CORPO E POLÍTICA: UMA LEITURA SOBRE ELISABETH DA BOÊMIA

Autores

  • Tessa Moura Lacerda Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5455

Resumo

Sou um corpo em meio a outros corpos. Descartes afirma isso na Sexta Meditação quando inicia a análise da sensação, visando demonstrar a existência dos corpos. O que são os outros corpos do ponto de vista de um sujeito de conhecimento? Aparentemente, o filósofo jamais pôde contemplar o aspecto político dessa consideração – sou um corpo em meio a outros corpos.

               A Sexta Meditação demonstra a distinção radical entre alma e corpo e a união de fato entre alma e corpo no ser humano. Elisabeth da Boêmia, interlocutora de Descartes, é a primeira a apontar a contradição na letra da Sexta Meditação, do ponto de vista da interação entre alma e corpo. Elisabeth sugere que é mais fácil conceber a alma como material do que supor a influência real entre duas substâncias radicalmente distintas. Elisabeth teria uma concepção material da alma? O que o diálogo epistolar entre Elisabeth e Descartes mostra é a presença do corpo nas reflexões de Elisabeth, presença do corpo físico e do corpo político. Talvez Elisabeth entenda melhor do que Descartes o que é ser um corpo em meio a outros corpos.

Biografia do Autor

Tessa Moura Lacerda, Universidade de São Paulo

é professora do Departamento de Filosofia da USP; possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo (1997), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2001), doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2006) e pós-doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2008). É membro do Grupo de Estudos Espinosanos da USP e coordena o NÓS - Grupo de estudos sobre Feminismos. Atualmente é editora dos Cadernos Espinosanos (USP) e parecerista dos Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP). É membro da Comissão de Defesa de Direitos Humanos da FFLCH-USP. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia do Século XVII.

 

Referências

BELGIOIOSO, Giulia (2014). “Descartes, Élisabeth et le cercle cartésien de La Haye” in PELLEGRIN, M.F. et KOLESNIK-ANTOINE, D. (dir.), Élisabeth de Bohême face à Descartes : deux philosophes ? Paris : Vrin, p.13-44.

BUTLER, Judith (2018). Corpos em aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

DESCARTES, R. (1973). Meditações metafísicas. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

__________ (1973b). As paixões da alma. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

CARDOSO, Adelino e FERREIRA, Maria Luísa (orgs.) (2001). Medicina dos afetos. Correspondência entre Descartes e a Princesa Elisabeth da Boêmia. Oeiras: Celta Editora.

CHAUI, Marilena (2000). “Apresentação”, Revista Discurso, 31, São Paulo.

ELIAS, Norbert (1996) A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

FOUCAULT, M. (2013). O corpo utópico (série radiofônica sobre utopia, 7/12/1966). São Paulo: n-1 edições.

KOLESNIK-ANTOINE, Delphine (2014). “Élisabeth philosophe : un cartesianisme empique ? ” in PELLEGRIN, M.F. et KOLESNIK-ANTOINE, D. (dir.), Élisabeth de Bohême face à Descartes : deux philosophes ? Paris : Vrin, p.119-137.

LEOPOLDO E SILVA, Franklin (2005). Descartes. A metafísica da modernidade. São Paulo: Moderna.

MUHANA, Adma (2000). “O gênero epistolar: diálogo per absentian”. Revista Discurso, 31, São Paulo.

SHAPIRO, Lisa (1999), “Princess Elisabeth and Descartes: the union of soul and body and the practice of philosophy”, British Journal for the History of Philosophy 7, n.3, p.503-20.

________ (2001), “Volume Editor’s Introduction” in The correspondence between Princess Elisabeth of Bohemia and René Descartes. Chicago and London: The University of Chicago Press.

PELLEGRIN, Marie-Frédérique (2014). “Élisabeth, ‘chef des cartésiennes de son sexe’“ in PELLEGRIN, M.F. et KOLESNIK-ANTOINE, D. (dir.), Élisabeth de Bohême face à Descartes : deux philosophes ? Paris : Vrin, p.45-61.

PINSKY, Carla (2017) “Apresentação” in PERROT, Michelle, Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Edição

Seção

Dossiê