BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O SOFRIMENTO SOCIAL

Julio Tomé

Resumo


Pretende-se neste trabalho defender a ideia de sofrimento social, i.e., aquele sofrimento que tem suas causas, origens e manutenção por meio da organização social, cultural e histórica sobre as quais as pessoas estão inseridas; frente à visão providencialista do sofrimento, i.e., a visão de que todo o sofrimento humano é o fruto do desejo de Deus; e frente à visão “neoliberal” (individualista) que defende a ideia de que não há um sofrimento socialmente constituído, mas sim apenas sofrimentos individuais, sobre a qual cada pessoa é a responsável direta por seu sucesso ou fracasso.


Texto completo:

PDF

Referências


BERNSTEIN, J. M. Suffering Injustice: Misrecognition as moral injury in critical theory. In: International Journal of philosophical Studies, 13/3, 303-324. 2005.

FROST, Liz; HOGGETT, Paul. Human Agency and Social Suffering. In: Critical Social Policy, 28/4, pp. 438-460.2008.

PINZANI, Alessandro. "Vai trabalhar, vagabundo": retórica antipobre e aspectos normativos de uma teoria da pobreza. In: SILVA, H. A. (Org.). Sob os olhos da crítica. Reflexões sobre democracia, capitalismo e movimentos sociais. 1ed.Macapá: UNIFAP, 2017, p. 348-388.

QUE HORAS ELA VOLTA? Direção e Roteiro: Anna Muylaert.Interpretes: Regina Casé; Camila Márdila; Michel Joelsas; Karine Teles; Lourenço Mutarelli. Produção: Fabiano Gullane; Caio Gullane; Débora Ivanov; Anna Muylaert. Coprodução: África Filmes; Globo Filmes. 2015.

RENAULT, Emmanuel. A Critical Theory of Social Suffering. In: Critical Horizons, 12-2, 221-241.2010.

WILKINSON, Iain. Suffering. A Sociological Introduction. Cambridge: Polity, 2005.

WILKINSON, Iain; KLEINMAN, Arthur. A Passion for Society. How We Think about Social Suffering. Berkeley:University of Califórnia Press, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i41.4969

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384