O Legado Linguístico dos Tapuias no Sertão Baiano

Autores

  • Rejane Cristine Carneiro Santana Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS
  • Luan Oliveira Mendes Universidade Estadual de Feira de Santan - UEFS

DOI:

https://doi.org/10.13102/lm.v11i2.6259

Palavras-chave:

linguística histórica, etnolinguística, tapuias do sertão, língua Kiriri.

Resumo

O presente trabalho, fruto de um projeto de pesquisa de iniciação científica vinculado ao Projeto Vozes do sertão em dados: história, povos e formação do português brasileiro, CE-DOHS – Corpus Eletrônico de Documentos Históricos do Sertão - UEFS,  discute possibilidades de heranças da língua indígena Kiriri, Tronco Macro-Jê, sobre o léxico da língua Kiriri apresentado na gramática do Pe. Maniani (séc XVII/XVIII), a fim de promover um conhecimento mais amplo referente à língua ancestral do povo Kaimbé e heranças desse legado utilizadas no contexto atual. Assim, esta pesquisa analisa expressões supostamente originárias da família Kiriri, ainda faladas na comunidade indígena Massacará, no sertão da Bahia, e as compara com palavras relatadas na produção escrita da gramática do Jesuíta Pe. Mamiani, intitulada Arte de Grammatica da Lingua Brasilica da Naçam Karirí (1699). Com base, também, nos estudos de Serafim Leite (2000), Fernão Cardim (1997), Barbosa (2007), Pompa (2002), Aryon Rodrigues (1994), Mattos e Silva (1993) que trazem uma abordagem sobre os contatos entre jesuítas e indígenas no período da colonização brasileira, como também estudos sobre o Macro-Jê e a produção escrita referente à língua Kiriri. Nessa investida, fizemos um levantamento de palavras da família Kiriri usadas, fluentemente, nessa comunidade, revelando que o legado e o avivamento dessa língua indígena perpetuam entre falantes Kaimbé, do sertão baiano.

Biografia do Autor

Rejane Cristine Carneiro Santana, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS

Doutoranda em Estudos Linguísticos- PPGEL/UEFS. Mestre em História Regional e Local pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2010). Especialista em Linguística pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS (2000). Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras/Francês pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS (1993). Professora Assistente do Departamento de Letras e Artes - DLA - da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Atua como pesquisadora do Projeto Vozes do Sertão em Dados: história, povos e formação do português brasileiro. CE- DOHS – Corpus Eletrônico de Documento Históricos. FAPESB/ Processo 401433/2009-9/ Consepe: 102/2009

Luan Oliveira Mendes, Universidade Estadual de Feira de Santan - UEFS

Graduando do Curso de Letras e Artes –UEFS. Orientando IC – Probic/ UEFS - CE- DOHS/NELP.

 

Referências

AMADO, Janaina. Região, sertão, nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, n.15,1995. p. 145.

ALTMAN, Cristina. Retrospectivas e perspectivas da historiografia da lingüística no Brasil . Revista argentina de historiografía lingüística, I, 2, 115-136, 2009. p. 125.

BARBOSA, Bartira Ferraz. Pernambuco: herança e poder indígena. Nordeste séculos XVI-XVII. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2007.

BARROS, Maria Cândida D. M. Notas sobre a política jesuítica da língua geral na Amazônia (séculos XVII-XVIII). In: FREIRE, José Ribamar Bessa & ROSA, Maria Carlota (Orgs.). Línguas gerais: política lingüística e catequese na América do Sul no período colonial. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003. p. 89.

CALVET, Louis-Jean 2007. As Políticas Linguísticas. Tradução Isabel de Oliveira Duarte, Jonas Tenfen, Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2007.

CARDIM, S. J. Fernão. [1583-90]. Tratados da terra e da Gente do Brasil, transcrição edição e notas de Ana Maria de Azevedo , Lisboa, Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses. 1997. p. 90.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

D’ ANGELIS, Wilmar da Rocha. Como nasce e por onde se desenvolve uma tradição escrita em sociedade de tradição oral? Campinas: Curt Nimuendajú, 2007. p. 6-7.

DANTAS, Beatriz G. et al. Os Povos Indígenas no Nordeste Brasileiro: um esboço histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro (org.) História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, Secretaria Municipal de Cultura, FAPESP, 1992.

DIETRICH, Wolf; NOLL, Volker. O papel do tupi na formação do português brasileiro. In: NOLL, Volker; DIETRICH, Wolf. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p. 83.

EDELWEISS, Frederico G. Estudos Tupis e Tupi-guarani, Rio de Janeiro, Livraria Brasiliana Editora. 1969. p. 158.

FRANCHETTO, Bruna; LEITE, Yonne. 500 anos de línguas indígenas no Brasil. In: CARDOSO, Suzana Alice Marcelino; MOTA, Jacyra Andrade; MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia (Org). Quinhentos anos de história linguística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo (Ba), 2006. p. 25-26.

GALDINO, Marcos. O governo das Almas - a expansão colonial no país dos tapuias - 1651-1798. HUCITEC Editora, 2017.

FUNAI/CR Baixo São Francisco. Relatório Técnico - Kaimbé - 2011. Disponível em <http://funai-ba-pa.blogspot.com.br/p/kaimbe.html>. Acesso em 18 nov. 2011.

LEITE, Serafim (ed.). Novas Cartas Jesuíticas (De Nóbrega a Vieira). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1940.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo VIII. São Paulo: Edições Loyola. [1938] 2004, p. 314.

MAMIANI, Luiz Vincencio. [1699]. Arte de Grammatica da Lingua Brasilica da Naçam Karirí. 2 ed. Rio de Janeiro: Bibliotheca Nacional, 1877. p. IV-V. (Edição facsimilar).

MAMIANI, Luiz Vincencio. 1942 [1698]. Catecismo da Doutrina Christãa na Lingua Brasilica da Nação Karirí. Rio de Janeiro: Bibliotheca Nacional. (Edição fac-similar).

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Português brasileiro: raízes e trajetórias. São Paulo, 1993. p. 240-241.

MATTOSO CÂMARA, Joaquim. Introdução às Línguas Indígenas Brasileiras. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 1977. p. 102-10.

MICHELIS. Moderno dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo; Melhorametos, 1998.

MONTEIRO, John M. Tupis, Tapuias e Historiadores. Campinas, Agosto de 2001.

MONTEIRO, John M. Negros da Terra – índios de bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

NOBRE, Wagner Carvalho de Argolo. Introdução à História das Línguas Gerais no Brasil: processos distintos de formação no período colonial. Dissertação de mestrado. UFBA, Salvador -BA, 2011.

POMPA, Cristina. O lugar da utopia: os jesuítas e a catequese indígena. Novos Estudos. São Paulo, n. 64, , 2002. p. 92.

RODRIGUES, Aryon Dall’igna. Línguas Brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas.4 ed. São Paulo: Loyola, 2002.

RODRIGUES, Aryon Dall‟Igna. Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. São Paulo: DELTA, 1994. p. 49.

SANTOS, Ane Luíse Silva Mecenas. Conquistas da fé na gentilidade brasílica: a catequese jesuítica na aldeia do Geru (16831758). Dissertação de mestrado, UFPB. Campina Grande - PB, 2011.

SANTOS, Fabrício Lyrio. Da Catequese à Civilização - colonização e povos indígenas na Bahia (1750-1800). Cruz das Almas/BA: Editora UFRB, 2014. p. 23.

SANTOS, Marcio Roberto Alves dos. Fronteiras do Sertão Baiano – 1640-1750. Tese de Doutorado, USP-SP, 2010.

SILVA VETO, Serafim. História da Língua Portuguesa. 4 ed.- Rio de Janeiro: Presença [Brasília]:INL,1986.

SOUZA, Jorge Bruno Sales. Etnicidade entre os Kaimbé de Massacará. Salvador: UFBA, 1996.

VILLAR, Mauro de Salles (org.). Dicionário Houaiss Conciso/Instituto Antônio Houaiss, São Paulo: Moderna, 2011.

Downloads

Publicado

2021-06-13

Edição

Seção

Artigos