul. Pós-Doutora em Educação pela Universidade de Lisboa, em 2018. Professora Plena de Desenho da Área de Artes Gráficas e Visuais, do Departamento de Letrase Artes, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Professora da Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização em Desenho Registro e Memória Visual) e Stricto Sensu (Mestrado em Desenho, Cultura e Interatividade e Mestrado em Educação). Lidera o grupo de pesquisa Estudos Interdisciplinares em Desenho (CNPq). Coordena o Programa de Pesquisa Integrada: Estudos Interdisciplinares em Desenho (UEFS). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Desenho, atuando principalmente nos seguintes temas: desenho, cultura, arte, história da educação, especialmente em desenho. Autora dos livros: O Parafuso: de meio de transporte a cartão postal e História da Educação em Desenho:  institucionalização, didatização e registro do saber em livros didáticos luso-brasileiros. Organizadora das coleções. Estudos Interdisciplinares em Desenho (2 volumes) e a coleção Desenho, Cultura e Interatividade (3 volumes).

Suely Santos Souza, Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS

Graduada em Pedagogia, Especialista em Desenho com Ênfase em Memória e Registro e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Atua como professora substituta na UEFS, na área de Política e Gestão Educacional e também no Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica - PARFOR. É membro dos grupos de pesquisas Estudos Interdisciplinares em Desenho e Corpo Território Decolonial- UEFS e do Projeto de Pesquisa Impactos pedagógicos das formações continuadas para educação das relações étnico-raciais no agreste central sergipano. Publicou o livro Educação e Desenho: o livro didático e as influências ideológicas das imagens. Trabalha principalmente, nos seguintes temas: políticas públicas e gestão educacional, processos educativos, formação de professores, relações étnico-raciais, identidades sociais, diversidade social, ideologias, ideologias raciais, desenho, análise de imagem.

Edésio Conceição Nascimento, Secretaria Municipal de Educação de Santo Estevão-Bahia

Pós-graduado Lato Sensu em Estudos Culturais, História e Linguagens pelo Centro Universitário Jorge Amado - UNIJORGE (2009), possui graduação em Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual de Feira de Santana (2006); Graduado em Licenciatura em História pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB. Atualização em Ensino da História e Cultura Afro-brasileiras (2011). Coordenador Técnico dos Programas Mais Educação (Educação Integral), Educação e Diversidade Cultural e Étnico-Racial e Fortalecimento dos Conselhos Escolares no município de Santo Estevão, Bahia (2011-2012). Foi Diretor/Chefe do Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de Santo Estevão (2013-2016); Coordenou os seguintes projetos: Programa Cultura e Comunidade (Arte para a Juventude) em 2106, Festival de Música Estudantil de Santo Estevão (2016), Festival de Teatro de Santo Estevão (2014-2015); Tem trabalhos publicados nas temáticas de Educação e Relações étnico-raciais e Educação Integral. Atualmente é professor da Rede de Ensino dos municípios de Rafael Jambeiro e Santo Estevão, Estado da Bahia, atuando no Ensino Fundamental, anos finais.

Referências

ALMEIDA, Silvio de. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

BACK, Cênio. Faces (novas) da educação popular no contexto brasileiro atual: a construção do poder popular pela participação. Disponível em: <https://anped.org.br/sites/default/files/gt06522int.pdf>. Acesso em: 16 de setembro de 2020.

BAHIA. Plano Municipal de Educação. Secretaria Municipal de Educação. Santo Estevão, Bahia, 2013.

BAHIA. Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Festas e Feiras Literárias dinamizam o setor de Leitura e Memória em 2019. Disponível em: <http://www.cultura.ba.gov.br/2019/12/17281/Festas-e-Feiras-Literarias-dinamizam-o-setor-de-Leitura-e-Memoria-em-2019.html> Acesso em: 26 de outubro de 2020.

BAHIA. Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia. Territórios de Identidade, 2015. Disponível em: <http://www.seplan.ba.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=17>. Acesso em: 25 de setembro de 2020.

CONSÓRCIO PORTAL DO SERTÃO. Santo Estevão-BA. Disponível em: <http://www.portaldosertao.ba.gov.br/municipio-santo-estevao-ba.php>. Acesso em: 25 de outubro de 2020.

DUSSEL, Enrique. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

FONSECA, Ivan Claret Marques. Introdução à História de Santo Estevão do Jacuípe. 1983.

FREIRE, Paulo. A sombra desta mangueira. São Paulo: Olho d´água, 1995.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 5ª Ed., Rio Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 12a ed. São Paulo, Cortez, 1989.

INSTITUTO PRÓ-LIVRO. Retratos da Leitura no Brasil. 4ª edição. Disponível em:

<http://prolivro.org.br/wp-content/uploads/2020/07/Pesquisa_Retratos_da_Leitura_no_Brasil_-_2015.pdf>. Acesso em: 18 de setembro de 2020.

KLEIMAN, Ângela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Ângela B. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 2008.

LUCKESI, Cipriano Carlos; BARRETO, Eloi; COSMA, José; BAPTISTA, Naidison. Fazer universidade: uma proposta metodológica. São Paulo: Cortez, 1998.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ESTEVÃO. O município. Disponível em: <https://santoestevao.ba.gov.br/historia>. Acesso em: 25 de outubro de 2020.

ROCHA, José. Terra dos Ipecas II. Feira de Santana: Munartgraf, 2007.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

Downloads

Publicado

2021-06-13

Edição

Seção

Artigos