A ATUALIDADE DA OBRA “A CIDADE DAS DAMAS”: IDENTIDADES E ESTRATÉGIAS POLÍTICAS.

Camila Kulkamp

Resumo


Neste trabalho apresento três pontos que considero importantes para as reflexões feministas e que Christine de Pizan traz na obra A Cidade das Damas (1405): a) primeiro, a utilização da identidade estratégica “damas” contra os intensos processos de degradação política das mulheres no medievo, conforme aborda Silva Federici em Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva (2017); b) segundo, a metáfora da “cidade” como espaço político para mulheres, que denomino de corpo-memória a partir da filosofia política de Hannah Arendt; c) terceiro, a virtude da castidade como estratégia de defesa da integridade das mulheres. Neste sentido, meu objetivo é tentar mostrar como estes aspectos específicos se relacionam com o desenvolvimento de reflexões sobre as filosofias feministas, as éticas e as filosofias políticas na contemporaneidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda. Os perigos de uma história única. Disponível em: Acesso em: 29 abril 2019.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. – São Paulo: Perspectiva, 2016.

ARENDT, Hannah. O que é política? – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo e revisão técnica de Adriano Correia. – Rio de Janeiro: Forense, 2018.

BITEL, Lisa M; LIFSHITZS, Felice. Gender and Christianity in Medieval Europe: New Perspectives. – Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2008.

CHANCE, Jane. The Literary Subversions of Medieval Women. – New York: Palgrave Macmillan, 2007.

DEPLAGNE, Luciana E. de Freitas Calado. A cidade das damas: a construção da memória feminina no imaginário utópico de Christine de Pizan. 2006, 368 p. Tese. (doutorado em Letras) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

DEPLAGNE, Luciana E. de Freitas Calado. Saboreando o saber: a aventura intelectual de Christine de Pizan no seu “Caminho de longo estudo”. Disponível em: < https://meridianum.ufsc.br/files/2017/09/CALADO-Luciana.-Saboreando-o-saber-a-aventura-intelectual-de-Christine-de-Pizan-no-seu-%E2%80%9Ccaminho-de-longo-estudo%E2%80%9D-F.pdf> Acesso em: 31 de agosto de 2019.

COSTA, Cláudia de Lima. O sujeito no feminismo: revisitando os debates. cadernos pagu (19) 2002: pp.59-90.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

GREEN, Karen. When is a contract theorist not a contract theorist? Mary Astell and Catharine Macaulay as critics to Thomas Hobbes. In: HIRSCHMAN, Nancy; WRIGHT, Joanne H. Feminist interpretation of Thomas Hobbes. – The Pennsylvania State University Press, 2012.

KULKAMP, Camila. As mulheres, o nascimento e a natalidade em Hannah Arendt. 2019, 62p. TCC (Licenciatura em Filosofia) – Universidade Federal do Pará, Belém.

MCNAMARA, Jo Ann. A New Song: Celibate Women in the First Three Christian Centuries. – New York: The Institute for Research in History and The Haworth Press, 1983.

SATTLER, Janyne. Uma questão de forma: lições metodológicas com Martha, Cora e Christine. In: SCHMIDT, A. R.; SECCO, G. D.; ZANUZZI, I. Vozes femininas na Filosofia. – Porto Alegre: editora da UFRGS, 2018.

SCHMIDT, Ana Rieger. Christine de Pizan contra os filósofos. In: SCHMIDT, A. R.; SECCO, G. D.; ZANUZZI, I. Vozes femininas na Filosofia. – Porto Alegre: editora da UFRGS, 2018.

SJÖÖ, Monica; MOR, Barbara. The great cosmic mother: rediscovering the religion of the Earth. San Francisco: Harper & Row, 1987.

SILVA, F. M. da. Reinterpretando a imagem da Virgem Maria: uma leitura da obra Anunciações de Maria Teresa Horta. Numéro 13 – Printemps, 2018.

TIBURI, Márcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos. – Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 2018.

WITT, Charlotte; SHAPIRO, Lisa, “Feminist History of Philosophy” The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2018 Edition), Edward N. Zalta (ed.). Disponível em: Acesso em: 27 de Maio 2020.

WUENSCH, Ana Míriam. O quê Christine de Pizan nos faz pensar? In: DEPLAGNE, Luciana E, F, C (Org.) As intelectuais na Idade Média: pensadoras, místicas, cientistas e literatas. João Pessoa: Editora da UFPB, 2015, p. 69-90.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5481

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384