O PAPEL DA MULTIDÃO NOS DISCORSIS DE NICOLAU MAQUIAVEL

Eurico Pereira de Souza

Resumo


Considerando alguns capítulos do Livro I  dos  “ Discorsi “  de Nicolau Maquiavel, pretende-se  apresentar  uma reflexão de como o  pensador florentino pensou  o papel da multidão na república.   Neste  sentido, se verificará, a partir das observações de Maquiavel, os aspectos críticos das ações da multidão,  suas respostas  a certos interlocutores, as forças e as fraquezas da multidão no processo político  e, de certa maneira,  explicitar a opção do secretario florentino  por um republicanismo de base popular, na medida em que ele compreendia o povo como um ator fundamental para a conservação dos valores republicanos.  Maquiavel estava ciente de que sua avaliação incomodava interlocutores, e, devido a isto, pretende-se apresentar algumas posições contrárias às teses do Secretário de Florença, no caso, as observações de  Francesco Guicciardini.

Texto completo:

PDF

Referências


ADVERSE, Helton. A matriz italiana. In BIGNOTTO, Newton. (Org). Matrizes do Republicanismo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel Republicano. São Paulo: Loyola, 1991.

________________ . Republicanismo e realismo: um perfil de Francesco Guicciardini. Belo Horizonte: editora UFMG, 2006.

GILBERT, Felix. Machiavelli e il suo tempo. Bologna: Il Mulino, 1977.

GUICCIARDINI, Francesco Considerazioni intorno ai Discorsi del Machiavelli. In MACHIAVELLI Niccolò. Discorsi sopra la prima deca di Tito Livio “ Torino: Einaudi Tascabili, 2000.

GUICCIARDINI, Francesco. Reflexões ( Ricordi ). Edição Bilíngue. São Paulo: Hucitec/Instituto Cultural ítalo Brasileiro, 1995.

LEFORT, Claude. Le travail de l’oeuvre Machiavel. Paris: Gallimard, 1986.

LIVIO, Tito. Storie di Roma. Torino: Unione Tipografico – Editrice Torinese. 1997. A Cura di Luciano Perelli. Volume 2.

MAQUIAVEL, Nicolau. Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2007.

____________________. O Príncipe. Edição Bilíngüe. São Paulo: Editora Hedra, 2011.

MACHIAVELLI Niccolò. Discorsi sopra la prima deca di Tito Livio “ Torino: Einaudi Tascabili, 2000.

MARIN, Marcelo de Paola. Maquiavel e Guicciardini: liberdade cívica e discórdias civis. 2007. 96 p. (Dissertação de Mestrado. PUC/SP)

POCOCK, J. G. A. El momento maquiavélico. Madrid: Editorial Tecnos, 2008.

SAVONAROLA, Jerônimo. Tratado sobre o regime e o governo da cidade de Florença. Petrópolis: Vozes, 1991.

SKINNER, Quentin. As Fundações do Pensamento Político Moderno. São Paulo: Cia da Letras, 1996.

YATES, Frances A. Renacimiento y reforma: la contribución italiana. Ensayos reunidos II. Mexico:FCE, 1991.

Artigos

ADVERSE, Helton. Política e aparência. Hannah Arendt leitora de Maquiavel. Síntese: Belo Horizonte, vol 35, n. 111, 2008. Pag 111-128.

VALVERDE, Antonio José Romera. Maquiavel: a política como técnica. Hýpnos. São Paulo: Educa/Palas Athena, 1998. Vol. 4. Pags. 37-46




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5082

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384