UMA RELAÇÃO ENTRE A FUNÇÃO KERNEL DE PLANTINGA, O DESCRITIVISMO SEMÂNTICO E A TEORIA CAUSAL DA REFERÊNCIA DE KRIPKE

Ralph Leal Heck

Resumo


O objetivo deste artigo é explorar a função Kernel proposta por Plantinga como capaz de sintetizar e conciliar a teoria descritivista dos nomes próprios, a teoria causal dos nomes de Kripke, as críticas (modal, semântica e epistêmica) de Kripke ao descritivismo e os argumentos contra tais críticas. A conclusão é que a função Kernel contraria as críticas epistêmica, semântica e modal de Kripke. Mas, diferente do contra-argumento de Dummett, a saída de Plantinga é identificar propriedades essenciais do referente do nome por meio da função Kernel, unificando descritivismo com a aplicação da teoria causal da referência de Kripke para além de nomes, estendendo-a as propriedades. Para chegar a este resultado, inicio expondo os fundamentos do descritivismo, seguido de sua versão mais elaborada: o descritivismo de cacho (cluster descriptivism). Por conseguinte, apresento as críticas modal, semântica e epistêmica de Kripke. Seguido de um contra argumento a cada uma destas críticas. E, por fim, apresento a função Kernel de Plantinga e sua conciliação com estas abordagens aparentemente opostas dos nomes próprios.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMANN, P. Kripke’s Critique Revisited. In: Princípios, v.17, n.27, pp.167-201, 2010.

BRANQUINHO, J.; MURCHO, D.; GOMES, G.N. Enciclopédia de Termos Lógico-Filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DUMMETT, M. Frege: Philosophy of Language. Cambridge: Harvard University Press, 1973.

FREGE, G. Lógica e Filosofia da Linguagem. Trad. Org. Paulo Alcoforado. São Paulo: Edusp, 2009.

______________. Os Primeiros Escritos Lógicos de Gottlob Frege. [Notas, Org. e Trad. Paulo Alcoforado; Alessandro Duarte; Guilherme Wyllie]. Niteroi: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio "Ramon Llull", 2012.

______________. FREGE, Gottlob. O Pensamento [1988]. Trad port: Marco Ruffino. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro/Edufrn, 1999.

GRAÇA, Adriana S. Referência e Denotação: Duas funções Semânticas Irredutíveis. In: Disputatio. n.12, pp.3-20, 2002.

KNEALE, W. Modality De Dicto and De Re. in: Logic, Methodology and Philosophy of Science, Proceedings of the 1960 International Congress. Stanford: Stanford University Press, pp. 622-33, 1962.

KRIPKE, Saul. Naming and Necessity. Massachusetts: Harvard University Press, 1996.

MARCUS, R. B. Modalities and Intensional Languages. In: Synthese, v.13.n.4. Neatherlands: Springer, pp.303–322, 1961.

PENCO, C. Introdução à Filosofia da Linguagem. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

PLANTINGA, A. The Nature of Necessity. Oxford: Oxford University Press, 1982.

PLATÃO. Crátilo: ou sobre a correção dos nomes. São Paulo: Paulus, 2014.

RUSSELL, B. On Denoting. In: Mind. v.14, pp.479-493, 1905.

___________. Os Problemas da Filosofia. Lisboa: Edições 70, 2016.

SEARLE, J. Proper Names. In: Mind, v.67, n. 266, pp. 166-173, 1958.

STRAWSON, P. F. On Referring. In: Mind, v.59, n.235, p.320-344, 1950.

WITTGENSTEIN, L. Tratado Lógico Filosófico. São Paulo: Edusp, 1993.

________________. Investigações Filosóficas. Petrópolis: Vozes, 1994.

ZIFF, P. Semantic Analysis. New York: Cornell University Press, 1960.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.4991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384