A recusa da razão como fundamento da moral na filosofia de Schopenhauer

José Clerison Santos Alves

Resumo


Neste artigo, mostraremos que, na filosofia de Schopenhauer, não é possível fundamentar a moral a partir da faculdade de razão. Pois a razão, em seu sistema, possui apenas uma função lógica, em outras palavras, ela não tem nada a ver com a moralidade. Nesta medida, apresentaremos a crítica de Schopenhauer ao formalismo da moral kantiana. O filósofo recusa a distinção kantiana entre razão prática e razão teórica, pois, na sua visão, a razão não é uma faculdade do incondicionado, ou seja, ela não pode emitir leis puras para conduzir as ações humanas.  Na concepção de Schopenhauer, o imperativo categórico não tem poder para fundamentar a moral, pois este, no seu entender, se apoia em meros conceitos abstratos e vazios de conteúdo. À diferença de Kant, o filósofo sustenta que a moral precisa ter uma base empírica.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOZA, Jair. Os limites da expressão. Linguagem e realidade em Schopenhauer. Porto Alegre: Veritas, 2005.

BEER, M.A. Margrieta. Schopenhauer. New York: Dodge Publishing, 1952.

CACCIOLA, Maria Lúcia Mello e Oliveira. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: Edusp, 1997.

________. Schopenhauer e a Crítica da Razão: a razão e as representações abstratas. São Paulo: Edusp, 1982.

CASSIRER, Ernst. El Problema del Conocimiento III : Los Sistemas Poskantianos. México : Fondo de Cultura Económica, 1957.

CRONE, Robert A. Schopenhauer on Vision and the Colors. Reguliersgracht 1, 1017 L J Amsterdam, The Netherlands. 199, Kluwer Academic Publishers. Printed in the Netherlands.

FAUSTINO, Sílvia. Schopenhauer, Wittgenstein e a Recusa da Razão Prática. Revista de Filosofia, Vol. 19, N. 25. Curitiba: Champagnat, pp. 255-272, 2007.

HANNAN, Barbara. The Riddle of the World: a recosideration of Schopenhuaer’s philosophy. New York. Oxford University Press, 2009.

JANAWAY, Christopher. The Cambridge Companion to Schopenhauer. New York: Cambridge University Press, 1999.

________. Christopher. Schopenhauer: a very short introduction. New York: Oxford University Press, 2002.

________. Christopher. Self and World in Schopenhauer’s philosophy. New York: Oxford Clarendon Press, 1991.

LEFRANC, Jean. Compreender Schopenhauer. São Paulo. Vozes, 2005.

MESTROVIC, G. Stjepan. Moral theory based on the “heart” versus “mind”: Schopenhauer’s and Durkheim’s critiques of Kantian ethics. Texas: A & M university, 1989.

MARTINEZ, Horácio L. A Recusa de Schopenhauer ao “Livre-Arbítrio” da moral kantiana. Revista de Filosofia, Vol. 18, N. 21. Curitiba: Champagnat, pp. 45-68, 2005.

PHILONENKO, Alexis. Schopenhauer: una filosofía de la tragedia. Trad. Gemma Muñoz-Alonso López. Barcelona, Anthropos, 1989.

ROSSET, Clément. Schopenhauer, Filósofo do Absurdo. Trad. Maria Marta Guerra Husseim, Paris: Quadrigel Presses Universitaires de France, 1994.

SCHOPENHUAER, Arthur. De la Quádruple Raíz del Principio de Razón Suficiente. Trad. Leopoldo Eulogio Palacios. Madrid: Editorial Gredos, 1981.

________. Die Welt als Wille und Vorstellung. Müchen: Bei Georg Muller, 1982.

________. O Mundo como Vontade e como Representação. Trad. J. Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

________. The World as will and Representation, in two volumes: volume II. Trad. E. F. J. Payne. New York: Dover, 1958.

________. Parerga y Paralipómena I. Trad. Pilar López de Santa María. Madrid: Editorial Trotta, 2006.

________. Parerga y Paralipómena II. Trad. Pilar López de Santa María. Madrid: Editorial Trotta, 2009.

________. Sobre o Fundamento da Moral. Trad. M. L. Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

________. Sobre la Voluntad en la Naturaleza. Trad. Miguel de Unamuno. Madrid: Alianza Editorial, 2009.

________. Sobre a Filosofía e seu Método. Trad. Flamarion Caldeiras. Hedra. São Paulo: 2010.

________. Contestação ao Livre-arbítrio. Trad. Lurdes Martins. Porto: Rés-Editora, 2002.

________. Los Problemas Fundamentales de la Ética. Trad. Pilar López de Santa María. Madrid: Siglo Veitiuno Editores, 1993.

SNOW E.; JAMES J. Was Schopenhauer an idealist? Journal of the history of philosophy, 29:4, pp. 633-655. Disponível em: http://muse.jhu.edu. Acesso em: 13 Set. 2010, 1991.

TSANOFF, Radoslav A. Schopenhauer's criticism of Kant's theory of ethics. The Philosophical Review, Vol. 19, No. 5, pp. 512-534. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2177314. Acessado em: 20 Jun. 2010, 1910.

WOOD, Rupert. Language as will and representation: Schopenhauer, Austin, and Musicality. Comparative Literature, Vol. 48, No. 4, pp. 302-325. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1771226. Acesso em: 20 Jun. 2010, 1996.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Manuela P. dos Santos e Alexandre F. Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

_______. Crítica da razão prática. Trad. de Arthur Morão. Rio de Janeiro: Edições 70, 1989.

_______. Fundamentação da metafísica dos costumes. in. coleção os pensadores. Trad. Valério Rohden. São Paulo: Abril Cultural, 1974.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i40.4420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384