GADAMER E DUSSEL: DA HERMENÊUTICA DO DIÁLOGO IMPESSOAL AO DIÁLOGO QUE LIBERTA O ROSTO DA MÁSCARA COLONIAL

Renato Carvalho de Oliveira

Resumo


O presente artigo trata do diálogo. A tese é que a hermenêutica de Gadamer não serve para a filosofia da libertação pensar o diálogo na América Latina, devido ao contraste metafísico de ambas. O autor alemão dedicou-se ao tema e propôs uma hermenêutica do diálogo para a filosofia ocidental. Dialogar é uma relação de conhecimento com o tu impessoal de textos do passado (tradição), o qual é um vestígio metafísico de que o fundamento do diálogo, da hermenêutica de Gadamer, não é o mesmo da filosofia latino-americana. Portanto, o objetivo desta pesquisa é revisar a concepção de diálogo, desde o aporte crítico da filosofia de Enrique Dussel. A metodologia se divide em duas partes. A primeira é uma crítica do diálogo na hermenêutica de Gadamer. A segunda trata da perspectiva de diálogo inferida das reflexões de Dussel sobre o conceito de consciência ética. A conclusão é que enquanto a hermenêutica alemã propõe um diálogo, com base no tu impessoal da tradição, a filosofia da libertação sugere um diálogo, cujo fundamento é o rosto de carne transformado em máscara pela colonialidade eurocêntrica do poder, do saber e do Ser. A implicação ética é que dialogar significa libertar a alteridade latino-americana.

Texto completo:

PDF

Referências


DUSSEL, H. Filosofia na América Latina: filosofia da libertação. Tradução de Luiz João Gaio. São Paulo: Loyola, 1977.

DUTT, C. En conversación con Hans-Georg Gadamer. Presentación y traducción de Teresa Rocha Barco. Madrid: Tecnos, 1998.

GADAMER, H.-G. Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 1999.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução de Fausto Castilho. Campinas: Unicamp; Petrópolis: Vozes, 2012.

HINTIKKA, J. “Gadamer: squaring the hermeneutical circle”. Revue Internationale de Philosophie, Bruxelles, v. 54, n. 213, p. 487-497, 2000.

KUSCH, M. Linguagem como cálculo versus linguagem como meio universal. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2001.

LEVINAS, E. Totalidade e Infinito. Tradução de José Pinto. Lisboa: Edições 70, 2015.

QUIJANO, A. Colonialidade del poder y clasificació social. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-130.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

ROSA, L. C. D. A alteridade e a relação pedagógica no pensamento de Henrique Dussel. Diálogo, Canoas, RS, n. 19, p. 131-144, 2011.

STEIN, E. Seminário sobre a verdade: lições preliminares sobre o artigo 44 de Sein und Zeit. Petrópolis: Vozes, 1993.

TORRES, N. M. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Ed.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-173.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i41.4775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384