POR UMA PERSPECTIVA FEMINISTA EM HISTÓRIA DA FILOSOFIA

Izilda Cristina Johanson

Resumo


Este artigo pretende defender e explorar o sentido de se empreender abordagens de perspectivas feminista em história da filosofia e defender a especificidade desta diante de práticas e empreendimentos voltados especificamente e exclusivamente ao campo onde se põe me questão e debate teorias feministas. Defendemos que fazer filosofia de perspectiva feminista não é o mesmo nem muito menos se reduz a fazer teoria feminista ou de gênero. Para essa defesa, mobilizaremos a filosofia antidogmática iluminista de Mary Wollstonecraft e a filosofia antidogmática existencialista de Simone de Beauvoir, em suas semelhanças e diferenças filosóficas.  As chamadas questões de gênero estarão no centro do debate filosófico. A partir delas, buscaremos evidenciar a necessidade de historicização dos próprios termos da diferença sexual, analisar, no contexto de sua conceitualização, o modo operatório dessa oposição binária, muito frequentemente apresentada a partir da sexualização exclusiva do indivíduo do gênero feminino, pondo, por fim em xeque, certas construções hierárquicas e generificações do pensamento que dela decorrem e que não podemos, de nossa parte, considerar nem verdadeiras, nem evidentes, nem muito menos naturais.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Tomás de. Suma Teológica. Tradução de Aldo Vannucchi, OP et alii. Tomo I-IX São Paulo: Loyola, 2002.

ARAÚJO, Carolina. Mulheres na Pós-Graduação em Filosofia no Brasil

– 2015. São Paulo: ANPOF, 2016, disponível em

, acesso 01/11/2019.

ARISTÓTELES. The complete works of Aristotle, 2 vol. . Bollingn Series LXX. Princeton: Princeton University Press, 1985.

BEAUVOIR, Simone. A força das coisas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

__________________. O Segundo Sexo, Vol. 1 e 2, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014.

__________________. Moral da ambiguidade, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1970.

BURKE Edmund, Further Reflections on the Revolution in France, ed. Daniel E. Ritchie (Indianapolis: Liberty Fund 1992). 10/11/2019.

CROCE, Marianne. Place des femmes en philosophie : un panorama de la question . 19 de novembro de 2013. Canadá. disponível em http://raisons-sociales.com/articles/place-des-femmes-en-philosophie-un-panorama-de-la-question/. acesso em 01/11/2019.

COLLIN, F., PISIER, E., VARIKAS, E. Les Femmes de Platon à Derrida - Anthologie critique, Paris, Plon, 2000.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulher. Editora Malê, 2016.

HEGEL, . Princípios da filosofia do direito, São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HUTCHISON Katrina and JENKINS Fiona. Women in Philosophy: what needs to change? New York: Oxford University Press. 2013.

KANT, Emmanuel, Observações sobre o sentimento do belo e do sublime. Campinas: Papirus, 1993).

LAQUEUR, Thomas. Inventando o Sexo - Corpo e Gênero dos Gregos a Freud. Rio de Janeiro. Relume Dumará. 2001.

LE DOEFF, Michèle, L'Imaginaneire philosophique, Paris: Payot, 1980.

________________, L'Étude et le rouet - Des femmes, de la philosophie, etc. Paris, Édition du

Seuil, 1989.

________________, Le sex du savoir, Paris, Flammmarion, 1998.

PRICE, Richard. A Discourse on the Love of Our Country, delivered on Nov. 4, 1789, at the Meeting-House in the Old Jewry, to the Society for Commemorating the Revolution in Britain. With an Appendix. Second edition (London: T. Cadell, 1789). 10/11/2019. https://oll.libertyfund.org/titles/368

ROUSSEAU, J-J. Emílio, ou da educação, São Paulo: Difel, 1997.

SONGE-MOLLER, Vigdis. Philosophy Without Women. The Birth of Sexism in Western Thought . Athlone Contemporary European Thinkers Series, New York. Continuum, 1999.

WAITHE, Mary Ellen (org.). A History of Women Philosophers. Volume 1. Ancient Women Philosophers. 600 B.C. - 500 A.D. Kluwer Academic Publishers Group, Dordrecht, The Netherlands.1987.

WIDER, Kathleen. "Women Philosophers in the Ancient Greek World". Revista Hypatia, 1986, nº 1.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. São Paulo. Boitempo, 2018.

RÉSEAU INTERNATIONAL DES FEMMES. Revue de femmes philosophes, Suiça. UNESCO, nº 1, nov. de 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5473

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384