CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESSÊNCIA DO PENSAR

Glória Maria Ferreira Ribeiro

Resumo


Num escrito registrado entre 1944 e 45 intitulado Para discussão da serenidade, do filósofo alemão Martin Heidegger, temos retratada a conversa entre um pensador, um erudito e um professor. O tema da conversa é a questão sobre a essência do homem que acaba convergindo para a questão sobre a essência mesma do pensamento - que, tradicionalmente, é concebido como representação; isto é, como um querer. Contudo, no começo da conversa que se estabelece entre os três personagens, fica assentado que a essência do pensamento não se confunde com o pensamento mesmo. Sendo assim, se o pensamento é caracterizado como vontade, como querer, sua essência deve ser algo como o não-querer. Eis o problema posto, eis o nó da conversa. Porque esse não - querer não pode ser fruto da vontade (isto é, do próprio pensamento), enquanto essência do pensamento, o não-querer deve acontecer antes mesmo de qualquer vontade que queira dominar a realidade. É necessário colocar-se, então, na dimensão na qual o pensamento, compreendido como vontade, ainda não se determinou. E colocar-se nessa dimensão é estar entregue ao fenômeno da serenidade, que traduz a experiência mesma do pensar.

Texto completo:

PDF

Referências


BIRAULT, H.. Heidegger et l’expérience de la pensée. Paris: Gallimard, 1978.

FERREIRA, A., B., H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, 1986.

FOGEL, G.; Hans, R.; SCHUBACK, M. C. Por uma fenomenologia do silêncio. Rio de Janeiro: Sette Letras,1996.

HEIDEGGER, M. Acheminement vers la parole. Paris: Gallimard: 1976.

__________________. Introduction à la métaphysique. Paris: Gallimard, 1980.

__________________. La fin de la philosophie et la tâche de la pensé.Paris: Gallimard,1980

__________________. La question de la technique. Paris: Gallimard,1980.

__________________. Le principe de raison. Paris: Gallimard,1983.

__________________. L’être, lefund et le jeu. Paris: Gallimard,1983.

__________________. L’Experiénce de la pensée.In: Questios III. Paris: Gallimard, 1976.

__________________. Pour servir de commentaire à serénité.Paris: Gallimard,1976.

_________________.Qu’appelle-t-on penser?. Paris: Gallimard, 1976.

__________________. Questions IV. Paris: Gallimard,1980.

__________________. Science et méditation.Paris: Gallimard, 1980.

__________________. Sérénite. Paris: Gallimard, 1976.

__________________. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes, 1989.

__________________. Sobre a essência do fundamento. Lisboa: Edições 70, 1988 .

__________________. L’Époque des conceptions du monde. In: Chemins qui ne Ménent nulle part. Paris: Gallimard, 1980.

______________. Sobre o Humanismo. Introdução e notas de Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1967.

______________. O que é isto -A filosofia? Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

___________________. Sobre a essência do fundamento. Lisboa: Edições 70, 1988.

KIERKEGAARD, Soren. O Conceito de angústia.Tradução de Torrieri Guimarães. São Paulo: Hemus, 1968.

KLEIST, Heinrich Von. Teatro de marionetes. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação do Ministério da Educação e Saúde, 1952.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra, Tradução de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand do Brasil S.A, 1989

NUNES, B., Passagem para o poético. Filosofia e poesia em Heidegger. São Paulo: Ática,1986.

LANDIM, R., Evidência e Verdade no Sistema Cartesiano.São Paulo: Editora Loyola, 1992.

RAVEN, J. E., Os filósofos pré-socráticos. Tradução de Carlos Alberto Louro Fonseca, Beatriz Rodrigues Barbosa e Maria Adelaide Pegado. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982.

RILKE, R. M. Livro de Horas. Rio de Janeiro: GEIR, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i38.4282

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384