ALGUMAS NOTAS EM TORNO DO DIÁLOGO DE PAUL RICOEUR COM SER E TEMPO

Fernanda Henriques

Resumo


Tal como o título indica, este texto é constituído por algumas notas reflexivas em torno da posição de Paul Ricoeur sobre Ser e Tempo. Não se trata de fazer uma análise sistemática da posição do autor no conjunto da sua obra, nem sequer, tão pouco, de fazer uma revisão de literatura sobre o tema da relação de Heidegger e Ricoeur. Trata-se, apenas, de acompanhar a apreciação de Ricoeur a Ser e Tempo, no âmbito das suas lições de Louvaina de 1971/72, apreciação que vai marcar o papel que Heidegger desempenhará na conceção hermenêutica de Ricoeur.

Texto completo:

PDF

Referências


RICOEUR, P. Le Volontaire et l’involontaire. Paris Aubier‑Montaigne, 1950.

RICOEUR, P. Interpretation Theory: discourse and the surplus of meaning. Texas The Texas Christian University Press, 1976.

RICOEUR, P. Herméneutique, Cours professé à Louvain,1971/1972. Louvain Éditions du SIC (policopiado).

RICOEUR, P. Finitude et Culpabilité. II. La symbolique du mal. Paris Aubier-Montaigne, 1960.

RICOEUR, P. De l’interprétation. Essai sur Freud. Paris Éditions du Seuil, 1965.

RICOEUR, P. Le conflit des interprétations. Essais d’herméneutique. Paris Éditions du Seuil, 1969.

RICOEUR, P. Du texte à l’action. Essais d’herméneutique, II. Paris Éditions du Seuil, 1986.

RICOEUR, P. Soi-même comme un autre. Paris Éditions du Seuil, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i38.4280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384