O PROBLEMA DO FLUXO DA CONSCIÊNCIA

Jeison Andrés Suárez-Astaiza

Resumo


Os conteúdos da consciência estão em um fluxo perpétuo, mas em que consiste esse fluxo e por que representa um problema? O texto a seguir procura responder a essa pergunta, reconstruindo os argumentos que John Dewey e William James, por sua vez, oferecem para explicar a natureza do fluxo da consciência e da vida subjetiva. Assim, na primeira parte do texto, apresentamos a tese geral do naturalismo. Na segunda, discutimos em detalhe a definição que Dewey faz sobre a noção de experiência, em relação aos conceitos de cumprimento [fulfillment] e intenção consciente [conscius intent]. Em seguida, complementaremos com a discussão de duas das cinco características com as quais William James explica, em seus Principles of psychology, a maneira pela qual o pensamento ocorre, a saber: que o pensamento está sempre mudando e, além disso, é sensivelmente contínuo. Finalmente, na última parte, voltamos novamente à exposição do problema do fluxo da consciência, mas à luz de alguns conceitos fenomenológicos como hýle antecipação e retenção. Talvez com isso tenhamos a base necessária para no futuro mostrar como a fenomenologia intencional de Edmund Husserl tenta explicar, à sua maneira, o problema do fluxo da consciência, mas insatisfatoriamente.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. (2006) De Anima. Trad. Maria Cecília Gomes. Editora 34. São Paulo.

BURNET. (1920) Early Greek Philosophy. A & C Black, London.

DESCARTES. (2008) Meditations on First Philosophy. Objections and Replies. The philosophical writings of Descartes, Vol. II. Cambridge University Press. New York.

DEWEY. (1987) “Having an Experience”. Art as experience. Edited by Jo Ann Boydston Carbondale and Edwardsville: Southern Illinois University Press, pp. 42-63.

HUSSERL. (1987) “Philosophie als strenge Wissenschaft”. Aufsätze und Vorträge (1911–1921), mit ergänzenden Texten herausgegeben von Thomas Nenon und Hans Rainer Sepp, Martinus Nijhoff Publishers, Dordrecht, Boston, Lancaster (Hua XXV).

JAMES. (1952) “The Stream of Thought”. Principles of psychology. Encyclopaedia Britannica, pp. 146-161.

KIRK, RAVEN. (1957) The Presocratic Philosophers. A critical history with a selection of texts. Cambridge University Press. London.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i41.4839

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384