O MANTO DE PENÉLOPE E TEIA DE ARACNE: TECITURAS FEMINISTAS DE NIETZSCHE

Mariana Andrade

Resumo


Em Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral, Nietzsche põe em evidência o esquecimento ou apagamento da gênese metafórica da linguagem. Segundo o filósofo, a linguagem seria como que um cemitério de metáforas: metáforas mortas e engessadas nos conceitos ao ponto de esquecerem a si mesmas enquanto metáforas e se tornarem “verdades”. Gostaríamos, então, nas pegadas das possibilidades aventadas por Nietzsche, de desenterrar uma dessas metáforas esquecidas da linguagem: explorar a relação originária, etimológica e metafórica, entre texto e tecido. Ora, todas as atividades associadas à tecelagem e à costura foram, histórica e culturalmente, relegadas às mulheres e relacionadas ao universo feminino. Suspeitamos, e é este o sentido do presente ensaio, que esse esquecimento esconda também uma relação entre a escrita e o feminino que foi apagada e suplantada ao longo da história. O nosso esforço será, então, o de trazer à tona as múltiplas constelações entre o feminino e a escrita. Para realizar tal tarefa, nossa investigação percorrerá o seguinte trajeto: partindo de um primeiro excurso pelo pensamento nietzschiano seguiremos, num segundo momento, por um desvio de resgate metafórico pela mitologia grega e desembocarmos, por fim, na defesa da écriture féminine realizada pelas filósofas Luce Irigaray e Hélène Cixous.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. História dos Animais (Tomo II). Tradução de Maria de Fátima Silva. Lisboa: Imprensa Nacional/ Casa da Moeda, 2008.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. In: Obras escolhidas (Volume II). Tradução de Rubens Torres Filho. São Paulo: Brasiliense, 2000. pp. 9-70.

BERGREN, Ann. Language and the female in early Greek thought. Arethusa, v. 16, 1983, pp. 69-95.

BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico. Petrópolis: Vozes, 1991.

CANGUILHEM, Georges. Qu’est-ce un philosophe en France aujourd’hui?. Commentaire, v. 14, n. 53, 1991, pp. 107-112.

CESAR, Ana Cristina. Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

CIXOUS, Hélène. Le rire de la Méduse. Paris: L'Arc, 1975.

______. Sorties. In: La jeune née. Paris: Union générale d'éditions, 1976.

______. Entre l’écriture. Paris: Des femmes, 1986.

______. Castration or decapitation?. Signs, v. 7, n. 1, 1981, pp. 41-55.

DETIENNE, Marcel; VERNANT, Jean-Pierre. Métis: As astúcias da inteligência. Tradução de Filomena Hirata. São Paulo: Odysseus Editora, 2008.

DUMITH, Denise de Carvalho. O mito de Penélope e sua retomada na literatura brasileira: Clarice Lispector e Nélida Pinõn. Rio Grande do Sul, 2012. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira), Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

FERRAZ, Maria Cristina Franco. Da valorização estratégica da metáfora em Nietzsche. In: Nove variações sobre temas nietzschianos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. pp. 37-56.

FONTELA, Orides. Poesia Reunida. Rio de Janeiro: Cosac Naify; 7 Letras, 2006.

FRONTISI-DUCROUX, Françoise. L’homme-cerf et la femme-araignée: Figures grecques de la métamorphose. Paris: Gallimard, 2003.

HILST, Hilda. Exercícios. São Paulo: Globo, 2002.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2013.

IRIGARAY, Luce. This sex which is not one. Translated by Catherine Porter and Carolyn Burke. Ithaca: Cornell University Press, 1985.

______. J’aime à toi: Esquisse d’une félicité dans l’histoire. Paris: Grasset, 1992.

______. Le corps-à-corps avec la mère. Montreal: Editions de la plein lune, 1981.

______. Marine lover of Friedrich Nietzsche. Translated by Gillian Gill. New York: Columbia University Press, 1991.

JAEGER, Werner. Paidéia: A formação do homem grego. Tradução de Artur Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

KOFMAN, Sarah. Nietzsche et la métaphore. Paris: Payot, 1972.

KRUGER, Kathryn. Weaving the word: The metaphorics of weaving and female textual production. London: Associated University Press, 2001.

LESSA, Fábio de Souza. Expressões do feminino e a arte de tecer tramas na Atenas Clássica. Humanitas, n. 63, 2011, pp. 143-156.

MAGALHÃES, Isabel Alegro de. Ao contrário de Diótima: a diferença sexual na escrita. Ipotesi, v. 10, n. 1, n. 2, jan/jun, jul/dez 2006, pp. 11-20.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. Tradução de Rubens Torres Filho. In: MARÇAL, Jairo (Org.). Antologia de textos filosóficos. Paraná: SEED, 2009. pp. 530–541.

______. Assim falou Zaratustra: Um livro para todos e para ninguém. Tradução de Paulo Ceśar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

______. Humano, demasiado humano: Um livro para espíritos livres (Volume II). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

OVÍDIO. As metamorfoses. Tradução de David Jardim Júnior. São Paulo: Ediouro, 1983.

PAPADOPOULOU-BELMEHDI, Ioanna. Le chant de Pénélope: Poétique du tissage féminin dans l’Odyssée. Paris: Belin, 1994.

PRIETO ARCINIEGA, Alberto. La parole féminine dans la Grèce Ancienne. Dialogues d'Histoire Ancienne, v. 17, n. 1, 1991, pp. 449-452.

SAIS, Lilian Amadei. Mulheres de Homero: o caso das esposas da Odisseia. São Paulo, 2016. Tese (Doutorado em Letras), Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5067

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384