FILÓSOFAS EM TEMPOS SOMBRIOS

Graziela Rinaldi da Rosa

Resumo


Escrever para um dossiê sobre as filósofas em meio a uma crise mundial, e uma pandemia foi um grande desafio. Decidi escrever sobre algumas filósofas que dedicaram suas vidas para lutar por um mundo melhor, além de denunciar alguns problemas da sociedade que viviam. Filósofas que viveram em meio ao caos, como guerras, altos índices de mortalidade, conflitos étnicos, governos fascistas, ditaduras, e nos deixaram seus escritos como legado. Trata de um ensaio, inspirado em pesquisas sobre as mulheres na Filosofia, e as relações de gênero na filosofia, que tenho desenvolvido desde a década de 90, quando ainda não tínhamos grupos de trabalhos sobre Gênero e Filosofia em associações filosóficas e haviam pouquíssimas publicações no Brasil sobre o tema. Trata de um texto inédito, contextualizado com o momento atual, em meio a uma pandemia, que já somam mais de cinquenta e sete mil mortos no Brasil, cabendo a nós, perguntarmos, o que as filósofas tem a nos dizer e nos ensinar sobre viver em tempos sombrios?

Palavras-chave: Filósofas. Crise. Filosofia e Epistemologias feministas.


Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todas feministas. São Paulo: Companhia das letras, 2015.

ALBORNOZ, Suzana Guerra. Política e Vocação Brasileira. Leituras interdisciplinares. Porto Alegre: Editora Fi, 2017.

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. Feminismos Plurais. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ARENDT, Hannah. Prefácio. Homens em Tempos Sombrios. Antropos: Lisboa, 1991, p. 7-10.

_____. Homens em Tempos Sombrios. Lisboa: Antropos, 1991.

_____. As origens do totalitarismo. Imperialismo, a expansão do poder. Uma análise dialética. 1976.

_____. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FELDMANN, Christian. Edith Stein: Judia, atéia e monja. Bauru: São Paulo. EDUSC, 2001.

FLORESTA, Nísia. Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens. São Paulo: Cortez, 1989.

_____. Opúsculo Humanitário. São Paulo: Cortez, 1989-b.

_____. Itinerário de uma Viagem à Alemanha. Santa Cruz do Sul: EDUNISC.1998.

_____. Fragmentos de uma obra inédita. Notas biográficas. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

_____. Cintilações de uma alma brasileira. Florianópolis: Editora Mulheres, 1997.

GARGALLO, Francesca. Las ideas feministas Latinoamericanas. México: Creatividad feminista. 2004. Disponível em: Acesso: junho de 2020.

GARGALLO CELENTANI, Francesca. Feminismos desde Abya Yala. Ideas y proposicio nes de las mujeres de 607 pueblos en nuestra América. México: Editorial Corte y Confección, Ciudad de México, 2014. Disponível em: http://francescagargallo.wordpress.com/. Acesso em: junho de 2020.

HELLER, Agnes. An Ethics of personality. Cambridge e Oxford: Blackwell Publishers, 1996.

HOOKS, Bell. El Feminismo es para todo el mundo. Madrid: EditorialTraficantes de Sueños, 2017.

LAGARDE Y DE LOS RÍOS, Marcela. Los cautiverios de las mujeres: De madresposas, monjas, presas, putas y locas. México: UNAM, 2015.

LAGARDE Y DE LOS RIOS, Marcela. Pacto entre mujeres sororidad. Disponível em: < https://www.asociacionag.org.ar/pdfaportes/25/09.pdf >. Acesso, junho 2020.

LOUREIRO, Isabel. (Orgª). Rosa Luxemburgo. Textos escolhidos. Volume I (1899-1914). São Paulo: Editora Unesp, 2011.

LUGONES, María. Hácia un feminismo descolonial. In: La manzana de la discordia, Julio. 2011, Vol. 6, No. 2: 105-119.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas: Florianópolis. 22 (3). Setembro-Dezembro, 2014, p. 935-952.

LUXEMBURGO, Rosa. O que queremos? In: LOUREIRO, Isabel. (Orgª). Rosa Luxemburgo. Textos escolhidos. Volume I (1899-1914). São Paulo: Editora Unesp, 2011, p. 207-262.

MIÑOSO, Yuderkys Espinosa; CORREAL, Diana Gómez; MUÑOZ, Karina Ochoa (editoras). Tejiendo de outro modo: Feminismo, epistemologia y apuestas descoloniales en Abya Yala. Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014.

ORTEGA, Francisco. Agnes Heller (entrevista). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2002.

PACHECO, Juliana (Orgª). Filósofas. A presença das mulheres na filosofia. Porto Alegre: Editora Fi, 2006.

PERNOUD, Régine. Hildegard de Bingen. A consciência inspirada do século XII. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

PLANT, Isabel. QUINTANA, Concepción; CLARO, Fernanda; GARCÍA-HUIDOBRO, Sofía. Mujeres Bacanas. Chile: Editorial Catalonia. 2017. Disponível em: https://mujeresbacanas.com/june-almeida-1930-2007/ . Acesso em junho de 2020.

RAGO, Margareth. Epistemologia Feminista, Gênero e História. Descobrindo historicamente o gênero. CNT: Compostela, 2012.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do Feminismo Negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ROSA, Graziela Rinaldi da. As Relações de Gênero na Filosofia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2012.

_____. Incluindo as Mulheres Filósofas nas salas de aulas. Anais do 8º Seminário Internacional de Educação. Novo Hamburgo: Feevale, 2005, p. 195-206.

_____. Pensando o feminismo de Nísia Floresta: Contribuições de uma filósofa e educadora pouco conhecida. Anais do Seminário internacional fazendo gênero 7. Florianópolis, 2006. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/fg7/artigos/G/Graziela_Rinaldi_da_Rosa_40.pdf. Acesso em junho de 2020.

ROSA, Graziela Rinaldi da; MORETTI, Cheron Zanini. DESPATRIARCALIZAR E DESCOLONIZAR O CONHECIMENTO: um desafio para a Pedagogia Latino Americana. In.: PEREIRA, Lisanil da Conceiçao Patrocínio; GRANDO, Belini Saléte; CUNHA, Tereza; FERREIRA, Waldineia Antunes de Alcantara (organizadoras). Mulheres, territórios e identidades. Despatriarcalizando e descolonizando conceitos. Curitiba: CRV, 2018, p. 41-52.

TIBURI, Marcia. Como conversar com um Fascista. Reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2016.

TIBURI, Marcia; MENEZES, Magali de; EGGERT, Edla. As Mulheres e a Filosofia. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2002.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos Direitos da Mulher. São Paulo: Boitempo, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/ideac.v1i42.5538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


eISSN: 2359-6384